Home Portal Notícias EUA quer pôr as mãos no petróleo da Venezuela, que detém 20% das reservas do óleo do mundo

EUA quer pôr as mãos no petróleo da Venezuela, que detém 20% das reservas do óleo do mundo

5 min read
0

Mais de 300 bilhões de barris de petróleo – estoque suficiente para suprir quase três décadas dos Estados Unidos — a apenas três ou quatro dias de viagem, em transporte marítimo, dos portos norte-americanos do Golfo do México.

É isso que está em jogo nos ataques contra o governo legitimamente eleito da Venezuela: o controle sobre as colossais jazidas de petróleo daquele país, “que representam 1/5 das reservas provadas de todo o planeta”, aponta o geólogo Guilherme Estrella, ex-diretor da Petrobras e o grande responsável pela descoberta do pré-sal brasileiro.

Estrella lembra que os Estados Unidos, como todas as nações industrializadas e hegemônicas, não produzem petróleo suficiente para manter seu padrão de desenvolvimento e o bem-estar de sua população.

 

Áreas de influência

Os EUA dependem de reservas de outros países para manter suas economias a pleno vapor e isso é determinante em sua política externa. Assegurar “áreas de influência” por todo o planeta — e ter os recursos naturais desses países à disposição — é estratégico para que os norte-americanos preservem seu padrão de vida e poderio.

Os EUA consomem 20 milhões de barris de petróleo por dia — 25% desse montante, ou cinco milhões de barris/dia, precisam ser importados.

O petróleo do Oriente Médio, onde os EUA já têm larga tradição de intervenções — com resultados sangrentos, como na Líbia, Síria e Iraque — leva de 35 a 45 dias para ser transportado, por mar, até os portos norte-americanos. A Venezuela, ao contrário, é “logo ali.

 

Segurança energética

“Embora se venha avançando muito no desenvolvimento de fontes alternativas de energia, o Século 21 ainda será um século movido a petróleo”, explica Guilherme Estrella

Apesar do largo desenvolvimento de fontes alternativas, os combustíveis fósseis ainda respondem por 70% da energia utilizada em todo o mundo — só o petróleo e o gás natural garantem 50% de todo o combustível usado no planeta. “Segurança energética é um componente essencial da soberania”, ressalta Estrella.

A ação coordenada contra o governo legitimamente eleito da Venezuela, portanto, não tem qualquer relação com a defesa da democracia. “O que existe é a combinação de interesses econômicos e geopolíticos”, aponta a presidenta nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PT).

Essa é a grande razão para que os Estados Unidos — secundados por governos de direita da América Latina — trabalhem abertamente pela deposição do presidente venezuelano Nicolás Maduro. “O alvo é o petróleo”, resume Gleisi.

Maduro foi eleito com expressivos 67% dos votos, concorrendo com três candidatos oposicionistas. Uma comissão externa independente acompanhou e atestou a lisura do pleito. “Não tenho dúvida de que os venezuelanos votam livremente”, concluiu o ex-presidente do governo da Espanha José Luiz Zapatero, que integrou essa comissão.

 

Por PT no Senado

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

PSB quer anular no STF decisões judiciais que mantém Lula preso

O Partido Socialista Brasileiro (PSB) protocolou junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), …