Home Portal Notícias Reforma da Previdência de Bolsonaro não prevê cobrança de sonegadores nem combate a fraudes

Reforma da Previdência de Bolsonaro não prevê cobrança de sonegadores nem combate a fraudes

9 min read
0

As propostas da equipe econômica do governo de extrema direita de Jair Bolsonaro (PSL-RJ) para a Reforma da Previdência ainda não são claras. A única coisa que já dá para perceber pelo que foi vazado para a imprensa é que todas prejudicam trabalhadores e trabalhadoras e beneficiam o grande capital.

Há estudos para aumentar a idade mínima de aposentadoria para homens e mulheres, implementar o perverso modelo chileno de capitalização da Previdência e diminuir os valores dos benefícios a aposentados e pensionistas, além de mudanças de regras para aposentadoria de servidores públicos e militares.

No entanto, nem o ministro da Economia, Paulo Guedes, nem os economistas neoliberais – que vêm apresentando suas propostas por meio da imprensa – estão levando em consideração o resultado da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Previdência que, em 2017, demonstrou que a Previdência é superavitária, e que é preciso ‘cobrar’ as dívidas dos maiores devedores do sistema, além de rever as desonerações e estancar a sangria feita por empresas que retêm as parcelas do INSS aos trabalhadores e não as repassam aos cofres públicos, entre outras fraudes.

O relatório da CPI, presidida pelo senador Paulo Paim (PT-RS), concluiu que em apenas quatro anos trabalhadores e trabalhadoras contribuíram com R$ 125 bilhões para a Previdência, mas esse montante descontado dos salários pelas empresas não foi repassado aos cofres públicos. O relatório apontou ainda que, além das fraudes, os devedores da Previdência acumulam um débito de R$ 450 bilhões.

O professor aposentado de economia na área de políticas públicas da Universidade Federal de Uberlândia (MG), Heládio José Campos Leme, concorda com o parecer final da CPI. Para ele, há um conluio entre os empresários, a grande mídia e o governo para passar para a opinião pública a ideia de que a reforma é necessária e a população é que deve pagar a conta.

“Eles trabalham com uma falsa visão e ocultam os números, não considerando o orçamento como um todo. O maior peso do déficit das contas do governo são as despesas financeiras do Estado que representam 50% dos gastos públicos. É a dívida pública que alimenta os rentistas. Essa dívida ninguém comenta, é como se fosse sagrada”, critica o professor.

A CPI também constatou que, nos últimos 20 anos, devido a desvios, sonegações e dívidas, deixaram de entrar nos cofres da Previdência mais de R$ 3 trilhões. Esse valor atualizado passaria dos R$ 6 trilhões.

Portanto, para equilibrar as contas da Previdência é necessário, não a reforma, e sim, uma melhor gestão e fiscalização, evitando, com isso, a sonegação, a corrupção e as desonerações e desvinculações da receita.

Valores sonegados – Segundo a técnica da subseção Dieese/CUT, Adriana Marcolino, os R$ 125 bilhões sonegados pelos empresários em quatro anos daria para pagar a 8,9 milhões de beneficiários da Previdência um salário mínimo durante um ano, incluindo o 13º salário.

Já os R$ 450 bilhões de débito das empresas devedoras do INSS poderiam pagar um salário mínimo a quase 34,7 milhões de pessoas – ou seja, pagaria por um ano todos os cerca de 22 milhões de aposentados e pensionistas que ganham um salário mínimo e ainda sobraria dinheiro.

Resistência – O combate à sonegação está na pauta da CUT e demais centrais sindicais que realizarão uma plenária nacional em defesa da aposentadoria e da Previdência no dia 20 de fevereiro, quando será deliberado um plano de lutas unitário.

Segundo o professor Heládio José Campos Leme, o processo mais lesivo para os cofres da Previdência foi a Reforma Trabalhista do ilegítimo Michel Temer (MDB-SP) que precarizou as relações de trabalho, aumentou a informalidade, impedindo os trabalhadores e trabalhadores de contribuírem com a Previdência.

“Eles aprovaram uma mudança trabalhista dramática e é claro que a arrecadação cai. É uma morte anunciada na medida em que diminui a fiscalização, os postos de trabalho, a contratação e, agora, com o fim do Ministério do Trabalho, o futuro é sombrio”, alerta o professor.

Para Heládio José Campos Leme, que também é cientista político, o modelo neoliberal da economia do atual governo quer que o Estado civilizado não seja provedor do cidadão. “O Estado é o responsável pelas crianças, pelos idosos, aposentados, as grávidas. A população não pode ficar sem assistência como querem esses neoliberais”.

Na avaliação do professor, há um conluio, quase uma orientação velada do empresariado para não pagar o que deve à Previdência. “Estão todos falando a mesma língua: as instituições financeiras, a mídia e os empresários esperando ver o que acontece”, diz Heládio.

O professor ainda faz um alerta: “O trabalhador tem de combater a Reforma da Previdência para ter um futuro”.

Do site da CUT

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Projeto susta ato do Executivo que reclassifica nível de toxicidade de agrotóxicos

O Projeto de Decreto Legislativo 616/19 pretende tornar sem efeito o ato do Ministério da …