Home Portal Notícias Reforma de Bolsonaro é machista porque prejudica mais as mulheres, afirmam especialistas e petistas

Reforma de Bolsonaro é machista porque prejudica mais as mulheres, afirmam especialistas e petistas

8 min read
0

A Reforma da Previdência do governo Bolsonaro é machista ao não reconhecer a histórica desigualdade de gênero que afeta a inserção e permanência da mulher no mercado de trabalho. Essas foram as constatações de especialistas e parlamentares petistas que participaram, nessa terça-feira (28), de audiência pública da Comissão Especial da Reforma da Previdência (PEC 06/19) que debateu a aposentadoria das mulheres.

As principais críticas foram dirigidas ao aumento da idade mínima e do tempo de contribuição para a aposentadoria das mulheres. Hoje, as mulheres urbanas se aposentam com 60 anos e as rurais com 55 anos. A reforma passa nos dois casos para 62 anos e 60 anos, respectivamente. Já o tempo mínimo de contribuição para quem se aposenta ao alcançar a idade mínima, passa dos 15 anos atuais para 20 anos, igual ao exigido para os homens. E para conseguir a aposentadoria integral (média de 100% das contribuições), as mulheres terão que comprovar recolhimento ao INSS por 40 anos ininterruptos. Atualmente é de 30 anos para elas, e 35 anos para os homens.

A pesquisadora do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Joana Mostafá lembrou que apenas o aumento do tempo de contribuição mínimo de acesso à aposentadoria para as mulheres, de 15 para 20 anos, vai afastar 44% das mulheres de acessarem a aposentadoria. Em relação aos homens, segundo ela, 18% não conseguiriam alcançar.

“Essa proposta, então, é machista, porque vai jogar as mulheres para receber pensão ou no BPC”, alertou. Ela disse ainda que a diferenciação nos critérios de aposentadoria em favor das mulheres é uma forma de reparação da desigualdade de gênero, que dificulta a inserção da mulher no mercado de trabalho e as colocam em situação de vulnerabilidade social”, observa a pesquisadora.

Ela afirmou ainda que as mulheres trabalham, em média, 10 horas a mais do que os homens nos afazeres domésticos semanais, e que muitas ainda cuidam dos filhos e de pessoas idosas. “E querem destruir um dos mecanismos mais potentes para reduzir essa desigualdade de gênero entre homens e mulheres que é a Previdência Social que distribui benefícios de forma diferente para as mulheres”, lamentou.

Dívidas previdenciárias e desonerações

Ao também criticar a reforma por endurecer as regras para a aposentadoria, a professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Denise Gentil destacou que existem alternativas para tornar a Previdência sustentável sem retirar direitos das mulheres.

“O discurso do déficit do governo é feito para conseguir adesões e aterrorizar a população. Falam sobre o propalado rombo da Previdência de R$ 227 bilhões, mas esquecem de dizer que entre 2005 e 2015 houve superávit na Seguridade brasileira, onde está incluída a Previdência Social. Precisamos cumprir o que diz o artigo 196 e 197 da Constituição Federal, que diz que quando as receitas da Seguridade não forem suficientes o Estado tem o dever de complementar”, argumentou.

E como sugestão para aumentar a arrecadação da Seguridade, a professora da UFRJ propôs a cobrança das dívidas previdenciárias e acabar com as desonerações fiscais. “Em 2018, só em desonerações o governo deixou de arrecadar R$ 283,4 bilhões. Só em sonegação previdenciária são R$ 500 bilhões”, comparou.

Deputadas petistas

Ao comentar a palestra das especialistas a deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR) disse que a Reforma da Previdência do governo Bolsonaro, além de prejudicar as mulheres, também vai levar o País para o buraco. “Esse governo vai padecer, não pelas maluquices que ele faz, porque as maluquices até passam. Vai padecer porque não sabe dar resposta econômica, porque vai levar esse País para o buraco. Porque não é com austericídio do Paulo Guedes que nós vamos construir um país desenvolvido”, avaliou.

Na mesma linha, a deputada Erika Kokay (PT-DF) disse que ao não reconhecer a desigualdade no mercado de trabalho que exige das mulheres um esforço maior para entrar e se manter no mercado de trabalho, o governo Bolsonaro expõe o caráter machista da reforma.

“Existem estudos que apontam que as mulheres se dedicam 17 horas semanais aos trabalhos domésticos, e os homens 8 horas. Portanto, as mulheres trabalham mais. E agora se quer eliminar a única política que reconhece isso e tenta compensar essa desigualdade. Por isso essa reforma é machista ao retirar direitos das mulheres”, acusou.

Também participaram do debate os deputados petistas Arlindo Chinaglia (SP), Paulo Teixeira (SP), Henrique Fontana (RS), Jorge Solla (BA) e Carlos Veras (PE).

 

Héber Carvalho

Foto – Pablo Valadares-Agência Câmara

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

PT cobra da PGR suspensão de edital cultural da Eletrobrás por suspeita de direcionamento

Bancada do PT na Câmara protocolou nesta sexta-feira (16), na Procuradoria-Geral da Repúbl…