Home Portal Notícias Manchetes Seminário mobiliza sociedade e parlamentares contra MP 868 que privatiza água e saneamento

Seminário mobiliza sociedade e parlamentares contra MP 868 que privatiza água e saneamento

11 min read
0

Mobilizar para rejeitar a medida provisória (MP 868/18) que prevê a privatização da água e do saneamento básico brasileiro foi a tônica do seminário nacional que ocorreu nesta terça-feira (21), na Câmara dos Deputados. O debate foi conduzido pelos deputados Joseildo Ramos (PT-BA) e Leonardo Monteiro (PT-MG), que também preside a Comissão de Legislação Participativa uma das autoras do evento, em parceria com as comissões de Direitos Humanos; Desenvolvimento Urbano; e Integração Nacional e Desenvolvimento Regional.

Medida com o mesmo teor – a MP 844 – foi rejeitada pelo plenário da Casa, no ano passado.

Para as entidades e movimentos sociais que representam o setor e participaram do debate, a proposta enviada pelo governo golpista de Michel Temer, no final do ano passado, e que tem anuência do atual governo, é uma “falácia”.

“Essa medida deve ser rejeitada. É uma falácia essa história de que ela vem para resolver a deficiência do saneamento básico brasileiro”, afirmou o coordenador-geral do Observatório Nacional dos Direitos à Água e ao Saneamento (Ondas), Marcos Montenegro.

Para ele, a MP trata a água e o saneamento básico como mercadorias. Montenegro considera a proposta “um ataque aos direitos humanos, uma medida nefasta, que deve ser rejeitada”, e que se deve “buscar instrumentos para que os serviços prestados por empresas públicas tenham qualidade e preço acessível para todos”.

Mercado

Para o representante da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes) Sérgio Antônio Gonçalves, a MP “é um retrato dos desmontes que vêm sendo feitos na nossa Constituição. Ela não avança, não aponta para melhorias e tem o viés notório de um acordo de mercado que vai criar, cada vez mais, bolsões de excluídos”.

O secretário executivo da Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento (Assemae), Francisco dos Santos Lopes, lembrou que 95% dos serviços de saneamento são prestados pelo serviço público. Acrescentou ainda que qualquer alteração do marco legal do saneamento público seja executada a partir de uma discussão com a sociedade. “A Associação não aceita a nova proposta do governo sem que seja promovido um amplo debate que vise a universalização dos serviços”.

O urbanitário Ubiratan Pereira, da Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento (Aesbe), apresentou dados que revelam a eficiência dos serviços prestados pelas empresas públicas. “No Nordeste, as empresas estaduais avançaram de 64% para 98% o serviço de esgoto. No Sul, em 2017, o saneamento básico foi 25,7% para 69% da população. É mentira a mensagem que as empresas estaduais não estão fazendo o papel delas”, contestou. Ele ressaltou ainda, que a privatização coloca em risco os empregos dos trabalhadores do setor.

Para Washington Fraga, da Central Sindical e Popular (Conlutas), a privatização do saneamento básico fere a soberania nacional, na medida que passaria para empresas multinacionais a exploração de “algo sagrado, como a água”. Fraga também lembra que a MP “destrói os anos de construção da lei brasileira de saneamento, o subsídio cruzado, a autonomia dos munícipios e as características regionais”.

Retrocesso

“Esse é o maior retrocesso desde os anos 70. Estamos falando da época da ditadura. Mesmo dentro do processo de redemocratização do País sempre foi negado o investimento nesse setor. O saneamento é o maior espelho da desigualdade que temos dentre todos os serviços públicos, mas existe uma mobilização da sociedade contra esse estado de coisa”, observou o deputado Joseildo Ramos.

Governo Lula

O parlamentar lembrou que houve uma mudança nesse quadro quando nos governos do Partido dos Trabalhadores, investimento em saneamento básico era prioridade. “Pela primeira vez houve uma seleção de projetos a partir do governo Lula, em que R$ 88 bilhões foram alocados para fazer saneamento em nosso País. Desse montante, aproximadamente R$ 50 bilhões foram executados e o restante do dinheiro ainda está por ser executado”, denunciou Joseildo Ramos.

Ele lembrou que a iniciativa privada – que tem condições de investir – não faz isso, e em todos os Estados em que presta serviço, ao invés de elevar os investimentos em saneamento, deixa a população à margem dos benefícios à saúde que o saneamento traz.

Manaus

O deputado José Ricardo (PT-AM), um dos autores do requerimento para a realização do seminário, usou a cidade de Manaus como exemplo de que a iniciativa privada não é a solução. “A tarifa aumentou, e na capital falta água para cerca de 600 mil pessoas, e o esgoto não chega a 10% das moradias. No interior nenhum município foi atendido”, revelou o deputado, ao esclarecer que a concessão do serviço vale por 30 anos.

O texto

A proposta encaminhada pelo governo golpista de Michel Temer desestrutura o marco legal do saneamento brasileiro ao propor mudanças na prestação de serviços de abastecimento de água, esgotamento sanitário, manejo de resíduos sólidos e de águas pluviais para toda a população brasileira. O texto altera entre outros, princípios fundamentais como universalização e controle social; procedimentos relacionados ao exercício da titularidade; e altera critérios para a obrigatoriedade do licenciamento ambiental.

Também participaram do seminário os parlamentares da Bancada do PT Erika Kokay (PT-DF), Margarida Salomão (PT-MG), Afonso Florence (PT-BA), Zé Neto (PT-BA), Célio Moura (PT-TO), Bohn Gass (PT-RS), Alencar Santana (PT-SP), Paulão (PT-AL) e Antônia Melo da Silva, do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), Dalila Alves Calisto, do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e José Pereira Barreto, do Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente de São Paulo.

 

Assista o vídeo na íntegra:

Seminário Os Desafios da Universalização do Acesso Aos Serviços de Saneamento Básico e a MP 868/18#AguaNãoéMercadoria

Posted by PT na Câmara on Tuesday, May 21, 2019

 

 

Benildes Rodrigues com informações da CDHM

 

 

 

 

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Bolsonaro vai diminuir lista de doenças que dão direito a benefícios no INSS, denuncia Frei Anastácio

O deputado federal Frei Anastácio (PT-PB) denuncia que Bolsonaro prepara mais um ataque co…