Home Portal Notícias Petistas alertam que Reforma da Previdência pode aprofundar desigualdade nos municípios do interior

Petistas alertam que Reforma da Previdência pode aprofundar desigualdade nos municípios do interior

7 min read
0

Durante a audiência pública que debateu “Os impactos da redistribuição dos recursos da Previdência nos municípios da região Norte e nos municípios de até cinquenta mil habitantes de outras regiões do País”, deputados do PT e especialistas convidados alertaram sobre o aprofundamento das desigualdades sociais que a PEC 06/2019 (Reforma da Previdência), caso aprovada, deve acarretar.

O deputado Airton Faleiro (PT-PA) afirmou que os benefícios da Previdência contribuem para a distribuição de renda, impactando diretamente nas áreas econômica e social desses municípios. “Nós temos muitos casos em que o aposentado é quem sustenta a família. Em mais de 65% dos municípios da Amazônia, o que entra dos benefícios previdenciários tem um impacto maior do que o Fundo de Participação dos Municípios (FPM)”.

As informações do parlamentar são amparadas pelos dados apresentados por especialistas convidados. De acordo com o presidente do Conselho Executivo da Associação Nacional de Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (ANFIP), Floriano Martins de Sá Neto, no Pará, por exemplo, 70% dos municípios receberam mais recursos da Previdência Social do que os repassados pelo FPM. Floriano ressalta que quanto menor o município, mais importante é o repasse previdenciário.

Os números apresentados pelo secretário substituto do TCU, Eduardo Fávero, são ainda mais impressionantes. Segundo ele, as famílias que possuem pelo menos um membro que receba o benefício previdenciário apresentam renda per capita 32% maior, em média. Nas regiões Norte e Nordeste, esses números vão para 110% e 62%, respectivamente, quando se trata da área rural. Já os recursos do RGPS representam a média de 14,4% do PIB dos municípios em todo o Brasil, com parcela significativamente maior nos municípios com menor desenvolvimento.

“Nós temos uma população ainda muito pobre. Que o simples recebimento de uma aposentadoria, mesmo no valor de um salário mínimo, contribui, sim, para o aumento de renda da população”, ressalta Eduardo.

Mesmo assim, o discurso do governo é de combate de privilégios. O deputado Paulo Guedes (PT-MG) questionou os membros da mesa sobre quem são esses privilegiados. “O que a gente tem visto na prática é o corte de direitos das pessoas mais pobres. Qual é a classe dos privilegiados, hoje, da Previdência? Que servidores são esses? Onde estão esses servidores privilegiados? Como é que eles vão ser atingidos?”, indaga o parlamentar.

Floriano Martins ressalta que 80% da economia indicada no texto da PEC é com base no Regime Geral. “É em cima do Benefício de Prestação Continuada (BPC). É em cima de quem recebe a ‘fortuna’ de um salário mínimo do abono PIS/PASEP. Quem é o privilegiado? No governo, do ponto de vista econômico, do que vai dar resultado para o governo, é isto que eu estou dizendo para vocês (os 80% dos trabalhadores)”.

Trabalhadores rurais

Airton Faleiro lembra ainda que as regiões Norte e Nordeste possuem maior número de trabalhadores e trabalhadoras do campo, alertando para o que chamou de “antecipação da reforma” para os rurais, com a medida provisória (MP 871). “Se passar a medida provisória 871, na área rural já foi feita a Reforma da Previdência. Porque eles querem dar um ano apenas para os agricultores se cadastrarem e se recadastrarem na Previdência. Quem não se recadastrou, está fora. Isso tem impacto direto na vida das pessoas, tem impacto direto na economia dos municípios”, argumenta.

O deputado Paulo Guedes, também, chama atenção para esta realidade nos municípios do interior de Minas Gerais. “Nós estamos falando de uma região onde esses benefícios são predominantes, são o ponto de sustentação daquela pequena cidade. Nós vamos ter um descontrole na questão da renda, da fome, da miséria e do desemprego, caso a reforma seja aprovada nos termos que ela chegou aqui no Congresso”.

Assessoria de Comunicação

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Projeto susta ato do Executivo que reclassifica nível de toxicidade de agrotóxicos

O Projeto de Decreto Legislativo 616/19 pretende tornar sem efeito o ato do Ministério da …