Home Portal Notícias Manchetes Parlamentares criticam governo Bolsonaro pela alta do desemprego no País

Parlamentares criticam governo Bolsonaro pela alta do desemprego no País

8 min read
0

A taxa de desemprego subiu para 12,4% no trimestre encerrado em fevereiro, com um número estimado de 13,098 milhões de desempregados, informou nesta sexta-feira (29) o IBGE. Em dezembro, estava em 11,6% – em comparação com fevereiro de 2018, ficou estável (12,6%). São 892 mil desempregados a mais em três meses, crescimento de 7,3%, enquanto o total de ocupados encolheu 1,1% (menos 1,062 milhão). O desalento e o total de pessoas fora da força de trabalho foram recordes. Parlamentares do PT na Câmara criticaram a política econômica de Bolsonaro que fomenta o aumento do desemprego no País.

A última vez que a taxa esteve abaixo de dois dígitos foi em janeiro de 2016, ainda no período pré-impeachment: 9,5%. Atualmente, está três pontos acima. Se no período posterior à Reforma Trabalhista, o desemprego não aumentou significativamente, também não cedeu. O que cresce continuamente é a informalidade no mercado.

Para o deputado Bohn Gass (PT-RS), ainda no governo ilegítimo de Temer, mentiram ao povo quando afirmaram que a Reforma Trabalhista geraria mais empregos. “Primeiro, disseram: a terceirização vai gerar milhões de empregos. Mentiram. Depois, disseram: a Reforma Trabalhista vai gerar milhões de empregos. Mentiram. Agora, dizem: a Reforma da Previdência vai gerar milhões de empregos. Atenção! Os mentirosos são sempre os mesmos”, alertou em sua conta no Twitter o parlamentar gaúcho.

De acordo com o instituto, o número de desalentados somou 4,9 milhões em fevereiro, atingindo novo recorde, estável no trimestre e com crescimento de 6% em um ano (275 mil a mais). O percentual é de 4,4%. Já a população fora da força de trabalho atinge 65,7 milhões, crescendo 0,9% em três meses (595 mil) e 1,2% em 12 meses (754 mil).

O total de ocupados é de 92,127 milhões. Cresceu 1,1% em 12 meses, com acréscimo de 1,036 milhão. Mas, como vem se tornando comum, o que cresce, basicamente, é o emprego no setor privado sem carteira (367 mil a mais, 3,4%) e o trabalho por conta própria (644 mil, 2,8%).

Os deputados mineiros Rogério Correia (PT) e Margarida Salomão (PT) também classificam o governo de Bolsonaro de incompetente. Correia é assertivo em sua conta no Twitter: “Mentiram: Reforma Trabalhista piorou a vida dos trabalhadores e não produziu emprego. E pior, desemprego no País sobe para 12,4% e atinge 13,1 milhões de pessoas. Reforma da Previdência, se passar, vai piorar a situação para jovens”. Margarida complementa: “O governo Bolsonaro pode ser resumido em duas palavras: incompetência e bravatas.”

O deputado José Guimarães (PT-CE) também indaga sobre os novos empregos que seriam criados com as mudanças na legislação trabalhista. “Desemprego dispara e atinge novo recorde de 12,4% em fevereiro. Cadê os empregos prometidos com a Reforma Trabalhista? Dizem a mesma coisa agora com a Reforma da Previdência”, alerta o parlamentar.

População subutilizada

A chamada população subutilizada – além dos desempregados, aquela que gostaria de trabalhar mais – chega a 27,9 milhões, outro recorde apurado na pesquisa, com mais 901 mil pessoas (3,3%) no trimestre e 795 mil (2,9%) em 12 meses. A taxa de subutilização da força de trabalho subiu para 24,6%.

Os empregados com carteira assinada no setor privado somam 33,027 milhões, enquanto os sem carteira são 11,128 milhões. E os trabalhadores por conta própria chegam a 23,779 milhões.

O rendimento médio foi estimado em R$ 2.285. Teve crescimento de 1,6% no trimestre e foi considerado estável no período de 12 meses. A massa de rendimentos (R$ 205,4 bilhões) ficou estável nas duas comparações.

O deputado Nilto Tatto (PT-SP) desmente Bolsonaro no Twitter: “Governo do #Mico comemora criação de 173 mil empregos num período em que 892 mil pessoas perderam seus postos de trabalho. Os dados do IBGE apontam que o governo criou foi desemprego, que chegou a 12,4%”. O presidente da Comissão de Direitos Humanos, Helder Salomão (PT-ES), lembra que o “governo Bolsonaro completa 3 meses sem diálogo com o Congresso, 3 meses de política externa vexatória, 3 meses governando pelo Twitter, 3 meses sem propostas para a crise, 3 meses sem projetos para o País, portanto, o resultado não poderia ser outro: em três meses, mais um milhão de desempregados, conforme o IBGE”.

O deputado Joseildo (PT-BA), por sua vez, avalia que “enquanto o presidente ancora suas prioridades em comemorações estapafúrdias, o povo vai sofrendo com ausência de um governo que se preocupe com a vida das pessoas. Aliás, ainda aguardamos, sentados, os empregos gerados pela Reforma Trabalhista”, cobra Joseildo.

 

PT na Câmara com Rede Brasil Atual 

Foto Mídia Ninja

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Boletim 576 – Comitê Popular em Defesa de Lula e da Democracia

Boletim 576 – Comitê Popular em Defesa de Lula e da Democracia Direto de Curitiba – 19/9/2…