Home Portal Notícias Manchetes Meio ambiente: Brasil passa vergonha durante a COP 24, relatam petistas

Meio ambiente: Brasil passa vergonha durante a COP 24, relatam petistas

6 min read
0

Os deputados Nilto Tatto (PT-SP) e Leonardo Monteiro (PT-MG) afirmaram nesta terça-feira (18) que o Brasil “passou vergonha” na Conferência do Clima das Nações Unidas (COP 24), realizada na Polônia entre os dias 3 e 14 de dezembro. Segundo eles, a desistência brasileira em sediar a próxima Conferência (COP 25) – por pressão do futuro presidente Jair Bolsonaro – causou desconforto entre os participantes do evento. Os dois parlamentares, integrantes da Comissão de Meio Ambiente da Câmara e da Comissão Mista de Mudanças Climáticas do Congresso Nacional, respectivamente, participaram da COP 24 representando a Câmara dos Deputados.

“Ficou ruim para o Brasil desistir de sediar a próxima COP (25) – marcada para novembro de 2019 no Brasil – depois de tudo acordado. Não pegou bem, principalmente porque nosso País assinou o Acordo de Paris se comprometendo a reduzir a emissão de gases causadores do efeito estufa, causado pelo desmatamento, geração de energia ou outras atividades. Infelizmente, em razão dessa desistência e diante da postura do próximo governo em relação à questão ambiental, estamos sendo olhados com desconfiança pelo restante do mundo”, declarou.

Além do prejuízo, a reputação vanguardista na redução da emissão de gases poluentes, conquistada desde a realização da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (Eco-92) – no Rio de Janeiro – Leonardo Monteiro também apontou outros prejuízos que o País terá ao não sediar a próxima Conferência do Clima.

“Tivemos a presença de delegações de 186 países na Polônia, quase o mundo todo representado, e ficou demonstrado que a conferência é importante não apenas do ponto de vista do debate sobre assuntos do clima, mas também do ponto de vista econômico, por conta do turismo”, destacou o petista.

Segundo estimativas, ao deixar de sediar a COP 25, o Brasil abre mão de receber um público estimado em 30 mil pessoas, entre esses chefes de Estado, diplomatas, cientistas e empresários que participam do evento de olho em negócios ligados à agenda do desenvolvimento sustentável. Com a desistência do Brasil, o Chile será o país-sede da COP 25.

O governo brasileiro justificou a desistência por “restrições fiscais e orçamentárias”. Pelo Twitter, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, disse que sua administração abriu mão de sediar “a Conferência Climática Mundial da ONU pois custaria mais de R$ 500 milhões ao Brasil”.

COP 24– Além de a decepção com os novos rumos do Brasil relacionados à agenda ambiental, Tatto disse ainda que a resolução final da COP 24 decepcionou. “A expectativa geral era de que a COP 24 estabelecesse regras mais incisivas para o cumprimento das metas de redução da emissão de gases. Porém, a resolução final ficou muito solta. Não há ações de cobrança [de metas] sobre o que cada um dos países terá que fazer para cumprir o que foi definido no Acordo de Paris”, lamentou o parlamentar.

O Acordo de Paris (2015) é um tratado no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (UNFCCC – sigla em inglês), que rege medidas de redução de emissão dióxido de carbono a partir de 2020.

 

Héber Carvalho

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas afirmam que governo Bolsonaro tem grande responsabilidade em queda recorde do PIB em 2020

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara afirmaram nesta quarta-feira (3) que a política e…