Home Portal Notícias Governo Bolsonaro é derrotado na Câmara e Coaf volta para o Ministério da Economia

Governo Bolsonaro é derrotado na Câmara e Coaf volta para o Ministério da Economia

13 min read
0

O texto-base da reforma administrativa do governo (MP 870/2019) foi aprovada nesta quarta-feira (22) pela Câmara, com uma grande derrota para o presidente Bolsonaro e para o ministro da Justiça, Sérgio Moro. O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) não ficará sob a batuta do Ministério da Justiça. O conselho que monitora movimentações financeiras irregulares ou suspeitas para combater lavagem de dinheiro ou sonegação fiscal volta para o Ministério da Economia. “Estamos devolvendo o Coaf para o lugar de onde nunca deveria ter saído”, afirmou o deputado José Guimarães (PT-CE), vice-líder da Minoria.

Guimarães destacou a importância de a Câmara ter preservado o texto da comissão mista que analisou a matéria e retirou de Sérgio Moro o controle do Coaf. Essa conquista, explicou, sintetiza o pensamento majoritário e preserva a autonomia do Poder Legislativo. “O Coaf não pode ser instrumento político de nenhum ministro, de nenhum governo. Ele é um órgão técnico. Como órgão técnico deve estar vinculado ao Ministério da Economia, onde foi originalmente criado”, argumentou.

A deputada Erika Kokay (PT-DF) afirmou que o PT tem clareza de que esta reforma administrativa, que acaba com os ministérios como o Trabalho e o da Cultura e que, ao mesmo tempo, impede a homologação das terras indígenas, tinha como grande propósito assegurar que o Coaf nas mãos de Sergio Moro. “Isso porque foi o Coaf, vinculado ao Ministério da Economia, que indicou a necessidade de haver uma investigação contra Flávio Bolsonaro. Portanto, dizer que o Coaf ir para o Ministério da Justiça é combater a corrupção é negar os fatos”, frisou.

Erika ainda citou um breve currículo da atuação de Sérgio Moro: Uma pessoa que liberou informações sob sigilo, que fez escuta ilegal de conversas da presidenta da República Dilma Rousseff; e que negociou a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sem crimes e sem provas, em troca da condição de ministro. “É para esta pessoa, que o governo Bolsonaro pretendia vincular o Coaf, para que ele pudesse controlar e utilizar os dados do Coaf e a seu bel-prazer?, indagou.

E o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) enfatizou que no mundo inteiro o Coaf está no Ministério da Fazenda, no Ministério da Economia. “É um órgão de inteligência financeira para encontrar movimentações financeiras atípicas, analisá-las e tributá-las ou enviá-las para investigação pelo Ministério Público. É um órgão de Estado. Deve ficar e continuar na Fazenda. Nós não estamos extinguindo o Coaf aqui, estamos fortalecendo”, assegurou.

Funai de volta ao Ministério da Justiça

O governo foi derrotado também na questão da demarcação das terras indígenas. A Fundação Nacional do Índio (Funai) e a missão de realizar a demarcação de terras indígenas voltam para a jurisdição do Ministério da Justiça. O governo Bolsonaro tinha transferido o órgão para o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, da ministra Damares Alves. O governo também havia repassado a tarefa da demarcação de terras indígenas para o Ministério da Agricultura, da ministra Tereza Cristina, deputada licenciada e ex-coordenadora da Bancada Ruralista na Câmara dos Deputados.

A garantia da Funai e da demarcação das terras no Ministério da Justiça foi assegurada pela Oposição durante a apreciação da matéria na comissão mista da MP 870 e não houve destaque do tema em plenário.

O deputado Alexandre Padilha (PT-SP), considerou um avanço o retorno da Funai e da questão indígenas ao Ministério da Justiça. Ele também destacou com vitória a recriação do Conselho Nacional de Segurança Alimentar (Consea), que havia sido extinto pela reforma administrativa de Bolsonaro. “Foi uma vitória importante a recriação do Consea, principalmente em um momento em que o governo Bolsonaro tenta acabar com os conselhos. O Consea havia sido destruído para apagar uma marca do presidente Lula (no combate a fome)”, afirmou Alexandre Padilha.

“O retorno do Consea é uma conquista não só do ponto de vista estrutural das instituições públicas, mas também é uma conquista de toda a sociedade brasileira que se empenhou, se envolveu, juntando até as igrejas para lutar contra a fome no Brasil”, completou o deputado Nilto Tatto (PT-SP).

Reforma Criminosa

Para o deputado Frei Anastácio (PT-PB) a reforma administrativa de Bolsonaro, que reduz o número de ministérios de 29 para 22 é criminosa! “É criminosa porque extingue o Ministério da Cultura, extingue o Ministério do Trabalho, extingue o Ministério das Cidades de uma importância enorme para a população brasileira. Sem o Ministério do Trabalho, as coisas vão funcionar ao bem querer, assim como esse governo quer. Esse Governo não tem noção do que é bom e do que é ruim. Aí joga no que é pior e no que é ruim. É uma falta de noção do Estado brasileiro.

Na avaliação do deputado Carlos Zarattini (PT-SP), essa reforma administrativa do governo Bolsonaro é uma reforma que, a pretexto de enxugar gastos, elimina diversos ministérios que fizeram políticas públicas fundamentais na história deste País. “E, o mais simbólico de todos, o Ministério do Trabalho”, citou. Zarattini destacou ainda o fim dos ministérios da Cultura e das Cidades, entre outros. “Portanto, essa medida é absolutamente criminosa na medida em que vai contra a ação social do governo”.

O deputado Henrique Fontana (PT-RS) também criticou a extinção dos ministérios da Cultura, da Indústria e Comércio e do Trabalho. “Isso é uma estrutura de Estado. Quem ganha eleição deve escolher os seus ministros, mas não pode querer desmontar as políticas cultural, industrial e de crescimento e geração de empregos”.

Para Joseildo Ramos (PT-BA), a diminuição do número de ministérios vai na direção daquilo que este governo “fascista” é contra. “Este governo obscurantista, que tem 5 meses e até agora o que ele revela para o País é um vazio, é um governo amorfo, desestruturado. É uma vergonha o que o Brasil está passando”.

Ministério do Trabalho e Previdência

O deputado Rui Falcão (PT-SP) defendeu destaque do PT para recompor o Ministério do Trabalho e da Previdência Social, mas a base do governo rejeitou. “A situação que o País vive hoje, com recessão — ou quase em recessão, tecnicamente —, desemprego crescente, trabalho precarizado, era fundamental a recriação do Ministério do Trabalho”, lamentou.

Destaques

Para concluir a votação da reforma administrativa, o plenário da Câmara ainda precisa votar dois destaques apresentados ao projeto de conversão da MP 870. Depois o texto segue para apreciação do Senado. A MP tem validade até o dia 3 de junho.

 

Vânia Rodrigues

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

“Após reforma, Brasil entra para lista suja da OIT por desrespeitar leis trabalhistas”, denuncia João Daniel

Pouco mais de um ano e meio depois de a Reforma Trabalhista ter entrado em vigor, o País v…