Home Portal Notícias Ministro da Educação confunde 500 milhões com 500 mil e protagoniza gafe em coletiva

Ministro da Educação confunde 500 milhões com 500 mil e protagoniza gafe em coletiva

5 min read
0

Abraham Weintraub, ministro da Educação do governo Bolsonaro, protagonizou uma enorme gafe durante entrevista coletiva [vídeo abaixo] nesta sexta-feira (3). Tratando das avaliações do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), o gestor – no cargo há menos de um mês – confundiu o custo envolvido no processo e passou a entrevista inteira falando em R$ 500 mil, quando o valor real será de R$ 500 milhões. A gafe foi reforçada por Elmer Coelho, delegado da Polícia Federal escolhido para presidir o INEP, órgão vinculado ao MEC que é responsável por processos de avaliação e planejamento para o setor educacional.

Weintraub e Coelho ressaltaram várias vezes o “baixo custo” para avaliar 7 milhões de estudantes e o ministro chegou a elogiar o titular do INEP. “O Elmer veio para cá para fazer mágica. E já chegou marcando gol”. Envaidecido, o delegado respondeu ao afago usando o jargão policialesco: “Missão dada! Missão dada!”, disse Coelho.

Despreparo

Para a deputada Margarida Salomão (PT-MG), que foi reitora da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), a gafe dos gestores revela o “absoluto despreparo” das pessoas escolhidas por Bolsonaro para conduzir a educação brasileira.

“Temos não apenas atos ofensivos à educação, à ciência, ao conhecimento, mas o que eles têm falado demonstra o profundo desconhecimento das pessoas que estão a cargo da educação no Brasil. Os ataques às universidades, na sua autonomia, na sua produção científica, falando em ‘balbúrdia’, mostram que estas pessoas não têm a menor noção de como funciona uma universidade e de como é a dinâmica da vida universitária”, critica a parlamentar.

Na opinião da deputada, a gafe da entrevista coletiva indica que a situação é ainda mais grave porque o INEP está correndo sério risco de ter a sua função desvirtuada. “O INEP coordena uma área crítica para a educação e estamos vendo esse órgão ser sucateado, ser jogado na mão de pessoas que não têm a menor ideia do que fazer lá”, lamenta Margarida, que é linguista.

Histórico escolar

A parlamentar mineira disse ainda que a confusão do ministro com os números justifica a má fama do seu histórico escolar, que está circulando nas redes sociais. “Esse episódio e o histórico escolar do ministro mostram que ele foi um estudante medíocre e é uma pessoa que não tem familiaridade com a vida acadêmica, embora seja professor de uma universidade pública. Lamento porque a universidade não deve estar bem servida com ele”, comentou a deputada.

Assista abaixo ao vídeo com o resumo da entrevista do ministro e do presidente do INEP.

Rogério Tomaz Jr.

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Mujica critica “prisão injusta” de Lula em ato de campanha no Uruguai

Neste sábado (19), no último ato do seu partido na campanha para as eleições do Uruguai, o…