Home Portal Notícias Samuel Pinheiro Guimarães: “É inédito para o Brasil basear sua política externa em conceitos religiosos”

Samuel Pinheiro Guimarães: “É inédito para o Brasil basear sua política externa em conceitos religiosos”

4 min read
0

Em entrevista ao programa GPS Internacional, do portal Sputnik News e da rádio M24, de Montevidéu, nesta sexta-feira (11), o embaixador Samuel Pinheiro Guimarães criticou a orientação da política externa do governo Bolsonaro. Guimarães, que foi secretário-executivo do Itamaraty durante o governo Lula, se mostrou preocupado com a influência religiosa sobre a condução do ministério das Relações Exteriores do Brasil.

“Houve uma mudança importante durante o governo de Michel Temer, mas agora estamos diante de novos conceitos como ‘globalismo’, que é algo que ninguém definiu bem. Parece ser uma conspiração envolvendo George Soros e ONGs e parte de um esquema global de imposição”, disse o diplomata.

“O que se pretende com isso não é muito claro. Toda política de acordos bilaterais e a recusa do multilateralismo mostram que as iniciativas da política externa brasileira estão muito próximas, senão iguais às iniciativas da política externa norte-americana”, observou Guimarães, que também abordou a proposta de mudança da embaixada do Brasil em Israel.

“Esta questão de [transferência da embaixada em Israel para] Jerusalém é muito interessante porque eles acreditam que seria um passo para o ‘juízo final’. Há declarações no Brasil dos líderes de que isso é muito importante porque seria um passo em direção a batalha final entre o bem e o mal, o Armagedom. São novos conceitos”, advertiu o embaixador, mencionando o episódio da Bíblia, no livro Apocalipse, que fala em uma batalha decisiva dos exércitos de Deus contra os exércitos do “mal”.

Pinheiro Guimarães também foi irônico ao se referir à fonte de inspiração de Bolsonaro e seus comandados. “Temos que ler Olavo de Carvalho, ideólogo de Bolsonaro, de sua família, do ministro das Relações Exteriores e da Educação. É uma iniciativa inédita na história do Brasil e do mundo, basear a política externa em conceitos religiosos. Israel e Irã baseiam sua política externa em conceitos religiosos “, ilustrou.

Mercosul

Na opinião do embaixador, é “muito difícil” o Brasil deixar o Mercosul porque “uma das características da situação que há no Brasil é a ignorância, que não é sinônimo de estupidez, mas sim não conhecer os problemas. Quando se diz que o Mercosul prejudica o Brasil não sabem que a maior parte das exportações brasileiras vai para o Mercosul, especificamente para a Argentina, com qual há um acordo das grandes companhias produtoras de automóveis”, argumentou Guimarães.

Sputniknews

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Trincheira de resistência dos movimentos sociais, Comissão de Direitos Humanos da Câmara completa 25 anos em 2020

Para celebrar os 25 anos de criação da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, a Câmara d…