Home Portal Notícias CNJ determina processo contra juíza Hardt por conluio com Lava Jato

CNJ determina processo contra juíza Hardt por conluio com Lava Jato

6 min read
0

O corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, determinou que a Corregedoria-Geral de Justiça do Tribunal Regional Federal da 4ª Região apure reclamação disciplinar contra a juíza federal substituta da 13ª Vara Criminal de Curitiba Gabriela Hardt por ter homologado um nebuloso acordo entre a Força Tarefa da Lava Jato, o governo dos Estados Unidos e a Petrobras, para a criação de um fundo privado de R$ 2,5 bilhões oriundos de multa aplicada à estatal.

A decisão do corregedor do CNJ foi tomada em decorrência de representação formulada pelas Bancadas do PT na Câmara e no Senado, além de uma senadora pelo Pros. Os parlamentares apresentaram reclamação disciplinar contra a magistrada questionando a competência de Hardt para homologar o acordo relacionado ao bilionário fundo privado. O acordo foi homologado no último dia 25 de fevereiro.

Propina para a Lava Jato

O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), lembrou que a investigação a ser aberta contra Hardt é por conluio, ou seja, “conspiração, trama, combinação secreta entre duas ou mais pessoas para enganar e prejudicar a terceiro em proveito próprio”. A presidenta do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), em seu Facebook, comentou: “Para nós, está mais do que evidente de que o recurso da pretensa Fundação do MP era a propina que a turma da Lava Jato recebeu dos EUA para entregar à Petrobras. Mais um escândalo do governo Bolsonaro”.

Além de Gleisi e Paulo Pimenta, a ação foi firmada também pelos deputados petistas Alencar Santana (SP), Arlindo Chinaglia (SP) Afonso Florence (BA), Nelson Pelegrino (BA) e Paulo Teixeira (SP); os senadores petistas Humberto Costa (PE), Jaques Wagner (BA), Jean Paul Prates (RN), Paulo Paim (RS), Paulo Rocha (PA) e Rogério Carvalho (SE); e também a senadora Zenaide Maia (Pros/RN).

Conluio entre juíza e Lava Jato

Além da ação do grupo de parlamentares, o deputado federal Jorge Solla (PT-BA) protocolou no dia 21 representação no CNJ contra a mesma juíza. Ele a acusou de ter agido em conluio com a força-tarefa da Lava Jato ao homologar e tornar sigiloso o acordo do MPF com a Petrobras, para criar o fundo de R$ 2,5 bilhões com recursos da estatal, a ser administrado por fundação de direito privado que seria gerida por membros do MPF de Curitiba. Ele questionou a forma rápida com que a juíza agiu no caso, com a agravante de não dar publicidade.

O misterioso acordo firmado entre a Força-Tarefa da Lava Jato com o governo dos Estados Unidos e a Petrobras foi também denunciado no dia 12 deste mês em quatro outras ações protocoladas pelo PT, PDT e as Bancadas do PT na Câmara e no Senado. As ações, protocoladas no Supremo Tribunal Federal (STF), Tribunal de Contas da União (TCU), Procuradoria-Geral da República (PGR) e na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) pedem diferentes providências, inclusive a anulação do acordo, já que a Força-Tarefa da Lava Jato cometeu várias irregularidades.

 Leia mais:

Pimenta: documentos comprovam que fundo da Lava Jato com EUA é crime

PT aciona STF, PGR, TCU e CVM contra acordo lesivo ao Brasil firmado pela Lava Jato

PT na Câmara

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Projeto de lei de Frei Anastácio propõe política de prevenção ao uso de drogas, em instituições de ensino superior

O deputado federal Frei Anastácio (PT-PB) apresentou o projeto de lei (PL 406/2020), que i…