Home Portal Notícias “Quem emprega familiares de assassinos para proteger bandidos é tão bandido quanto os assassinos”, afirma Pimenta

“Quem emprega familiares de assassinos para proteger bandidos é tão bandido quanto os assassinos”, afirma Pimenta

5 min read
0

Durante a sessão da Câmara do Deputados, nesta terça-feira (12), que debateu um projeto de lei (PL 10431/18) que trata do combate a ações terroristas, o líder do PT, Paulo Pimenta (PT-RS), questionou o conceito de terrorismo empregado pelo governo Bolsonaro. Vários parlamentares de esquerda entendem que o projeto poderia ser usado para reforçar a criminalização dos movimentos sociais.

“Nós temos divergências profundas sobre o que é o combate ao crime organizado, o que é o combate ao terrorismo. Por exemplo, a ação de milicianos é terrorismo ou não? Abrigar num gabinete de deputado familiares de milicianos, sendo um deles, ao que tudo indica, o autor dos disparos que mataram a Marielle, é terrorismo ou não?”, indagou Pimenta, em discurso na tribuna [vídeo abaixo].

“Na minha opinião, quem emprega para proteger familiares de miliciano no gabinete é tão bandido quanto os milicianos, quem emprega familiares de assassinos no gabinete para proteger bandidos é tão bandido quanto os assassinos. Mas há gente aqui que acha que não, que acha que é um garoto que não sabe direito o que faz. Para mim, quem emprega funcionários do sindicato do crime, assassinos, no gabinete, é bandido criminoso e deve ser tratado dessa maneira”, acrescentou o petista.

Acordo

Após novas negociações com os partidos, o relator do projeto, Efraim Filho (DEM-PB), acatou um pedido da oposição, o que permitiu a aprovação da matéria por acordo.

Foi incluída ao texto final do projeto uma subemenda para excluir dois dispositivos que garantiam ao Ministério da Justiça e ao Ministério de Relações Exteriores o poder de decidir qual pessoa natural do Brasil poderia ter seu nome incluído em lista do Conselho de Segurança da ONU, sem prévia ordem judicial, destinada a indicar ativos passíveis de bloqueio por acusação de participação em atos de terrorismo ou seu financiamento.

Foto: Lula Marques/PT na Câmara

Leite

Em seu pronunciamento, Paulo Pimenta denunciou o caráter entreguista do governo Bolsonaro, comprovado na medida que favorece a importação de leite. “Quem poderia imaginar que este governo fosse prejudicar 1 milhão e 700 mil produtores de leite, que, na grande maioria, apoiaram este governo, para apoiar os produtores da Europa e da Nova Zelândia, numa atitude de lesa-pátria e entreguista?”, criticou o deputado.

Rogério Tomaz Jr. com Agência Câmara

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Bolsonaro quer esconder crueldade da reforma ao colocar dados da previdência em sigilo, denunciam parlamentares

Diversos integrantes da bancada do PT na Câmara criticaram duramente, neste domingo (21), …