Home Portal Notícias Bolsonaro quer que Brasil seja grande quintal dos Estados Unidos

Bolsonaro quer que Brasil seja grande quintal dos Estados Unidos

13 min read
0

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara utilizaram suas redes sociais nesta segunda-feira (18) para criticar as medidas contra a soberania nacional anunciadas por Bolsonaro em sua visita aos Estados Unidos. “O presidente Lula tem razão, essa gente veio para destruir e não para governar. Vão destruir o Estado de proteção social ao povo; vão destruir nossa soberania; vão destruir a democracia e os direitos individuais. Restará a barbárie, violência e exclusão”, afirmou a presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann (PR), em sua conta no Twitter.

Em Washington, durante jantar com a extrema direita estadunidense, Jair Bolsonaro, provavelmente em sua fala mais sincera desde que assumiu a Presidência da República, afirmou que o “Brasil não é um terreno aberto onde nós pretendemos construir coisas para o povo. Nós precisamos desconstruir muita coisa, desfazer muita coisa”.

Na avaliação do deputado Alencar Santana Braga (PT-SP), nos EUA, Bolsonaro fala a verdade. “Vai desconstruir no Brasil a educação pública; a Previdência Social; a democracia; as relações exteriores do País; a paz social; os direitos humanos e as liberdades civis; o patrimônio e as empresas públicos”.

O deputado Paulo Teixeira (PT-SP), também no Twitter, observou que a subordinação do Brasil aos EUA incluía visita à CIA (agência de inteligência dos EUA), passa pela venda da Embraer para a Boeing; dispensa do visto de entrada no Brasil para os americanos; e acordo com o coordenador da Lava Jato, procurador Deltan Dallagnol; do ex-juiz e agora ministro da Justiça do Bolsonaro, Sérgio Moro; da Petrobras; e do Departamento de Justiça Americano, além da entrega da Base de Alcântara.

Ainda segundo Paulo Teixeira, o entreguismo aos EUA prevê apoio para desestabilização da Venezuela; entrega do pré-sal; ataque ao sistema público de ensino superior no Brasil e privatizações.

“A mensagem de Bolsonaro aos americanos é: ‘chega de direitos, chega de educação gratuita, chega de saúde pública’. Não se trata de um sincericídio, mas da própria demonstração da ignorância que perpassa o presidente”, acrescentou a deputada Margarida Salomão (PT-MG).

E o deputado Helder Salomão (PT-ES) lamentou o fato de o governo Bolsonaro ter vindo para destruir direitos sociais. “E ele não faz nenhuma questão de esconder”, criticou.

Missão é atender aos interesses de Trump

Além de revelar que seu desgoverno não fará nada para o trabalhador brasileiro, Bolsonaro deixou claro que sua missão é atender os interesses de Donald Trump e do capital estrangeiro. Tanto é que o entreguismo de Jair Bolsonaro ficou ainda mais evidente na semana passada, quando foi divulgado que o Brasil vai ceder a Base de Alcântara aos militares dos EUA. Durante anos os EUA tentaram se apropriar da base por sua localização estratégia. Em 2017, a Carta Capital levantou 10 pontos importantes sobre a base e em um deles relembra que “o objetivo principal é ter uma base militar em território brasileiro na qual exerçam sua soberania, fora do alcance das leis e da vigilância das autoridades brasileiras”.

Para o deputado Alexandre Padilha (PT-SP), a entrega de setores estratégicos que envolvem soberania nacional, como serviços estruturais, pesquisa, energia, tecnologia e inovação dão já o tom que o governo Bolsonaro quer imprimir ao Brasil no cenário global: “mero espectador, quando muito, figurante”.

Visita a Cia

Entre os compromissos nos EUA, Jair Bolsonaro visitou a CIA. É válido lembrar que, em 2009, um documento interno do governo de Washington, vazado pelo Wikileaks, mostra que os EUA treinaram agentes judiciais brasileiros. O documento pedia a instalação de um treinamento aprofundado em Curitiba. O caso mais grave, entretanto, ocorreu em 2013, por ocasião da espionagem feita no gabinete da ex-presidenta Dilma Rousseff, no avião presidencial e na Petrobras.

“A visita é um escândalo”, resumiu o líder do PT, deputado Paulo Pimenta (RS), em sua conta no Twitter. E a deputada Gleisi comentou que deve ser a primeira vez na história que um chefe de Estado brasileiro faz uma visita à sede do Serviço Secreto de outro…” e fora da agenda oficial!!! Isso deve ter sido ideia do Moro, que além de informações ao Departamento de Estado também quer prestar serviços de inteligência”, ironizou.

E o deputado Paulo Teixeira destacou que na agenda de Sérgio Moro nos EUA também estão reservados encontros na CIA e no FBI. “Nem quando éramos considerados ‘quintal dos EUA’ as relações eram de tamanha subordinação”, criticou.

O deputado Nilto Tatto (PT-SP) destacou que antes tínhamos um governo que zelava pela transparência, criou ferramentas de controle e participação social. “Agora este que aí está faz tudo às escondidas. Está com medo do povo, Jairzinho?”, indagou.

Alinhamento automático e os prejuízos econômicos

Para além de colocar em risco a soberania nacional, o alinhamento automático de Bolsonaro a Trump também prejudica a economia brasileira. A “parceria” da dupla tem intuito de favorecer um único país: os EUA. Isso porque Jair Bolsonaro, orientando pelo presidente estadunidense, tem feito declarações hostis aos atuais parceiros econômicos do Brasil, o que tem prejudicado a diplomacia e as relações bilaterais. Os exemplos clássicos são as trapalhadas de Bolsonaro com a China, que agora negocia um acordo comercial de US$ 30 bilhões com os estadunidenses, o equivalente a praticamente todas as exportações agropecuárias do Brasil ao país asiático em 2018, que foi de US$ 35 bilhões. O CEO da Aliança Agro Ásia-Brasil, Marcos Jank, em entrevista ao Globo Rural, lembrou que o valor poderia ter sido investido no Brasil.

Outra desastrosa decisão de Bolsonaro ocorreu em relação à embaixada brasileira em Israel. Bolsonaro decidiu seguir Trump e mudar a representação diplomática brasileira de Tel Aviv para Jerusalém. Por isso, a Arábia Saudita, responsável pela importação de 14% da carne de frango do Brasil em 2018, desabilitou cinco frigoríficos da lista dos exportadores brasileiros para o país árabe.

Na opinião da deputada Erika Kokay (PT-DF), Bolsonaro não defende aproximação com os EUA, “defende servilismo”. E acrescentou: “EUA não querem ser grande parceiro do Brasil, querem que Brasil seja grande quintal deles”.

Liberação de visto para norte-americano

Bolsonaro também anunciou que vai liberar a entrada de estadunidenses no País sem a necessidade de visto, mas o contrário não será permitido. “Alô Bolsonaro: liberar geral entrada de norte-americanos no Brasil sem a contrapartida do governo dos EUA é submissão, atentado à soberania, subserviência e atestado de pequeneza que envergonha o Brasil”, afirmou o deputado Bohn Gass‏ (PT-RS).

A deputada Maria do Rosário (PT-RS) destacou que o governo Bolsonaro ajudará na extradição de brasileiros nos EUA. “Bolsonaro faz um governo puxa-saco e lambe-botas de líderes de outro país. O Brasil acima de tudo. Deus acima de todos”, foi seu slogan? Deus para esse governo é o Tio Sam!”, lamentou.

E o deputado Rogério Correia (PT-MG) ironizou: “Já não seria hora de mudar o slogan: Que tal ‘EUA acima de tudo, Trump acima de todos’?”.

 

Vânia Rodrigues, com Agência PT de Notícias

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

PT aciona Justiça por fim de sigilo na reforma da Previdência

O Partidos dos Trabalhadores e outras legendas entraram nessa segunda-feira (22) com um ma…