Home Portal Notícias, Notas e Boletins Português Notas Nota do PT: Manobra contra Funai ameaça comunidades indígenas e quilombolas

Nota do PT: Manobra contra Funai ameaça comunidades indígenas e quilombolas

8 min read
0

Em nota divulgada na tarde desta quarta-feira (2), as bancadas do Partido dos Trabalhadores no Senado e na Câmara Federal se opõe veementemente a ação do governo Bolsonaro em retirar as atribuições de demarcação das terras indígenas da Funai. “Trata-se de evidente manobra administrativa, que tem por objetivo enfraquecer os direitos indígenas e de quilombolas e, dessa forma, permitir que seus territórios, sejam disponibilizados à exploração predatória do agrobusiness e de grandes mineradoras nacionais e estrangeiras”, diz o texto.

 

Leia a íntegra da nota:

 

 

Nota do Partido dos Trabalhadores

 

O Partido dos Trabalhadores e suas bancadas no Senado e na Câmara vêm a público denunciar, de forma veemente, a decisão do governo Bolsonaro de transferir a função da demarcação das terras indígenas e de quilombolas para o Ministério da Agricultura.

Trata-se de evidente manobra administrativa, que tem por objetivo enfraquecer os direitos indígenas e de quilombolas e, dessa forma, permitir que seus territórios, inclusive os que estão no sensível bioma da Amazônia, sejam disponibilizados à exploração predatória do agrobusiness e de grandes mineradoras nacionais e estrangeiras.

Tal manobra, concebida exclusivamente para atender interesses econômicos imediatos dos grandes grupos que apoiaram a candidatura Bolsonaro, fere a Constituição Federal e instrumentos internacionais de defesa dos direitos indígenas já ratificados pelo Brasil.

Observamos, a esse respeito, que o artigo 231 da CF reconhece como direito originário dos povos indígenas a ocupação permanente das terras por eles tradicionalmente ocupadas. Ainda segundo a Constituição, tal direito é imprescritível, tornando nulos quaisquer atos que tenham por objeto a ocupação, o domínio e a posse dessas terras ou a exploração das riquezas naturais do solo, dos rios e dos lagos nelas existentes.

Salientamos, ademais, que a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre Povos Indígenas e Tribais, adotada em Genebra, em 27 de junho de 1989,  promulgada pelo DECRETO Nº 5.051, DE 19 DE ABRIL DE 2004, determina, em seu Artigo 6º, 1, a), que o Estado brasileiro se obriga a “consultar os povos interessados, mediante procedimentos apropriados e, particularmente, através de suas instituições representativas, cada vez que sejam previstas medidas legislativas ou administrativas suscetíveis de afetá-los diretamente”.

Ora, é evidente que a manobra que transfere a competência da demarcação das terras indígenas para as mãos de ruralistas foi feita sem a consulta prévia aos povos indígenas. Portanto, trata-se de decisão que contraria frontalmente o disposto na Convenção 169 da OIT.

Além disso, o Artigo 8 da DECLARAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE OS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS, adotada em 13 de setembro de 2007, estipula que “os povos e as pessoas indígenas têm o direito a não sofrer da assimilação forçosa ou a destruição de sua cultura” e que “os Estados estabelecerão mecanismos efetivos para a prevenção e o ressarcimento todo o ato que tenha por objeto ou consequência alienar-lhes suas terras ou recursos”.

Por isso mesmo, o último Relatório do Conselho de Direitos Humanos da ONU sobre os direitos dos povos indígenas no Brasil, elaborado em 2016, destacava o fortalecimento da Funai como uma das medidas que o Brasil tinha de adotar para fazer prevalecer tais direitos. Por óbvio, a manobra do governo Bolsonaro contraria tal recomendação da ONU.

Considere-se, adicionalmente, que os grandes grupos econômicos que estão por trás dessa medida destrutiva de direitos também estão empenhados na contenção da reforma agrária, que beneficia milhares de pequenos agricultores brasileiros.

O PT e suas bancadas na Câmara e no Senado advertem à opinião pública nacional e mundial que, caso prevaleça a manobra ilegal do governo Bolsonaro contra os índios e os quilombolas Brasil, seus territórios serão abertos às atividades predatórias e, com toda certeza, não haverá mais demarcações de outras terras ocupadas por povos indígenas e quilombolas brasileiros, o que acarretará progressiva extinção das culturas tradicionais desses povos e dano ambiental severo e irreversível, em especial no bioma amazônico.

O PT e suas bancadas na Câmara e no Senado lutarão com denodo e firmeza contra tal medida absurda e tomarão todas as iniciativas cabíveis para revertê-la.

Por último, conclamamos os povos indígenas, as comunidades quilombolas e todas as instituições dedicadas à proteção de seus direitos e do meio ambiente a se unirem a nós nesta luta imprescindível.

 

Gleisi Hoffmann, Presidenta do Partido dos Trabalhadores (PT)

Lindbergh Farias, Líder do PT no Senado Federal

Paulo Pimenta, Líder do PT na Câmara dos Deputados

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Boletim 325 – Comitê Popular em Defesa de Lula e da Democracia

Boletim 325 – Comitê Popular em Defesa de Lula e da Democracia Direto de Curitiba – 10/1/2…