Home Portal Notícias Artigos A República dos Rufiões – Por PAULO PIMENTA (*)

A República dos Rufiões – Por PAULO PIMENTA (*)

11 min read
0

Por evidente, não se inclui em qualquer programa de desenvolvimento de uma nação, que se pretende soberana, a destruição do seu próprio sistema educacional, com cortes dos recursos que alcançam da base ao topo, e comprometem a formação e a pesquisa. A atual ofensiva do governo do capitão contra as instituições de ensino parece ter tocado na corda sensível capaz de produzir uma reação – a primeira em nível de massas – de um segmento que historicamente cumpre um papel relevante nas mobilizações populares no Brasil: a juventude estudantil.

Ao atacar a área da educação, estrangulando as universidades e institutos públicos e impondo cortes até nos recursos destinados à educação básica, o governo recebeu uma resposta contundente, organizada a partir das entidades que vertebram os movimentos sociais: as entidades estudantis, dos professores, as centrais sindicais, os movimentos sociais dos trabalhadores, os movimentos culturais, as Frentes Brasil Popular e Povo sem Medo e os partidos de esquerda.

As manifestações de 15 de maio revelaram uma poderosa energia social represada capaz de fazer frente à imposição da barbárie. Articularam o inconformismo de vastos setores populares diante da ofensiva sobre o sistema educacional com a defesa da democracia e a rejeição à famigerada Reforma da Previdência, que ataca de forma geral os setores mais populares e, de modo particular, as trabalhadoras e trabalhadores da educação. Deixaram claro que não apoiam Bolsonaro nem a sua agenda antipopular, antidemocrática e antinacional. Um importante contraponto à mídia e aos setores do denominado centrão que ensaiam uma oposição ao Presidente mantendo, porém, a defesa de sua agenda ultraliberal.

A resposta massiva dos movimentos progressistas contribui para que todos os setores da sociedade, mesmo os eleitores do capitão, percebam a gravidade da forma como está sendo conduzido o país, levando ao descalabro autoritário que vai reduzi-lo à condição de neocolônia. Os cortes no orçamento da educação pública farão com que o Brasil volte ao tempo dos altos índices de analfabetismo, exclusão escolar, e baixa capacidade de pesquisa e inovação. Em resumo, vamos produzir uma geração de excluídos educacionais, propensa a ser mão de obra barata para um mercado cada vez mais dependente dos interesses do capital internacional.

Este cenário representa uma insensatez capaz de quebrar os vínculos do país com o mundo contemporâneo, com a sociedade tecnológica e do conhecimento, com todos os requisitos que servem para distinguir uma nação soberana, que aspira reconstruir um projeto de desenvolvimento nacional autônomo. Além disso, rebaixa o Brasil a uma horda primitiva de párias sem fisionomia própria ao se apresentar diante do mundo.

Em cinco meses o Palácio do Planalto se converteu no caos, tratando somente de interesses restritos da familícia e de sua base social ideológica, como a liberação do porte de armas, a remoção dos pardais e a censura de comerciais de empresas públicas.

A ofensiva contra o sistema educacional, as Universidades Públicas, os Centros de Pesquisa e os Institutos Federais nos leva à constatação de um projeto que aposta na liquidação de qualquer aspiração de desenvolvimento independente para o Brasil. Repete-se, meio século depois, o dilema de 1964: no conflito entre os grandes players da política e da economia internacionais, EUA e URSS, não havia, naquele momento, espaço para o Brasil. Hoje, o país se encontra entre as dez maiores economias do mundo, mas como há 50 anos, deve renunciar a qualquer perspectiva de projeto nacional autônomo.

Aliado a isso, o charlatanismo se converteu em prática política quotidiana. Há poucos dias o governo brasileiro rosnou ameaças de invasão contra o território venezuelano instigado por Trump, no dia seguinte, determinou um corte de 42% no orçamento das forças armadas. Ora, não faz sentido falar em enviar tropas para o combate e no dia seguinte cortar o orçamento que lhes garantiria os suprimentos. Uma atitude como esta não pode ser séria. O governo não consegue conter a desmoralização inevitável diante de uma sequência sistemática de afirmações e desmentidos constitutiva de seu método para conduzir o país.

O mesmo ocorre com o famoso documento apócrifo distribuído esta semana pelo Presidente da República, comparado por vários analistas com a carta renúncia de Jânio Quadros. Diante da repercussão negativa até entre seus apoiadores, o capitão declara candidamente: “Eu só distribuí para algumas pessoas…”  E passa a apostar em uma manifestação marcada para 26 de maio para lançar uma cortina de fumaça sobre os olhos da sociedade e especialmente para proteger um dos filhos.

Caberia perguntar aos que têm a intenção de ir para a rua no dia 26 de maio: em nome do que vão se manifestar? Vão defender o Flávio Bolsonaro das acusações de corrupção? Vão defender o Queiroz? Ou vão defender o governo do pai que, em cinco meses, colhe recorde de desemprego, queda em todas as áreas da economia, isolamento internacional, descalabro na política ambiental? O único índice que se eleva no governo Bolsonaro é o índice de violência. Essa é a pauta da manifestação de 26 de maio?

Os movimentos estudantis, os movimentos sociais dos trabalhadores da educação somados a luta geral dos trabalhadores marcaram um novo encontro nas ruas em 30 de maio. As centrais sindicais se preparam para a Greve Geral em 14 de junho.

O Brasil desperta para reagir à barbárie e o caos que se instalou no país com a República dos Rufiões.

 

(*) Paulo Pimenta é Deputado Federal, líder da Bancada do PT na Câmara dos Deputados

Artigo Publicado originalmente no Blog Claudemir Pereira

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

PT vai ao STF contra MP de Bolsonaro que retira da Funai demarcação de terras indígenas

O líder em exercício da Bancada do PT na Câmara, deputado José Guimarães (CE), enviou hoje…