Home Portal Notícias Petistas atacam ação de Bolsonaro que retira população LGBT da Política de Direitos Humanos no País

Petistas atacam ação de Bolsonaro que retira população LGBT da Política de Direitos Humanos no País

6 min read
0

A deputada Maria do Rosário (PT-RS) e o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) criticaram pelas redes sociais, nesta quarta-feira (2), a medida adotada pelo presidente Jair Bolsonaro de retirar da política de Direitos Humanos a ser implementada pelo novo governo toda e qualquer ação destinada a garantir os direitos da população LGBT no País. Com a publicação da medida provisória (MP 870), que reestrutura a administração do novo governo, na prática Bolsonaro impede que a pauta de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais seja tratada pelo Ministério da Família, Cidadania e dos Direitos Humanos, comandado pela pastora evangélica Damares Alves.

“A decisão do governo Bolsonaro de excluir a população LGBT do Ministério da Família, Cidadania e dos Direitos Humanos já indica que o governo brasileiro condenará essa população à invisibilidade e a deixará de fora das políticas públicas. O que é, sem dúvidas um grande retrocesso”, criticou Maria do Rosário.

A parlamentar lembrou que na contramão do governo Bolsonaro, foi durante o governo petista do presidente Lula que foi criada a coordenação geral de promoção dos direitos LGBT. De acordo com a parlamentar, essa foi uma das demandas atendidas pelo governo definidas na 1ª Conferência Nacional LGBT de 2008. “A conquista histórica do movimento social serviu de referência para estados e municípios criarem suas coordenações estaduais e municipais na área”, explicou a petista.

Secadi – Além deste retrocesso, existem rumores de que a população LGBT deve sofrer em breve novos ataques em direitos já conquistados. Segundo informação do jornalista Paulo Saldaña, da Folha de S. Paulo, o governo vai extinguir a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi) do Ministério da Educação, que trata de temas relacionados aos direitos humanos, diversidade e relações étnico-raciais.

Ainda de acordo com a matéria, será criada uma nova secretaria só para alfabetização, que ficará a cargo do proprietário de uma pequena escola de Londrina indicado pelo escritor Olavo de Carvalho. Segundo a reportagem da Folha de S. Paulo, a atual Secadi será desmontada e em seu lugar surgirá a Secretaria de Alfabetização.

Pelo Twitter, o deputado Paulo Teixeira prometeu que vai debater junto a Bancada do PT na Câmara a contestação no Supremo Tribunal Federal da medida que acaba com Secadi. “Vou debater junto ao PT a proposição de uma medida no STF arguindo a inconstitucionalidade da MP pelo tratamento discriminatório em relação à população LGBT”, afirmou.

Novo secretário – A nova pasta será comanda pelo mestre em educação, Carlos Francisco de Paula Nadalim, que tem como única experiência profissional na área a atuação na escola de sua família chamada Mundo do Balão Mágico, localizada na cidade de Londrina. No censo escolar de 2017, a unidade contava com 12 funcionários, 47 alunos na pré-escola e 94 estudantes do 1º ao 5º ano.

A matéria da Folha afirma ainda que o educador paranaense é conhecido por vídeos na internet em que faz comentários religiosos, critica o educador Paulo Freire, defende a educação domiciliar e divulga um método supostamente inovador de alfabetização que ele desenvolveu para sua escola.

Também se manifestaram pelas redes sociais contra a extinção da Secadi o líder da Bancada do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS); além dos deputados Nilto Tatto (SP), Helder Salomão (ES), Reginaldo Lopes (MG) e Erika Kokay (DF).  

 

Héber Carvalho

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas criticam retirada de recursos do Fundeb para financiar novo programa social de Bolsonaro

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara criticaram, nesta segunda-feira (28), a proposta …