Home Portal Notícias Economistas afirmam que Reforma da Previdência de Bolsonaro é injusta e não combate privilégios

Economistas afirmam que Reforma da Previdência de Bolsonaro é injusta e não combate privilégios

8 min read
0

Um grupo de economistas afirmou nesta terça-feira (14) que a proposta de Reforma da Previdência apresentada pelo governo Bolsonaro, atualmente em debate na Câmara, além de injusta socialmente, também não combate privilégio algum. Eles enfatizaram ainda que a atual reforma pode quebrar a Previdência no futuro. Essa foi a tônica da maioria dos pronunciamentos durante o Encontro de Economistas em Defesa da Previdência Social e contra a PEC 06/2019, realizado no auditório Nereu Ramos da Câmara dos Deputados. O ato foi uma iniciativa da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Previdência, que tem entre seus coordenadores o senador Paulo Paim (PT-RS) e o deputado Bohn Gass (PT-RS).

Para a professora do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Denise Gentil as novas regras que o governo pretende implantar para acesso à aposentadoria –  com aumento do tempo de contribuição e da idade mínima – vão prejudicar principalmente os mais pobres.

“Essa reforma é uma afronta aos brasileiros, é o triunfo da barbárie, instrumento de opressão principalmente aos mais pobres. Hoje a palavra de ordem do governo é: danem-se os mais pobres, os servidores públicos e a classe média. Essa reforma longe de cobrar sacrifícios de todos, vai exigir sacrifícios dos mais pobres e da classe média. Os mais ricos ficam intocáveis por esse verdadeiro ajuste fiscal”, criticou.

Já o Professor e Doutor do Instituto de Economia da Universidade de Campinas (Unicamp) Pedro Rossi destacou que o discurso utilizado pelo governo de combater “privilégios” para sustentar a reforma, é totalmente falso. “Não dá para falar em privilegiado ao se referir aos 20% mais ricos porque o Brasil é tão desigual, que já é considerado ‘mais rico’ quem ganha acima de R$ 1.600. Se é para atacar privilégios, temos que atacar o 1% dos mais ricos, no máximo os 2% mais ricos”, observou.

Na avaliação do economista pela Universidade da Califórnia, ex-dirigente do Banco Pactual e colunista da revista Exame, Eduardo Moreira, a intenção do governo Bolsonaro com a reforma nunca foi combater algum privilégio. “A lógica do governo é reduzir a dívida pública tirando recursos dos mais pobres e da economia. O problema é que isso só vai agravar a crise. O Brasil tem, sim, uma dívida a ser paga, mas com a população mais pobre”, argumentou.

A professora adjunta do Instituto de Economia da UFRJ Ester Dweck acusou ainda o governo Bolsonaro de utilizar a crise econômica atual do País como instrumento de chantagem para aprovar a Reforma da Previdência.

“Engraçado que falavam que bastava tirar a Dilma [Rousseff] que tudo iria melhorar. Depois falaram o mesmo sobre a aprovação do teto de gastos e da Reforma Trabalhista. Agora, falam que a economia vai continuar estagnada se a Reforma da Previdência não for aprovada. A verdade é que a crise econômica é fruto dessa política recessiva atual. Há um projeto em curso de destruição do Brasil”, apontou.

Capitalização e desconstitucionalização

Sobre temas polêmicos da reforma, o professor do Instituto de Economia da Unicamp Eduardo Fagnani ressaltou que a capitalização e a desconstitucionalização não resolverão o problema da Previdência no futuro.

“O Congresso e a sociedade não podem aceitar essas mudanças na Previdência, principalmente a desconstitucionalização. Mesmo se o governo não conseguir aprovar todas as maldades agora, vão tentar no futuro se a Previdência for desconstitucionalizada, e, por meio de lei complementar, que exige menor número de votos no Congresso. Já a capitalização vai quebrar o INSS e não vai garantir o pagamento da aposentadoria no futuro, porque apenas o trabalhador será responsável pelo próprio benefício”, adiantou.

Como alternativa para aumentar a arrecadação da Previdência, o professor Fagnani apresentou dados de um estudo feito pela Anfip. O texto aponta que a saída para a Previdência é promover o crescimento da economia, tributar a renda e o patrimônio dos mais ricos, acabar com as isenções fiscais e combater a sonegação.

“Com essas medidas poderíamos chegar a economizar R$ 20 trilhões nos próximos dez anos. Essas são formas mais eficazes e socialmente mais justas de aumentar a arrecadação sem destruir a Previdência e o sistema de proteção social do País”, concluiu.

Parlamentares de vários partidos compareceram ao encontro, entre eles os petistas Erika Kokay (DF), Zé Neto (BA), Paulão (AL) e Paulo Teixeira (SP).

Assista abaixo a integra do encontro:

https://www.facebook.com/ptnacamara/videos/871463093209375/?t=1

 

Héber Carvalho

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Procuradores da Lava Jato tramaram derrubada de ministro do STF

Em novas revelações da Vaza Jato trazidas pelo colunista Reinaldo Azevedo, da rádio BandNe…