Home Portal Notícias Professores podem fazer greve nacional se Reforma da Previdência passar na CCJ

Professores podem fazer greve nacional se Reforma da Previdência passar na CCJ

13 min read
0

O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Heleno Araújo Filho, anunciou nesta quinta-feira (4) que a entidade prepara uma greve nacional dos professores para 15 de maio caso a proposta de Reforma da Previdência (PEC 6/19) seja aceita pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados. A CCJ deve votar a admissibilidade da PEC 6/19 até o próximo dia 17.

“É necessário retirar essa reforma ou não deixar passar na Comissão de Constituição e Justiça”, disse o presidente da CNTE, que apontou prejuízos especialmente para as mulheres. “Não retirando a proposta, no dia 15 de maio vamos parar todo o País, na perspectiva de avançar pela justiça e pelos direitos dos profissionais da educação.”

Outros representantes de entidades que também defendem os trabalhadores na educação afirmaram nesta quinta-feira que a Reforma da Previdência apresentada pelo governo Bolsonaro dificulta o acesso à aposentadoria para os profissionais do ensino no País. Durante audiência pública que debateu “A Reforma da Previdência e seus impactos sobre os professores”, na Comissão de Educação da Câmara, a principal reclamação se concentrou no aumento da idade mínima para a aposentadoria, o acréscimo em cinco anos do tempo de contribuição para as professoras e a mudança no cálculo reduzindo o valor do benefício. A reunião foi idealizada e presidida pela deputada Professora Rosa Neide (PT-MT).

Atualmente, as professoras se aposentam com 50 anos de idade e 25 de contribuição, e os professores com 55 anos de idade e 30 de contribuição. Pelas regras da “Nova Previdência” proposta por Bolsonaro, as professoras serão as maiores prejudicadas. O tempo mínimo de contribuição para a aposentadoria é estipulado em 30 anos, aumento de 5 anos para as professoras. Já em relação à idade mínima de 60 anos, serão 5 anos a mais para os homens e 10 anos a mais para as mulheres.

Para alcançar a aposentadoria integral, o tempo de contribuição exigido é de 40 anos para professores e professoras. Com isso, as mulheres teriam que contribuir obrigatoriamente 10 anos a mais para obter o benefício integral. A mudança na regra do cálculo também reduz o valor dos benefícios. Hoje são dispensados 20% das menores contribuições. Pela nova regra até essas contribuições, totalizando 100%, serão levadas em conta.

“Não temos como aprovar essa proposta que prejudica os professores de todo o País, principalmente as mulheres. São 2,2 milhões de professores, 80% mulheres, que têm seus direitos afetados. Os municípios, responsáveis pela educação básica também serão afetados. Caso a PEC seja aprovada, os profissionais vão pedir afastamento antes do fim da carreira pela falta de condições de atuar em sala de aula, dobrando o custo da educação dos municípios que terão que contratar novos professores para os substituir”, argumentou Rosa Neide.

O representante da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimento de Ensino (Contee), Ademar Sgarbossa, também destacou que as novas exigências dificultam o acesso a aposentadoria para os professores das entidades particulares de ensino. “Devido à alta rotatividade, os professores não vão conseguir atingir os 60 anos de idade e 30 anos de contribuição para se aposentarem. Com isso terão que trabalhar mais 3, 4 ou 5 anos até conseguirem atingir as exigências”, observou.

O dirigente da Contee disse ainda que a missão ainda será mais difícil para os professores que ficarem desempregados com idade avançada. “Qual instituição particular de ensino contrataria uma professora com 60 anos para cuidar de crianças com 5 ou 6 anos de idade?”, indagou.

Ensino Superior

Além de criticar as novas regras, o presidente da Federação de Sindicatos de Professores e Professoras de Instituições Federais de Ensino Superior e de Ensino Básico Técnico e Tecnológico (Proifes), Nilton Brandão, fez questão de desmascarar o discurso do governo Bolsonaro de que os professores de entidades públicas são privilegiados.

“Desde 2004 não existe mais a integralidade e a paridade de vencimentos dos professores aposentados. Esse privilégio não existe. E depois de 2013, as regras do Regime Geral de Previdência (INSS), inclusive o teto de R$ 5.800, é o mesmo para os professores”, explicou.

Ainda sobre este tema, o técnico do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP) Luiz Alberto dos Santos ressaltou que 77% do total de professores do País estão na rede pública e que “a maioria tem salários baixos”.

“O salário médio é de R$ 2.400, pouco mais de dois salários mínimos. E muitos municípios não conseguem sequer pagar o piso salarial dos professores da educação básica. Esses professores sequer têm condições de acessar um plano de previdência privada, portanto não podem ser considerados privilegiados”, argumentou.

A deputada Rejane Dias (PT-PI), titular da Comissão de Educação e ex-secretária de Educação do Piauí, disse que a proposta de Reforma da Previdência de Bolsonaro é injusta com todos os brasileiros, mas especialmente com os professores.

“Os professores têm dupla jornada porque passam o dia inteiro na escola e à noite ainda têm que corrigir provas e trabalhos. Aliado a isso ainda convivem, em muitos casos, com a violência nas escolas. Fui secretária de Educação e pude perceber a quantidade de professores que se afastam por problemas de saúde”, detalhou.

OCDE

O presidente da CNTE, Heleno Araújo Filho, disse também que o Brasil deveria observar a forma como os professores são tratados nos países que fazem parte da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), conhecido como o “Clube dos Países Ricos”. Ele lembrou que o presidente Bolsonaro defende a entrada do Brasil na organização que reúne 36 países.

“Ele deveria tratar os professores da mesma forma que faz a OCDE. Nesses países, a média de remuneração anual é de US$ 30 mil por ano (quase R$ 120 mil por ano), enquanto no Brasil a média é de apenas US$ 12 mil (R$ 48,8 mil por ano). Enquanto isso, a jornada de trabalho anual no Brasil é de 42 semanas, enquanto a média nessas nações varia entre 37 a 40 semanas”, apontou.

Governo

O assessor da Secretaria de Previdência do Ministério da Economia, Alessandro Roosevelt Ribeiro, tentou defender as novas regras para a aposentadoria dos professores. Segundo ele, “todos devem dar a sua cota de sacrifício” para salvar a Previdência. Ele disse ainda que as mudanças vão ajudar a resolver os “déficits na folha de pagamento do regime geral da Previdência e no regime próprio dos municípios”. A argumentação do assessor foi refutada por todos os presentes.

Os deputados petistas Airton Faleiro (PA), Bohn Gass (RS), Carlos Veras (PE) e Célio Moura (TO) também discursaram em defesa dos professores. Passaram ainda pela audiência pública os deputados Alencar Braga Santana (PT-SP), José Ricardo (PT-AM), Reginaldo Lopes (PT-MG) e Zeca Dirceu (PT-PR).

Veja a íntegra da audiência pública:

EDUCAÇÃO – A Reforma da Previdência e seus impactos sobre os professores.Professora Rosa Neide preside a audiência pública.

Posted by PT na Câmara on Thursday, April 4, 2019

 

Héber Carvalho com Agência Câmara Notícias

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Câmara aprova PEC de Gleisi Hoffmann que permite repasse direto de emendas para estados e municípios

Um grande acordo de líderes permitiu a aprovação da proposta de emenda à Constituição (PEC…