Home Portal Notícias PT e PSOL acionam Justiça e PGR contra ministro da Educação por coagir escolas a lerem slogan de Bolsonaro

PT e PSOL acionam Justiça e PGR contra ministro da Educação por coagir escolas a lerem slogan de Bolsonaro

6 min read
0

O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), anunciou hoje (25) que a bancada, juntamente com o PSOL,  vai entrar com uma ação popular na Justiça e uma representação na Procuradoria-Geral da República contra o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, por ter enviado e-mail nesta segunda-feira a escolas privadas e públicas de todo o País no qual determina que seja lida às crianças uma carta dele com o slogan da campanha de Jair Bolsonaro no ano passado: “Brasil acima de tudo. Deus acima de todos.”

É “um fato gravíssimo”, disse Pimenta. “Trata-se de crime de improbidade, de apropriação de coisa pública para interesses particulares”. O ministro ainda determinou que as crianças cantem perfiladas o hino nacional em frente a uma bandeira do País e que o momento seja gravado em vídeo e enviado para o governo.

 

Ditadura militar

O líder lembrou que nem na ditadura militar (1964-85) “houve uma postura tão humilhante como essa”.  Segundo ele, o atual ministro da Educação “não merece ocupar o cargo que ocupa”. O parlamentar lembrou que o titular do MEC, em entrevista a uma revista, já humilhou o Brasil ao chamar os brasileiros de ladrões. “Agora, ele extrapolou o limite do razoável. Isso é o que que se chama de ‘escola com partido’, uma manipulação barata que envergonha o País e o MEC”, ironizou o parlamentar.

 

Colombiano naturalizado brasileiro

“Prezados Diretores, pedimos que, no primeiro dia da volta às aulas, seja lida a carta que segue em anexo nesta mensagem, de autoria do Ministro da Educação, Professor Ricardo Vélez Rodríguez, para professores, alunos e demais funcionários da escola, com todos perfilados diante da bandeira do Brasil (se houver) e que seja executado o hino nacional”, diz o texto assinado pelo ministro, que é colombiano naturalizado brasileiro.

A carta foi enviada para escolas públicas e particulares do País. “Isso é ilegal, o MEC não tem competência para pedir nada disso às escolas”, diz o diretor da Associação Brasileira de Escolas Particulares (Abepar), Arthur Fonseca Filho, segundo informou a Agência Estado.

Diretores de escolas ficaram chocados com o conteúdo da carta, principalmente porque pede para que as crianças sejam filmadas. Muitos chegaram a pensar que se tratava de fake news ou vírus em enviado por email.

“Solicita-se, por último, que um representante da escola filme (pode ser com celular) trechos curtos da leitura da carta e da execução do hino nacional. E que, em seguida, envie o arquivo de vídeo (em tamanho menor do que 25 MB) com os dados da escola”, diz o corpo do email. Fonseca Filho disse ainda que as escolas não têm autorização para enviar imagens de seus alunos para o governo.

Assista o vídeo do discurso do líder Paulo Pimenta:

 

MINISTRO DA EDUCAÇÃO COMETEU CRIME

O ministro da Educação, Ricardo Velez Rodriguez, enviou e-mail às escolas públicas e privadas do Brasil para determinar que as crianças sejam “perfiladas” para cantar o hino nacional e sejam filmadas nessa atividade.Nem a ditadura ousou impor esse tipo de medida absurda que é um constrangimento ilegal e também é crime de improbidade.Vamos entrar na Justiça imediatamente contra esse indivíduo, que não merece ocupar o cargo de ministro da Educação.Assista ao meu discurso completo na tribuna da Câmara agora há pouco.—#PT #PauloPimenta #Educação #Bolsonaro #hino

Posted by Paulo Pimenta on Monday, February 25, 2019

 PT na Câmara com Agência Estado

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas criticam proposta de privatização dos serviços de água e saneamento no País

Parlamentares petistas envolvidos no debate do projeto de lei que trata do novo Marco Regu…