Home Portal Notícias Vander reitera voto contra a Reforma da Previdência e destaca necessidade de mobilização

Vander reitera voto contra a Reforma da Previdência e destaca necessidade de mobilização

9 min read
0

Na segunda-feira (13), foi realizada na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, em Campo Grande, a audiência pública “Previdência é direito”, convocada pelo deputado estadual Pedro Kemp para debater o projeto de Reforma da Previdência apresentado pelo governo federal (PEC 06/19).

O evento contou com a palestra de Carlos Eduardo Gabas, ex-ministro da Previdência Social nos governos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. O tema da fala de Gabas foi “Os impactos constitucionais, econômicos e sociais da Reforma da Previdência”.

A audiência lotou o Plenário Julio Maia e teve a presença dos deputados federais Vander Loubet e Dagoberto Nogueira e de dirigentes e representantes de dezenas de sindicatos, associações, federações e entidades de defesa das mais variadas categorias de trabalhadores da iniciativa privada e do serviço público.

O deputado Vander Loubet reafirmou sua posição contrária ao projeto apresentado pelo governo de Jair Bolsonaro e destacou que é importante que a sociedade se organize e se mobilize para angariar votos de mais parlamentares contra a reforma previdenciária proposta. O deputado lembrou das recentes derrotas que o governo sofreu no Congresso (como no caso da análise da Medida Provisória 870/2019) e da desorganização da base de apoio a Bolsonaro, sinais de que há caminhos para enterrar a PEC 6/2019.

“Em cada estado precisamos ter os movimentos sociais de defesa dos trabalhadores fazendo pressão sobre os deputados e senadores. Aqui em Mato Grosso do Sul não pode ser diferente, só o Dagoberto e eu não damos conta de derrotar essa reforma. Acredito que há espaço para dialogar, argumentar e buscar o apoio dos colegas de bancada. A Rose Modesto e a Bia Cavassa, por exemplo, são professoras, uma das categorias que mais seria prejudicada com a aprovação desse projeto. Temos que angariar os votos delas. O Fábio Trad votou pela admissibilidade da PEC na CCJC, mas tem divergências com o projeto. Temos que buscar o apoio dele”, afirma Vander.

Desafios

Em sua apresentação, Carlos Gabas rebateu os argumentos do governo para a reforma previdenciária. “A proposta do governo se fundamenta em uma tese falsa: a Previdência está quebrada. Não é verdade”, afirmou o ex-ministro. Com base no Boletim Estatístico da Previdência Social (Beps), ele informou que, até 2015, havia superávit no regime urbano da Previdência. “O que aconteceu desde então para o governo dizer que quebrou?”, questionou. Conforme sua análise, o que houve no período foi uma mudança conjuntural, relacionada, sobretudo, ao avanço do desemprego e da informalidade.

Gabas concorda com a necessidade de reforma, devido à transição demográfica decorrente da maior expectativa de vida, mas pondera que isso não é algo ruim. “Isso não é um problema. Ao contrário, é algo muito bom, pois estamos vivendo mais. Não é problema, mas é desafio. A pergunta que devemos fazer é: qual a qualidade de vida nesses anos que viveremos mais?”, afirmou.

Para enfrentar o desafio do aumento da expectativa de vida, é preciso reformar o sistema previdenciário, mas não como é proposto pelo governo federal, de acordo com Gabas. Ele afirma que a receita previdenciária não deve depender apenas da folha salarial. “Em um quadro de desemprego e de informalidade, isso é muito grave. Temos hoje mais de 13 milhões de desempregados e 25 milhões de trabalhadores informais. Essa situação derreteu a contribuição para a Previdência”, disse Gabas.

A partir desse quadro, o ex-ministro considerou que a superação dos desafios em pauta se relaciona com a retomada do emprego, mas também com a recomposição da receita para a Previdência. “Devemos buscar outras formas de financiamento”, disse, especificando que, nessa ampliação de fontes, o governo deveria reduzir as isenções fiscais. Ele exemplificou com a Lei Federal 13.586/2017, que instituiu o regime tributário especial para a exploração e produção de petróleo por parte de empresas estrangeiras. De acordo com Gabas, a renúncia fiscal, apenas neste caso, soma R$ 1 trilhão. “E este é o mesmo número da cabala do [ministro da Economia] Paulo Guedes”, afirmou, completando que o número seria cabalístico porque o atual ministro ainda não explicou o porquê do valor – pela projeção do governo, a Reforma da Previdência proporcionaria economia de R$ 1 trilhão no período de 10 anos.

Ao fim de sua fala, Gabas apresentou três pontos que considera importantes no processo da Reforma da Previdência. “Primeiro, o governo deve abrir os números [relativos a receitas e despesas previdenciárias]. Em segundo lugar, precisa identificar os segmentos que sonegam e combater essa sonegação. E, por fim, é necessário reavaliar as isenções fiscais, acabando, assim, efetivamente, com os privilégios”, enfatizou.

Assessoria de Comunicação

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

PT exige que Bolsonaro devolva dinheiro gasto com viagem turística aos EUA e pede investigação do TCU

A Bancada do PT na Câmara protocolou hoje (17) representação no Tribunal de Contas da Uniã…