Home Portal Notícias, Notas e Boletins Português Notas Bancada do PT repudia decisão autoritária do Incra contra movimentos sociais

Bancada do PT repudia decisão autoritária do Incra contra movimentos sociais

8 min read
0

A Bancada do PT na Câmara repudiou hoje (22) a decisão do Incra, anunciada na quinta-feira, de vetar o atendimento em todas as unidades do órgão a representantes de movimentos sociais que não tenham CNPJ. Em nota assinada pelo líder Paulo Pimenta (RS) e pelo coordenador do Núcleo Agrário da bancada, deputado Nilto Tatto (PT-SP), a decisão é qualificada como autoritária e arbitrária, configurando retrocesso civilizatório e democrático.

“Em qualquer lugar do mundo civilizado e democrático – e até no Brasil recente – não houve necessidade de personalidade jurídica para estabelecer diálogo com os movimentos sociais populares”, afirma a nota. “Perseguir esses movimentos, como está claro na decisão do Incra, revela a verdadeira face do atual governo de extrema direita: preconceito e ódio às populações pobres e exploradas das áreas rurais”.

No documento, a Bancada do PT manifesta “irrestrita solidariedade ao MST e a todos os movimentos sociais populares, com ou sem CNPJ, do campo ou das cidades, democraticamente engajados nas lutas por um Brasil próspero, justo, desenvolvido e com igualdade de oportunidades para todo o seu povo”.

Leia a íntegra:

 

“NOTA DA BANCADA DO PT NA CÂMARA DOS DEPUTADOS

 

A Bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara repudia de forma veemente a decisão do Ouvidor Agrário Nacional do Incra, João Miguel de Sousa, de vetar, em todas as unidades do órgão, o atendimento a representantes de movimentos sociais. Trata-se de uma decisão autoritária, arbitrária e um retrocesso democrático e civilizatório o Memorando-Circular nº 234, de 21 de fevereiro de 2019, distribuído pelo ouvidor sob a alegação de estar em sintonia com as diretrizes emanadas pelo atual presidente da Autarquia, general de Exército João Carlos Jesus Corrêa.

A orientação aos superintendentes regionais, chefes de divisão e executores de Unidades Avançadas do Incra para que “não atendam entidades que não possuam personalidade jurídica, bem como os seus representantes” revela o caráter autoritário do governo de extrema direita de Jair Bolsonaro. Em qualquer lugar do mundo civilizado e democrático –e até no Brasil recente – não houve necessidade de personalidade jurídica para estabelecer diálogo com os movimentos sociais populares.

Os alvos específicos do “viés ideológico” que orientou o expediente do Ouvidor e de seu chefe general foram o Movimento dos Trabalhadores sem Terra (MST) e suas lideranças. A atual direção do Incra é tão obscurantista que trata essas lideranças do povo organizado como criminosas, bem como a luta pela terra. Os movimentos sociais e suas lideranças são a voz direta das camadas pobres do País e ao longo dos últimos vinte anos têm contribuído para a implementação de políticas públicas que têm levado ao aumento da produção e da produtividade dos pequenos agricultores brasileiros.

Perseguir esses movimentos, como está claro na decisão do Incra, revela a verdadeira face do atual governo de extrema direita: preconceito e ódio às populações pobres e exploradas das áreas rurais. É um governo que desconsidera que a ouvidoria do Incra, criada em 1999, permitiu a solução de inúmeros conflitos por disputas de terra, reduzindo expressivamente a violência no campo e, por consequência, o número de mortes. Um general de Exército sem qualquer experiência no assunto com um ouvidor igualmente despreparado e autoritário são a fórmula explosiva ideal para intensificar os conflitos rurais e, por consequência, aprofundar a desigualdade no campo.

Nenhum ato de segregação política travestido de ato administrativo intimidará as lutas sociais contra a indecente concentração da terra no Brasil. Os brasileiros que lutam contra a exclusão ou o acesso precário à terra nada mais fazem do que lutar por uma vida digna no campo. Essa sim, deveria ser a preocupação do capitão, do general e do ouvidor do Incra.

A Bancada do PT manifesta irrestrita solidariedade ao MST e a todos os movimentos sociais populares, com ou sem CNPJ, do campo ou das cidades, democraticamente engajados nas lutas por um Brasil próspero, justo, desenvolvido e com igualdade de oportunidades para todo o seu povo.

Brasília, 22 de fevereiro de 2019

Paulo Pimenta (PT-RS), líder do partido na Câmara dos Deputados

Nilto Tatto (PT-SP), coordenador do Núcleo Agrário da Bancada do PT”

 

PT na Câmara

 

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Câmara aprova, com apoio do PT, ampliação do prazo de validade das receitas de medicamentos

A Câmara aprovou nesta terça-feira (7) o projeto de lei (PL 848/20), que amplia o prazo de…