Home Portal Notícias Petistas repudiam corte de verbas à educação e anunciam luta contra a medida do governo Bolsonaro

Petistas repudiam corte de verbas à educação e anunciam luta contra a medida do governo Bolsonaro

11 min read
0

Parlamentares da Bancada do PT se revezaram na tribuna da Câmara nesta terça-feira (7) para protestar contra o corte global de 30% no orçamento da educação neste ano de 2019, que vai atingir todas as etapas do ensino público brasileiro – do ensino infantil à pós-graduação. Eles também se solidarizaram e parabenizaram estudantes que já estão mobilizados e foram para as ruas dizer não aos bloqueios de verbas para a educação.

Para o deputado Bohn Gass (PT-RS) é gravíssimo o corte de recursos para as universidades, feito pelo governo Bolsonaro. “Quem destrói a educação destrói o futuro. Quem destrói a educação e o futuro destrói o Brasil. Por isso, nós vamos entrar em obstrução, aqui, nesta Casa, até que todos os recursos sejam alocados”, informou o deputado.

Bohn Gass detalhou que haverá audiências públicas, debates e manifestações no Parlamento, nas escolas e nas ruas. “Quero parabenizar a juventude, os estudantes e todas as pessoas que já se envolveram em mobilizações. Precisamos ampliá-las. Nós não podemos aceitar a chantagem do governo”, defendeu. Ele se referiu à afirmação feita nesta manhã (7) pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, de que ele pode liberar o recurso da educação se a Reforma da Previdência for aprovada. “Que chantagem absurda! Isso é inaceitável”, protestou.

Ao repudiar o bloqueio dos recursos para a educação, o deputado Padre João (PT-MG) afirmou que o governo Bolsonaro tem dado continuidade ao que foi feito no governo Temer: a destruição da educação pública. “A educação leva as pessoas a pensar. A educação é a política mais estruturante. Não existe saúde nem outra política sem educação”, ponderou. Ele citou ainda que o corte é um ataque às universidades, aos institutos federais. “É uma coisa absurda! O corte atinge a elite e os pobres (…) Isso é um ataque violento e cruel à educação”, criticou.

Para o deputado Zeca Dirceu (PT-PR) “infelizmente, a cada dia que passa fica demonstrado que a educação não é uma prioridade do governo Bolsonaro”. Ele parabenizou estudantes e professores que estão se mobilizando pelo Brasil afora e que terão o seu apoio nessa luta contra o desmonte da educação pública, contra cortes e contra irresponsabilidades.

“Fica cada vez mais evidente não só que a educação não é uma prioridade de Bolsonaro, mas também o ódio que ele tem da educação, o preconceito que ele tem contra a educação. Por trás de tudo isso, há o desejo do governo de privatizar a educação brasileira, começando com o ensino superior, que hoje é público, e, sim, de qualidade, que desenvolve pesquisa, tecnologia, inovação. A educação é importante para o Brasil, para a agricultura, para a indústria, para o desenvolvimento do País”, reforçou Zeca Dirceu.

O deputado João Daniel (PT-SE) também parabenizou os estudantes, professores, reitoria e trabalhadores que se levantaram em mobilização contra os cortes das universidades públicas. “Repudio também o ministro Onyx Lorenzoni [Casa Civil] por ter usado dados falsos e mentiras para macular a imagem da Universidade Federal de Sergipe. A sua atitude, ministro, é uma atitude de alguém que não conhece, que desrespeita a história e o patrimônio do povo sergipano”.

O deputado Valmir Assunção (PT-BA) lembrou que a manifestação ocorrida ontem, na Bahia, em defesa dos recursos integrais para a Universidade Federal da Bahia (Ufba) foi a primeira. “Vai haver diversos outros atos em defesa da Universidade Federal da Bahia, em defesa do patrimônio da Bahia. Não vamos permitir que destruam o ensino superior do nosso País”, assegurou.

O deputado Frei Anastácio Ribeiro (PT-PB) manifestou preocupação com o corte de R$ 37,3 milhões para as universidades. “Na nossa Paraíba, os cortes têm trazido muita preocupação, principalmente para a reitora da Universidade Federal da Paraíba, Margareth Diniz, que revelou que a instituição não terá condições de funcionamento pleno até o final deste ano”. Ele disse esperar que o Congresso haja com rapidez para impedir esses cortes. “Caso contrário, o caos está implantado”, completou.

Ao falar do bloqueio dos recursos para as universidades brasileiras, o deputado Célio Moura (PT-TO), alertou que, se os cortes não forem revertidos, a Universidade Federal do Tocantins terá que fechar. “Trata-se da universidade, talvez a mais nova do Brasil que, com esses cortes anunciados pelo governo, corremos o risco de ter a nossa universidade sem condições de funcionar”, lamentou. Ele ainda fez um apelo para que não se mexa com a educação superior do País.

O deputado José Ricardo (PT-AM) também protestou contra o corte de recursos para a educação. “Bloquearam mais de R$ 2 bilhões na educação, no ensino fundamental. Vão faltar recursos para estados e municípios, para as escolas, para as crianças, e agora o corte nas universidades federais e institutos federais”. Ele citou que só na Universidade do Amazonas o corte imediato é da ordem de R$ 38 milhões. “Vai faltar recursos para a pesquisa e para os cursos de graduação. Esse é um crime contra o Brasil, contra a população mais pobre, contra os estudantes, contra o futuro do nosso País”.

Para o deputado Jorge Solla (PT-BA) é tanto estrago que o governo Bolsonaro está fazendo que ele não conseguiria relatá-los em 1 minuto. “Quero manifestar aqui a nossa indignação e o nosso repúdio ao que estão fazendo com as universidades públicas: os cortes absurdos no Orçamento. Mas preciso também fazer uma denúncia grave: 24 medicamentos indispensáveis, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde, estão faltando no Brasil inteiro. Os pacientes transplantados estão sem medicamentos, correndo o risco de perderem o transplante, assim como está faltando medicamento para a Aids, para a hepatite”, alertou.

Vania Rodrigues

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

“Após reforma, Brasil entra para lista suja da OIT por desrespeitar leis trabalhistas”, denuncia João Daniel

Pouco mais de um ano e meio depois de a Reforma Trabalhista ter entrado em vigor, o País v…