Home Portal Notícias Artigos José Guimarães critica a ‘desconstrução’ do ensino superior no Ceará

José Guimarães critica a ‘desconstrução’ do ensino superior no Ceará

6 min read
0

Quando foi aos Estados Unidos em março deste ano, Jair Bolsonaro foi muito claro sobre o seu projeto para o país. Ele declarou que era sua missão “desconstruir” e “desfazer muita coisa” no Brasil. O que muita gente não imaginava era que entre as coisas que o presidente pretende destruir está o ensino superior público, gratuito e de qualidade. Os cortes do orçamento das universidades federais do Ceará (UFC, Unilab e UFCA) e do Instituto Federal de Educação (IFCE) somam R$ 108 milhões.

A Universidade Federal do Cariri, por exemplo, sofreu, no último dia 30 de abril, um bloqueio de crédito no orçamento para despesas discricionárias, ou seja, aquelas destinadas a capital e custeio, pelo Ministério da Educação (MEC). O bloqueio – da ordem de R$ 8.863.621,00– foi constatado no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (SIAFI). O orçamento que o MEC destinou à UFCA, para despesas discricionárias, totalizou R$ 30.134.292,00. Assim, apenas o bloqueio do último dia 30 corresponde a 29,4%, ou seja: a aproximadamente 30% de cortes no orçamento das universidades federais divulgados na imprensa.

Mas a maldade não começou por aí. Há pouco mais de um mês, já havia ocorrido um primeiro bloqueio de recursos destinados à UFCA, por meio de emendas de bancada. Esse valor corresponde a R$ 9.983.363,00, bloqueados por determinação do Decreto 9.741/19.

A Lei Orçamentária Anual de 2019 (Lei 13.808/19), por sua vez, especificamente para despesas discricionárias, designou para a UFCA R$ 40.117.655,00. A soma dos dois valores bloqueados chegou aos R$ 18.846.948,00, ou seja, 47% do orçamento previsto na LOA para despesas discricionárias.

Aí fica a pergunta: é possível administrar uma empresa tendo ela contingenciado quase metade do seu orçamento? A UFCA foi uma conquista do povo daquela região beneficiando jovens e adultos de diversos estados do Nordeste. Antes, a única opção para a juventude era pegar um ônibus e seguir para a capital tentar a sorte em uma universidade federal. Hoje, graças a interiorização do ensino superior iniciado nos governos do Partido dos Trabalhadores, gera-se conhecimento, emprego e renda sem o jovem ter que necessariamente sair de perto do convívio familiar.

Desconstruir a UFCA é deixar de lado uma universidade nova, em pleno processo de implantação, que com seis anos de existência, já conta com 23 cursos de Graduação, 14 cursos de Pós-Graduação (cinco mestrados e nove especializações) e 3.292 estudantes em cinco campi.

Na Universidade Federal do Ceará (UFC), o contingenciamento da verba é de R$ 46,5 milhões. Como se desenvolve pesquisa sem energia? Como manter os laboratórios sem a limpeza necessária?

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) terá de redimensionar os programas de extensão e capacitação de servidores, após ter R$ 32 milhões foram retidos pelo MEC, dos R$ 80 milhões previstos pra este ano. Contratos de limpeza e segurança estão ameaçados.

Na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), a cota do sacrifício também é alta. Ao todo, a instituição não poderá contar com R$ 11,5 milhões, ou 29% do orçamento previsto para garantir o seu funcionamento. Como ficam as obras de ampliação e manutenção de laboratórios tão importantes para o desenvolvimento de pesquisa nas universidades?

Não podemos admitir isso e vamos usar de todos os instrumentos e argumentos necessários para que essa destruição da universidade pública não ocorra.

 

*José Guimarães é deputado federal (PT-CE)

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Bancada do PT apresenta projeto de lei para ampliar alcance do Bolsa Família

Diante do agravamento da crise social no Brasil, com aumento do desemprego e da pobreza ge…