Home Portal Notícias Bebianno é exonerado e petistas pedem que ele conte o que sabe da campanha de Bolsonaro

Bebianno é exonerado e petistas pedem que ele conte o que sabe da campanha de Bolsonaro

11 min read
0

Um escândalo envolvendo candidaturas de laranjas no PSL e embates com o filho de Jair Bolsonaro foram o suficiente para que Gustavo Bebianno fosse exonerado do cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência nesta segunda-feira (18). Esse é o primeiro nome rifado do alto escalão do governo, menos de dois meses após ter assumido. O general Floriano Peixoto assume a pasta.

O líder da Bancada do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), e vários parlamentares petistas usaram as suas redes sociais para comentar o episódio e pedir que Bebianno fale tudo o que ele sabe sobre o laranjal do partido e sobre os bastidores da campanha de Bolsonaro. Neste fim de semana, diversas declarações foram atribuídas a Bebianno, como a de que ele estaria arrependido de ter viabilizado a vitória de Bolsonaro. Ele também teria afirmando que vem sofrendo ameaças, inclusive de morte.

Em Twitter e Facebook, Paulo Pimenta pede que Bebianno fale, que conte tudo o que sabe. “Só tem um jeito de você se proteger, é falando tudo, é botando pra fora toda a podridão da campanha, os segredos perversos da família metralha”, pede em vídeo no seu Facebook. E no Twitter, Pimenta destaca que é “um grave precedente” um filho do presidente demitir um ministro por motivos que a República desconhece. “É uma lógica perversa e perigosa onde o privado se sobrepõe ao público e a família adquire status de Estado paralelo. Espero que a verdade venha a tona”.

Pimenta também sugere uma lista de perguntas que as autoridades – Sérgio Moro, ministro da Justiça; Raquel Dodge, procuradora-geral da República; e Deltan Dallagnol, do Ministério Público Federal – têm obrigação de fazer a Bebbiano: O que ele sabe sobre o esquema de laranjas do PSL? Bolsonaro estava informado sobre o esquema? Quem mais do PSL e da campanha estava ciente?

Exoneração não encerra laranjal  

Também no Twitter, o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) avisa que vai convocar Bebbianno para ele “dizer como foi feita a campanha do Bolsonaro e a relação com as milícias”.

E a deputada Professora Rosa Neide (PT-MT)  afirma que a demissão de Bebianno não encerra o assunto do Laranjal. “Esperamos que Bebianno fale o que sabe sobre as irregularidades da campanha do PSL, porque a demissão não coloca um ponto final no que precisa ser investigado”, afirma.

Na avaliação da deputada Margarida Salomão (PT-MG) o fato de o porta-voz da Presidência da República argumentar que a exoneração de Bebianno é uma “decisão de foro íntimo” do presidente, revela que “Bolsonaro é tão covarde que não tem sequer coragem de confirmar que a demissão é motivada pelas acusações de crime eleitoral e desvio de recursos”. E ironiza em outro tuíte: “Descobrimos que o foro íntimo de Bolsonaro é laranja”.

Margarida Salomão ainda destaca que o pior é que a mesma decisão (demissão) “não se aplica ao ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antonio, que sofre das mesmas acusações”.

O deputado Henrique Fontana (PT-RS) destaca que “este é o padrão do governo Bolsonaro: confusão, intrigas e uso da máquina pública para proteger seus aliados”. E ironiza: “O partido que ia acabar com a corrupção virou o Partido só Laranja (PSL) e se afunda, cada dia mais, nos esquemas que armou”.

Já o deputado Helder Salomão (PT-ES) deixa uma pergunta no ar: “Será que Bebianno vai falar tudo que sabe?”, e frisa que são 45 dias de governo e “já tem ministro caindo por envolvimento no laranjal do PSL”.

O deputado Valmir Assunção (PT-BA) destaca a demissão de Bebbiano “e a certeza de um governo mergulhado em laranjas adoçadas a milícias”. E o deputado Assis Carvalho (PT-PI) afirma que é “a primeira queda no laranjal”

 

O escândalo das candidaturas laranjas

Bebianno é pivô em meio à escândalos com candidaturas laranjas, que utilizaram mulheres apenas para cumprir a cota eleitoral e direcionar a verba pública de campanha para fins ainda não esclarecidos. Durante as eleições, ele presidiu o PSL, partido de Bolsonaro, e era responsável formal por autorizar repasses dos fundos partidários e eleitoral a candidatos da legenda.

As primeiras denúncias ocorreram em Minas Gerais e envolvem Marcelo Álvaro Antônio, atual ministro do Turismo. Na época, ele era presidente do PSL no estado e tinha o poder de decisão sobre quais candidaturas seriam lançadas.

Álvaro Antônio está envolvido em um esquema que implica quatro candidaturas laranjas em Minas Gerais, que receberam R$ 279 mil da verba pública que deveria ser utilizada na campanha da legenda. Cerca de R$ 85 mil foram destinados a quatro empresas que são de assessores, parentes ou sócios de assessores do hoje Ministro do Turismo.

Uma segunda denúncia aponta que Luciano Bivar, atual presidente do PSL e recém-eleito segundo vice-presidente da Câmara dos Deputados, teria criado uma candidata laranja em Pernambuco. O partido de Bolsonaro repassou R$ 400 mil do fundo partidário no dia 3 de outubro, a apenas quatro dias antes da eleição. De acordo com a prestação de contas oficial, 95% do dinheiro foi gasto em uma única gráfica, destinado à impressão de 9 milhões de santinhos e 1,7 milhão de adesivos.

Bebianno ainda é apontado como responsável por ter liberado R$ 250 mil de verba pública para a campanha de uma ex-assessora, que repassou parte do dinheiro para uma gráfica registrada em endereço de fachada.

Na quarta-feira (13), Carlos Bolsonaro, o filho que cuida das redes sociais presidenciais, postou no Twitter que o então ministro havia mentido ao jornal O Globo ao dizer que conversara com Bolsonaro três vezes na véspera, negando a turbulência política.

No mesmo dia, Carlos divulgou um áudio no qual o presidente da República se recusa a conversar com Bebianno. Bolsonaro endossou a atitude do filho publicamente.

 

Vânia Rodrigues, com Agência PT de notícias

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

PT exige que Bolsonaro devolva dinheiro gasto com viagem turística aos EUA e pede investigação do TCU

A Bancada do PT na Câmara protocolou hoje (17) representação no Tribunal de Contas da Uniã…