Home Portal Notícias CPI de Brumadinho pedirá quebra de sigilos bancário, fiscal e telefônico do ex-presidente da Vale

CPI de Brumadinho pedirá quebra de sigilos bancário, fiscal e telefônico do ex-presidente da Vale

3 min read
0

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga as causas do rompimento da barragem em Brumadinho, Minas Gerais, foi pega de surpresa nesta terça-feira (28), com a decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), que acatou a solicitação do ex-presidente da Vale Fabio Schvartsman de não depor à CPI de Brumadinho. A reação da Comissão, por sugestão do relator, o deputado Rogério Correia (PT-MG) e do presidente da CPI, deputado Júlio Delgado (PSB-MG), é de apresentar um requerimento com a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico do ex-presidente da Vale.

“O objetivo é apurar todas as ligações e movimentações no período que antecede e procede o rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho”, justificou Rogério Correia, que solicitou à assessoria a elaboração do requerimento.

Para o deputado, a ação de Fabio Schvartsman revela o receio que ele tem em ser questionado, investigado. “Se ele não temesse (a investigação), não teria ido ao STF tentar impedir os questionamentos que faríamos a ele. Isso só prova que a Vale tem uma rede de proteção e não quer ser investigada, e faz tudo para que isso não aconteça”, denunciou Rogério Correia.

Segundo o parlamentar mineiro, a Vale cometeu um crime e é necessário que esse crime seja investigado. “Uma empresa como a Vale, a segunda maior mineradora do mundo, permitir que dois crimes, o de Mariana e o de Brumadinho acontecessem, é inadmissível pelo povo brasileiro”, argumentou o petista.

Crime de Brumadinho

Em janeiro deste ano, aconteceu o rompimento da mina Córrego do Feijão, da empresa Vale, em Brumadinho. Segundo a Polícia Civil, o número de mortes confirmadas com o rompimento da barragem é de 243 pessoas e 27 ainda estão desaparecidas.

Participaram da reunião também os deputados petistas de Minas Gerais Patrus Ananias, Padre João e Margarida Salomão.

Benildes Rodrigues

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

PT protocola ação popular contra governo Bolsonaro por monitoramento de redes sociais de parlamentares

Parlamentares do PT na Câmara e no Senado protocolaram hoje (23) ação popular contra o min…