Home Portal Notícias Política externa: “Estamos regredindo à condição de colônia”, afirma Igor Fuser

Política externa: “Estamos regredindo à condição de colônia”, afirma Igor Fuser

11 min read
1

O programa “No Jardim da Política” desta semana recebeu em estúdio o professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC (UFABC) e jornalista Igor Fuser. Ele falou sobre políticas internacionais do governo Bolsonaro e afirmou que o Brasil está vivendo o maior processo de desnacionalização da economia em toda história. “Estamos regredindo à condição de colônia. Estamos desistindo da industrialização, do desenvolvimento tecnológico e essa conta vai ser cobrada lá na frente”, alerta.

O programa “No Jardim da Política” entrevista semanalmente políticos, intelectuais e analistas sobre a conjuntura nacional e a cobertura da mídia. A atração está no ar todas as quintas-feiras, das 14h às 15h30, na Rádio Brasil de Fato (https://www.brasildefato.com.br/radioagencia).

Para Fuser, o principal traço da política “bolsonarista” é o alinhamento absoluto e incondicional aos EUA. O Brasil entra nesse novo governo em posição subalterna ao governo Trump de uma forma nunca vista antes, nem mesmo durante a Ditadura Militar. Fuser ainda cita o enfrentamento dos EUA com a China como uma questão central nessa política externa subalterna ao governo Trump. “A China é o principal parceiro comercial do Brasil e principal comprador das nossas commodities de exportação, como a soja e o ferro. Então qualquer limitação do comércio do Brasil com a China provocaria verdadeiro colapso em setores estratégicos da economia brasileira”, conclui.

As possíveis vendas de empresas estatais para o capital estrangeiro é outro ponto que Fuser destaca como perigoso para a economia e soberania do país. Ele denuncia o novo governo como “traidor da pátria e entreguista” e cita o pré-sal como um dos principais exemplos. Segundo ele, durante os governos de Lula e Dilma, o maior tesouro na indústria do petróleo mundial das últimas décadas foi explorado de acordo com uma política de desenvolvimento e investimento interno que foi abandonada no governo Temer. “Acabar com a Previdência para beneficiar bancos, a educação… privatizar universidades, para entregar esse mercado para o capital externo. Desmantelar o Sistema Único de Saúde (SUS), para aprofundar o setor da medicina privada mercantil que visa o lucro. Então é uma ofensiva em todas as frentes”.

No entanto, este retrocesso não vai na contramão dos processos mundiais, ao contrário. O jornalista comenta que é preciso entender que esse avanço da direita acontece em vários países e é um resultado do próprio fracasso do capitalismo em atender as demandas das massas. Para Fuser, “existe um descontentamento muito grande. O capitalismo gerou expectativas de melhoria de vida, principalmente pelo avanço tecnológico, mas isso não aconteceu, então as pessoas estão com muita raiva e politicamente essa raiva é canalizada para um lugar e a direita tem conseguido se aproveitar disso. Ela aponta inimigos. É o imigrante na Europa, a esquerda na América Latina, o fundamentalismo religioso em outros países.”

O avanço de governos progressistas nas últimas décadas na América Latina, Caribe e no Brasil, como os governos do PT, foi responsável por grandes avanços nos campos sociais, mas também favoreceu um contra-ataque dessas forças opositoras. Neste sentido, Fuser ressalta a importância da resistência de países como Cuba e atualmente a Venezuela, que passa por uma grande crise política e econômica. Ele ainda critica a cobertura da mídia tradicional, que não mostra o contexto de boicote internacional e sabotagem pelo qual nosso vizinho passa. Aproveitando o gancho da posse de Nicolás Maduro na Venezuela, que acontece nesta quinta-feira (10), o jornalista rebate críticas sobre a legitimidade das eleições venezuelanas.

“Na Venezuela, trata-se de um governo legítimo, Maduro foi eleito em eleições competitivas. Falam-se em fraude, mas que fraude? Que denúncia foi essa? Ele é mais legítimo que o Bolsonaro, que só foi eleito porque inviabilizaram a candidatura do Lula. Assim como a disseminação massiva de notícias falsas é outra sombra que enfraquece a legitimidade do governo brasileiro. Agora, para a mídia brasileira o que não é legítimo é o da Venezuela, onde não aconteceram essas coisas”, reforça.

O professor explica que a situação da Venezuela é parecida com a de Cuba no início da Revolução. O país atualmente tem sofrido sanções de outros países, que são as principais responsáveis pela crise de abastecimento de itens básicos que assola o país. Para Fuser, “Maduro foi na contramão das normas injustas do cenário internacional, então enquanto no mundo inteiro estão se eliminando direitos trabalhistas e proteção social, na Venezuela isso aumentou”.

Ele ainda explica que a aproximação da Venezuela com China e Rússia deve ser vista com naturalidade perante o contexto de invasão iminente que o país sofre. Os EUA já deram inúmeros indícios e declarações de uma invasão ao território venezuelano. Fuser relembrou que “a História mostra que quando os EUA ameaçam, a chance de concretização é grande”. “O governo da Venezuela está tentando de todas as forças resistir a essa pressão de fora e nisso eles não são bobos, vão buscar aliados no cenário internacional”, pondera.

A entrevista chega ao final com uma importante autocrítica e um apelo para que os novos rumos políticos sejam enfrentados com uma maior integração. “Temos que aprender com as derrotas. Nós que somos de esquerda precisamos aprender a sair da nossa bolha e conversar com as pessoas, voltar ao trabalho de base, ao diálogo e à comunicação. Essa vitória da direita não aconteceu porque de repente todo mundo virou fascista. Mas por falta de diálogo muitos acabaram sendo arrastados e enganados, essas pessoas têm que ser esclarecidas”, encerra Fuser.

Brasil de Fato

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Trincheira de resistência dos movimentos sociais, Comissão de Direitos Humanos da Câmara completa 25 anos em 2020

Para celebrar os 25 anos de criação da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, a Câmara d…