Home Portal Notícias Manchetes Pimenta: “Com Queiroz e Bolsonaro, Lava Jato vai mudar o nome para Passa Pano”

Pimenta: “Com Queiroz e Bolsonaro, Lava Jato vai mudar o nome para Passa Pano”

4 min read
0

O líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS), criticou nesta sexta-feira (28) a subserviência do Ministério Público diante do laranja da família Bolsonaro, o motorista Fabrício Queiroz. Mesmo após faltar a dois depoimentos, ele é tratado pelos procuradores com um nível de compreensão e servilismo que destoa completamente da animosidade, desrespeito e perseguição dispensados aos investigados da Lava Jato. “A Lava Jato diante do Queiroz e do clã Bolsonaro vai mudar de nome e passará a se chamar Passa Pano”, disse Pimenta.

Nesta quinta-feira (27), o Ministério Público “engoliu” oficialmente o argumento da defesa de Queiroz, segundo a qual o investigado seria portador de enfermidade grave e só poderia prestar depoimento após uma cirurgia. O que a defesa e os procuradores – que parecem trabalhar em parceria – não explicaram é por que Queiroz tem condições de dar uma entrevista ao SBT, mas não tem condições de prestar depoimento.

“É no mínimo ridícula a posição do Ministério Público sobre esse assunto do Queiroz, o laranja da família metralha. O Ministério Público deu uma declaração, que é uma espécie de declaração do advogado de defesa: que o Queiroz está doente e que, portanto, é necessário que se aguarde ele fazer uma cirurgia para prestar depoimento”, protestou Paulo Pimenta, em vídeo divulgados nas redes sociais.

O líder petista insistiu na pergunta que continua sem resposta: “Se ele pôde dar uma entrevista ao SBT, porque não pode dar um depoimento ao Ministério Público? Se ele tem condições de falar com a imprensa, tem todas as condições de prestar um depoimento antes da cirurgia. É ridículo, isso é jogo de cena, é inaceitável a covardia do Ministério Público no caso do Queiroz”.

Fabrício Queiroz – amigo próximo da família Bolsonaro e ex-assessor de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro – foi flagrado pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) em transações bancárias que somam R$ 1,28 milhão. Os valores são incompatíveis com sua renda. Depois de semanas em silêncio, ele argumentou em entrevista que os valores se devem a sua atividade informal como vendedor de veículos.

PT na Câmara

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas defendem taxação dos mais ricos para evitar injustiças contra os mais pobres na Reforma da Previdência

No segundo dia de debates do parecer final da Comissão Especial da Reforma da Previdência …