Home Portal Notícias Haddad, Dino e Carol Proner criticam pacote anticrime de Moro e conceitos do ex-juiz na Lava Jato

Haddad, Dino e Carol Proner criticam pacote anticrime de Moro e conceitos do ex-juiz na Lava Jato

7 min read
0

Durante Seminário Medidas Penais organizado pelas Bancadas do PT na Câmara e no Senado, nesta quinta-feira (25), para debater medidas penais e o pacote anticrime apresentado pelo regime Bolsonaro, parlamentares e personalidades como o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad e a jurista Carol Proner criticaram as concepções que norteiam as propostas de Sérgio Moro, ministro da Justiça e responsável pela segurança pública no Executivo federal.

“Uma coisa é nós discutirmos segurança pública, outra coisa é discutir o pacote do Moro”, ressaltou a deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR), presidenta do PT. “Nós vivemos numa sociedade muito violenta. Mais de 70% dos homicídios são causados por arma de fogo. E, lamentavelmente, o pacote anticrime de Sérgio Moro não dialoga com essa realidade”, acrescentou a parlamentar.

Segurança pública

Para o deputado Paulo Pimenta (PT-RS), líder da Bancada do PT na Câmara, porém, não é possível ficar apenas na crítica com relação ao tema. “Diferentemente da Previdência, onde nós estamos numa linha de enfrentar e derrotar a proposta do governo, o tema da segurança pública nos desafia a propor. Temos um conjunto de relações na academia, na sociedade em geral, com boa parte das pessoas que pensam sobre esse tema no País”, destacou o líder.

“Temos condições, sim, de não apenas ter uma postura crítica sobre as insuficiências e os equívocos da proposta apresentada pelo governo, mas também de produzir um documento com ideias que possam orientar numa outra direção o debate sobre segurança pública no País”, completou Pimenta.

Lula

A questão da condenação arbitrária do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva preso político há mais de um ano, também foi debatida no seminário.

Para Flávio Dino, o Superior Tribunal de Justiça deveria fazer uma “revaloração dos fatos e provas” e o Lula deveria ser solto imediatamente.

“Por uma razão prática, o Lula tem que ser solto juridicamente amanhã, na minha avaliação. Não é em setembro. O presidente Lula já cumpriu 13 meses. Se são 8 anos e 10 meses e se lá, nesse juízo de exceção paranaense, não mudaram a matemática – porque até isso periga – 8 anos e 10 meses, menos os 13 meses, a pena fica abaixo de 8″, explicou o governador.

Segundo Dino, ficando a pena restante abaixo de oito anos, “segundo os precedentes do próprio STJ”, Lula passa a ter direito subjetivo ao regime semiaberto, não por progressão de regime.

Fernando Haddad defendeu que providências jurídicas sejam tomadas ainda hoje para garantir a libertação imediata de Lula, o que garantiria “alívio” à expressiva parcela da sociedade brasileira que não se conforma com as arbitrariedades cometidas nesse processo. Ele diz que sempre considerou Moro como um “quadro político”, pois, desde o início da Lava Jato tinha um objetivo político – a incriminação, a qualquer custo, do ex-presidente.

Ele diz que nem os supostos atos cometidos por Lula nem o recebimento de benefícios restaram comprovados no processo, lembrando que Moro utilizou o termo “atos indeterminados”, um “eufemismo”, segundo Haddad, para estabelecer a culpa não comprovada do ex-presidente.

Presunção de culpa

A jurista Carol Proner, integrante da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia, também destacou o papel de “excepcionalidade democrática” em todo o mundo e de reforço do “punitivismo”. Segundo ela, o pacote de Moro, se aprovado, acaba com o princípio da presunção de inocência e fomenta a criminalidade, já que uma das consequências diretas será o aumento da população carcerária, onde o crime organizado arregimenta seus integrantes.

PT na Câmara com Rede Brasil Atual

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

João Daniel denuncia que regularização fundiária proposta por Bolsonaro acentua injustiça agrária

A preocupação com a medida provisória (MP 910/19), editada esta semana pelo governo federa…