Home Portal Notícias Artigos Três anos de golpe: um país à beira do abismo

Três anos de golpe: um país à beira do abismo

9 min read
0

Por Paulo Pimenta (*)

No dia 12 de maio, completaram-se três anos do afastamento da presidenta eleita Dilma Rousseff, vítima de um golpe parlamentar, midiático e judicial. Os golpistas assumiram o poder, abrindo caminho para a implementação de um projeto antinacional,  entreguista e voltado para a destruição de direitos do povo brasileiro.

Três anos depois, o País hoje sob as mãos de um presidente de extrema direita, o qual chegou ao cargo graças a uma articulação judicial e política a cargo do ex-juiz Sérgio Moro e seus patrões do grande capital nacional e estrangeiro. O Brasil assiste ao agravamento da crise econômica e a morte da esperança.

É hora de refletir sobre a tragédia que se abateu sobre o Brasil. Dilma não foi retirada por seus erros ou por uma inexistente pedalada fiscal. Foi afastada sem ter cometido um único crime porque os ajustes econômicos que propunha fazer iam colocar a economia brasileira no rumo certo, amparada em projeto inaugurado em 2003 pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que tinha como eixo central a soberania nacional e a defesa de uma sociedade justa, solidária e democrática.  As forças reacionárias, aquelas que querem o Brasil submisso aos estrangeiros, empurraram o país para uma crise sem precedentes.

Os números não mentem. A taxa média anual de desemprego no Brasil saltou de 11,5% para 12,7% entre 2016 e 2017, e com Bolsonaro, agora, o desemprego já atinge 13,4 milhões de brasileiros, num quadro horripilante de estagnação. O bolso dos brasileiros está cada vez mais vazio. Inexistem políticas para a retomada do crescimento econômico, o consumo das famílias – responsável por 60% do PIB, também cai de forma desastrosa.  O cenário é de desesperança, enquanto só aumenta o lucro dos bancos.

Bolsonaro é uma espécie de cavaleiro do apocalipse. Só fala em destruição de tudo o que conquistamos ao longo de vários governos e várias gerações. Fim dos Mais Médicos, ataques ao Bolsa Família, a aniquilação do Minha Casa Minha Vida, os cortes brutais do orçamento das universidades, institutos federais de educação e das escolas do ensino médio e infantil, sucateamento da saúde pública. Liberação de armas para 20 milhões de brasileiros, como se o Brasil estivesse em plena guerra. Esses são alguns dos “feitos” em pouco mais de quatro meses de governo Bolsonaro.

O povo brasileiro não pode se iludir. O golpe foi extremamente articulado, passando pelo impedimento da candidatura de Lula em 2018, depois de condenado à prisão política sem provas por um ex-juiz que abandonou a toga e sem nenhum pudor aderiu à carreira política, assumindo cargo de ministro em um governo que ajudou a eleger.

Foi um grande complô que uniu juízes, procuradores, mídia e governo dos Estados Unidos para atacar a maior liderança popular brasileira. Documentos recentes já mostram que por trás da Lava Jato havia o projeto de entregar as imensas jazidas de petróleo do pré-sal aos estrangeiros (em especial às petroleiras dos EUA) e a destruição de grandes construtoras brasileiras, cuja presença externa incomodava seus concorrentes  externos. Era preciso tirar o Brasil de seu protagonismo internacional alcançado com os governos do PT, reenquandrando- como país periférico. Esse foi o grande jogo jogado por Moro e seus lavajateiros.

O governo Bolsonaro é a extensão do de Temer – ambos se inserem num projeto de transformação do Brasil em nova colônia. Esse projeto antinacional prevê a destruição dos direitos trabalhistas, dos direitos sociais assegurados pela Constituição de 1988, a entrega das riquezas nacionais e das empresas estatais lucrativas aos gringos.

O governo Bolsonaro ataca o meio ambiente como se a natureza fosse inimiga central, quer massacrar os povos indígenas e os quilombolas e, para coroar os abissais retrocessos, quer aprovar agora uma reforma da Previdência que significa  uma perversa extinção de direitos, a ofensa a diversos princípios constitucionais e a significativa modificação das regras de acesso e dos valores dos benefícios previdenciários.

Trata-se da destruição do modelo da seguridade social concebido na Constituição de 1988, baseado no princípio da solidariedade social e que se pretende substituir por um regime de capitalização em que a aposentadoria fica vinculada à capacidade de poupança individual. Ou seja, os pobres não vão se aposentar mais, sendo jogados na incerteza de uma velhice sem nenhum apoio oficial e solidário.

Depois de uma eleição baseada em mentiras e sem debate de ideias entre os candidatos, Bolsonaro dá continuidade ao golpe e destrói conquistas democráticas do povo brasileiro.  O momento é de mobilização da população contra os ataques de Bolsonaro aos direitos de nosso povo.  O Brasil tem condições de superar a crise, mas com um modelo econômico que leve em consideração os interesses da maioria da população. Em vez de cortes, como prevê o modelo neoliberal de Bolsonaro e Paulo Guedes, precisamos de investimentos. Os governos do PT já mostraram que o Brasil tem jeito.

 

(*) Paulo Pimenta é Deputado Federal (PT-RS), líder da Bancada do partido na Câmara dos Deputados

Foto: Gustavo Bezerra

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas questionam no Ministério Público transferência do acervo da Fundação Palmares para prédio com avarias

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara entraram com ações na Procuradoria-Geral da Repúb…