Home Portal Notícias Artigos Pimenta: “Um 1º de Maio histórico para a defesa dos direitos e da democracia”

Pimenta: “Um 1º de Maio histórico para a defesa dos direitos e da democracia”

12 min read
0

Em artigo publicado no site da Carta Capital nesta quarta-feira (1º), Dia Internacional do Trabalhador, o líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (PT-RS), chama a atenção para a importância do momento político que o Brasil vive.

O parlamentar ressalta que o governo de Jair Bolsonaro promove “um ataque às organizações dos trabalhadores como nunca houve desde a redemocratização” e que, frente a isso, é necessária a “unidade entre os movimentos sindicais, sociais e populares” para a “defesa de nossa democracia e dos direitos históricos do povo brasileiro”.

Leia a íntegra do artigo:

Um 1º de Maio histórico para a defesa dos direitos e da democracia

Paulo Pimenta*

Este 1º de Maio é uma data histórica para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. O ato unificado de sete centrais sindicais em São Paulo marca a união da classe trabalhadora frente aos ataques do governo Bolsonaro contra os seus direitos, fortalecendo a luta contra a reforma da Previdência e a supressão das garantias trabalhistas.

É um momento em que a unidade entre os movimentos sindicais, sociais e populares ganha papel central em defesa de nossa democracia e dos direitos históricos do povo brasileiro. É preciso reagir ao pacote de maldades de Bolsonaro.

O atual governo promove um ataque às organizações dos trabalhadores como nunca houve desde a redemocratização do País, em 1985. O objetivo é suprimir direitos e aumentar o lucro do sistema financeiro e das grandes corporações econômicas.

Retirada de direitos

Um exemplo é a tentativa de tirar dos sindicatos rurais o direito de atestar o tempo de serviço para que um trabalhador do campo possa se aposentar, conforme estipula a Medida Provisória 871/2019. De conteúdo reacionário, outra MP (873/2019) ainda impede o desconto em folha de contribuições de empregados e servidores públicos para entidades sindicais.

Um ataque frontal aos trabalhadores é o fim da Política de Valorização do Salário Mínimo criada pelo governo do ex-presidente Lula. Essa política foi fundamental para retirar da miséria 40 milhões de pessoas. Agora, a tentativa é de fazer o País recuar no tempo, à época em que o salário mínimo não valia nada. Basta dizer que o salário mínimo previsto para 2020 (1040 reais – sem aumento real, só corrigido pela inflação), seria hoje de 572 reais, não fosse a política de valorização implementada pelos governos do PT.

Nossa bancada tem propostas específicas para restabelecer a valorização do salário mínimo, instrumento central para a inclusão social e diminuir o grande abismo social no Brasil. São 22 milhões de brasileiros aposentados pelo salário mínimo e mais quase 30 milhões cujos rendimentos estão balizados pelo seu valor.

O ganho real do salário mínimo dinamiza a economia, faz a renda e a riqueza circularem, aquece o comércio, a indústria e o setor de serviço. É uma política boa para todo o País, mas que o governo Bolsonaro quer aniquilar para favorecer os patrões.

Sistema solidário

A proposta de reforma da Previdência (PEC 06/2019) é outra ação nefasta. O que se pretende é reduzir os gastos públicos às custas dos trabalhadores, desmantelando um sistema de bem-estar social estabelecido na Constituição de 1988, no qual a Previdência pública baseia-se num sistema solidário, sustentado por contribuições dos trabalhadores, empresas e tributos.

Bolsonaro quer retirar a proteção previdenciária garantida em lei, penalizando os mais vulneráveis, criando um sistema cruel no País. Pior, a reforma é de natureza absolutamente recessiva. Traria queda da produção e arrastaria para baixo o investimento, o emprego e o consumo, ocasionando uma profunda depressão econômica. É pura mentira – mais uma – quando o governo diz que haverá criação de empregos e retomada com a reforma da Previdência.

Além dos ataques aos direitos históricos dos trabalhadores e trabalhadoras, o quadro se agrava em função da inércia do atual governo diante do crescimento do desemprego – que hoje alcança mais de 13 milhões de brasileiros, número que só aumenta à medida em que não há uma política para impulsionar a economia. A cartilha neoliberal e elitista de Bolsonaro visa só a beneficiar os privilegiados e os especuladores do mercado financeiro. Não é à toa que os bancos tiveram lucros recordes nos três primeiros meses do atual governo.

Truculência

O fato é que os ataques contra os trabalhadores têm uma truculência semelhante à praticada nos anos de chumbo da ditadura (1964/85), com a agravante de que se retiram de direitos que sequer os militares tiveram coragem de cometer. Tudo faz parte de um mesmo pacote em que se quer inserir o Brasil como país subalterno aos interesses dos Estados Unidos e das grandes corporações multinacionais. Privatizações antinacionais, entrega do pré-sal aos estrangeiros a preço vil, destruição do meio ambiente e de políticas de defesa de indígena, fim da reforma agrária.

O 1º de Maio é um momento em que a classe trabalhadora tem que refletir sobre as ameaças contra si e a sociedade brasileira em geral. Resistir contra a mudança de regime que o atual governo pretende implementar – o papel do Estado não é o de servir os interesses de uma minoria privilegiada, mas a todo o povo, com impulso ao desenvolvimento e às políticas públicas que façam rodar a economia, gerando empregos e renda.

É hora de refletir sobre as ameaças de um governo que se elegeu por meio de mentiras (fake news) e continua mentindo à população. O povo sente na carne o fracasso de um governo que mal começou, mas diariamente continua sendo bombardeado por fake news. Cabe às centrais sindicais, movimentos sociais e aos partidos políticos compor uma frente ampla de defesa da democracia e contra o fascismo de Bolsonaro.

Soberania nacional

Com o governo do presidente Lula, pudemos mostrar ao povo brasileiro e ao mundo que podemos ser um país viável, desenvolvido, com justiça social e com a soberania nacional respeitada. Um país respeitado no concerto das nações, com um povo que tenha autoestima elevada.

O momento é grave. O 1º de Maio deve se tornar um divisor de águas na luta contra um governo que ameaça o futuro do Brasil como país independente e soberano. Nós, do PT, estamos unidos com todas as forças progressistas e democráticas contra os retrocessos e em defesa da democracia e dos direitos do povo brasileiro.

*Jornalista, deputado federal (PT-RS) e líder do PT na Câmara em 2018 e 2019.

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Trincheira de resistência dos movimentos sociais, Comissão de Direitos Humanos da Câmara completa 25 anos em 2020

Para celebrar os 25 anos de criação da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, a Câmara d…