Home Portal Notícias Mulheres do PT: Bolsonaro coloca em risco imenso legado de Lula e Dilma

Mulheres do PT: Bolsonaro coloca em risco imenso legado de Lula e Dilma

8 min read
0

Foram pouco mais de 13 anos de progresso ininterrupto de emancipação e empoderamento. A mulher só virou projeto de Estado a partir de 2003, quando o PT chegou ao governo federal.  “Mas nós nunca vamos parar de celebrar o dia 8 de Março enquanto a sociedade patriarcal como a conhecemos continuar existindo”, alerta a ex-presidenta Dilma Rousseff, em entrevista ao vivo para a TV  247, nesta sexta-feira (8).

Dilma, vítima da face mais cruel do machismo que domina a política brasileira, fala com a propriedade de quem governou para diminuir o abismo entre homens e mulheres no Brasil. Mas ela não estava só. Ao seu lado havia outras tantas guerreiras do porte das deputadas petistas Gleisi Hoffmann (PR) e Benedita da Silva (RJ); e das ex-ministras Tereza Campello, Maria do Rosário (atualmente deputada federal) e Eleonora Menicucci, todas com papéis primordiais nos governos do PT, e que nesta sexta-feira (8) se juntaram para relembrar enormes conquistas deixadas pelo PT como o Minha Casa Minha Vida e o Bolsa Família – dois programas que davam autonomia e independência para quem realmente chefia a família brasileira.

“Uma das grandes conquistas dos nossos governos foi incentivar a autonomia financeira das mulheres. E ela veio com a criação de programas sociais como o Minha Casa Minha Vida. Com a titularidade do imóvel no nome da mulher, acabava a submissão diante de homens. A mulher que antes era mandada embora de casa passou a botar o homem na rua por não cumprir com o seu papel dentro da estrutura familiar.  Nós não temos na história do Brasil governos que realizaram mudanças deste tipo e que colocaram em prática políticas públicas efetivas para as mulheres”, reitera a presidenta Nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann.

Eleonora Menicucci, ex-ministra das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos (num tempo em que a causa feminina tinha casa própria dentro do governo federal), também lembra do quão importante foi a criação da Emenda Constitucional 72, conhecida como a PEC das Domésticas (PEC 66/2012), que jogou luz para uma categoria secular e herdeira direta do passado escravocrata brasileiro.

“A PEC igualou os direitos das domésticas ao de todos os brasileiros que recebiam pela CLT. Passou a ter férias, décimo terceiro e as demais garantias antes ignoradas pelos patrões. E mais do que isso, a PEC inicia o fim do processo da escravidão dentro das nossas próprias casas, já que a maioria das empregadas domésticas do Brasil é mulher e negra. Era quase que um trabalho hereditário”, relembrou Eleonora Menicucci.

A história da deputada Benedita da Silva fala por si só o quão importante foi [e ainda é] dar voz às mulheres negras do País. “Nós, mulheres negras, precisávamos ter a nossa história contada e só vimos isso acontecer, a notar uma evolução de verdade, a partir do PT. Isso não tem discussão. É fato. Se olharmos para a vida de cada uma dessas mulheres vai ficar fácil perceber como as coisas foram melhores durante os nossos governos”, avalia

Combate aos retrocessos

Relembrar as políticas públicas iniciadas por Lula e fortalecidas e ampliadas por Dilma vai muito além do marketing político. É, na verdade, um dos caminhos para capitanear cada vez mais mulheres a enfrentar qualquer possibilidade de retrocessos a partir do desgoverno Bolsonaro – que nunca escondeu de ninguém sua aversão às mulheres.

“Nos 13 anos em que o PT governou o País, mostramos que é possível, sim, fazer diferente. Nos diziam que era impossível e nós mostramos como se faz. Por isso é fundamental não só interromper este processo danoso em andamento no País como reconstruir políticas públicas iniciadas em 2003”, reforça Tereza Campello, ex-ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome durante o governo Dilma.

A deputada Maria do Rosário (RS), vítima real do machismo e violência de Bolsonaro, aponta a principal diferença entre os governos do PT e o que está em vigor há dois meses – já com sinais claros de despreparo: “Os nossos governos tinham o conceito geral do que é política de emancipação das mulheres. Trabalhávamos para toda a população brasileira, mas sabíamos onde era preciso inverter prioridade e traçar metas. Nem de longe é possível vislumbrar qualquer evolução com este governo. Por isso é ainda mais importante que todas nós sigamos mobilizadas. Eles sabem o poder que as mulheres têm quando estão unidas”.

 

Agência PT de Notícias

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

PT vai ao STF contra MP de Bolsonaro que retira da Funai demarcação de terras indígenas

O líder em exercício da Bancada do PT na Câmara, deputado José Guimarães (CE), enviou hoje…