Home Portal Notícias Petistas criticam decisão do governo Bolsonaro de deixar pacto de migração da ONU

Petistas criticam decisão do governo Bolsonaro de deixar pacto de migração da ONU

9 min read
0

Em mais um gesto de intolerância e retrocesso, o governo Bolsonaro enviou comunicado a representações brasileiras no exterior informando que o Brasil se “dissociará” do Pacto Global para a Migração da ONU, ao qual o País havia aderido no último mês de mandato do ex-presidente Michel Temer. O comunicado diplomático é assinado pelo chanceler Ernesto Araújo, que afirma ainda que o novo governo não pretende “participar de qualquer atividade relacionada ao pacto ou à sua implantação”.

A decisão foi duramente criticada por parlamentares da Bancada do PT, que usaram as suas redes sociais para repudiar a saída do Brasil do pacto para a migração. A deputada Maria do Rosario (PT-RS) afirmou que sair do pacto “é desumano” com quem busca lugar para si e filhos, coloca migrantes brasileiros em condição precária no exterior e desrespeita famílias de imigrantes que vieram para o Brasil. “Nem o direito humanitário, nem a Constituição Federal existem mais para o governo brasileiro”, lamentou em sua conta no Twitter.

Maria do Rosário escreveu também que o novo governo retira o Brasil do pacto de migração ao mesmo tempo que nos EUA, Trump gera crise com Congresso para construir um muro contra migrantes. “Mesma lógica anti-humanitária nos dois países. Não se trata sequer de uma relação diplomática Brasil – EUA, o governo brasileiro serve ao Sr. Trump”, criticou.

Para o deputado Carlos Zarattini (PT-SP) a decisão é absurda e vai contra toda a tradição e história do nosso País. “E até contra a nova Lei de Imigração que aprovamos há pouco mais de um ano”, lembrou.

A deputada Erika Kokay (PT-DF), também no Twitter, disse que a saída do Brasil do pacto pode estimular a xenofobia. “O desgoverno já havia dado de ombros para as questões sobre aquecimento global. Está se metendo nos problemas dos países do oriente médio. São apenas dia 9 de governo pessoal”, ironizou. E o deputado Marco Maia (PT-RS) reforçou que a decisão é um “gesto simbólico de intolerância e retrocesso”.

O deputado Zeca Dirceu (PT-PR) lamentou a saída do pacto para a migração. Ele destacou que o acordo começou a ser discutido em 2017, estabelecendo diretrizes para o acolhimento de imigrantes. Pelo pacto, países signatários se comprometem a dar uma resposta coordenada aos fluxos migratórios, a colaborar para que a garantia de direitos humanos não seja atrelada nacionalidades, e a adotar restrições à imigração somente como último recurso.

O Pacto – O Pacto Global para uma Migração Segura, Ordenada e Regular foi assinado por mais de dois terços dos países de todo o mundo e serve apenas como referência para o ordenamento dos fluxos migratórios, sem ferir a soberania nacional.

Em 10 de dezembro de 2018, 164 países aderiram ao acordo. Nove dias depois, a Assembleia Geral da ONU se posicionaria favoravelmente aos termos do Pacto por maioria: 152 foram favoráveis ao endosso da instância, 24 não se posicionaram, 12 se abstiveram e 5 foram contrários – Estados Unidos, Hungria, Israel, República Tcheca e Polônia -, todos países governador por conservadores.

Já empossado, Bolsonaro prometeu ao secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que a saída brasileira se efetivará. O enfraquecimento simbólico do Pacto interessa ao governo republicano de Donald Trump, que tem como uma das propostas a construção de um muro na fronteira com o México.

Soberania Nacional – O novo governo brasileiro argumenta que o Pacto violaria a soberania nacional. O secretário-geral da ONU, António Guterres, rebateu o argumento, utilizado por diversos países contrários ao Pacto, afirmando que o documento não permite que as Nações Unidas imponham políticas ou sanções aos países signatários.

Catia Kim, advogada e integrante do Projeto Migrantes Egressas do Instituto Terra, Trabalho e Cidadania (ITTC), explicou ao site Brasil de Fato pontos polêmicos em relação ao Pacto. O primeiro deles é que, formalmente, o documento não tem status de tratado internacional, portanto, não gera obrigações para o país no direito internacional e tampouco integra o ordenamento jurídico nacional.

“O pacto é uma carta de princípios, não tem um caráter vinculativo, como outros tipos de documentos, como tratado internacional. Ele não cria novos direitos, isso é muito importante destacar”, diz.

O objetivo do documento, segundo ela, é o de estabelecer “diretrizes e objetivos para políticas públicas locais para concretizar tratados que já existem”, tendo dois grandes eixos: o compartilhamento de informações e dados entre os países – incluindo para casos de tráfico de pessoas – e o aproveitamento do potencial social e econômico da migração para o desenvolvimento.

Como não há obrigações formais, também não há sanções. Entretanto, Kim alerta que a saída brasileira pode gerar “desconforto diplomático” e reações no campo da política internacional que podem afetar os interesses brasileiros nas relações exteriores.

PT na Câmara, com site Brasil de Fato

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Milicianos e família Bolsonaro

O Brasil e o mundo agora sabem que os policiais/milicianos suspeitos de planejar e executa…