Home Portal Notícias Manchetes Vergonha internacional: filho de Bolsonaro foi ao Chile elogiar Pinochet, coisa que nem os saudosos da ditadura fazem

Vergonha internacional: filho de Bolsonaro foi ao Chile elogiar Pinochet, coisa que nem os saudosos da ditadura fazem

7 min read
0

Sem ter qualquer explicação para apresentar à sociedade e à mídia brasileira sobre o escândalo envolvendo funcionários do gabinete do irmão e do pai, Eduardo Bolsonaro foi ao Chile para fazer o que nem os próprios chilenos têm coragem de fazer publicamente: elogiar o ditador Augusto Pinochet, condenado por crimes contra a humanidade e por atos de corrupção que causaram, inclusive, a prisão da sua viúva e dos cinco filhos do casal, em 2007.

O filho do presidente eleito – que não soube explicar o que está por trás do esquema de Fabrício Queiroz, ex-funcionário do irmão, o deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro – visitou a capital chilena na semana passada para se encontrar com expoentes da extrema-direita e saudosistas de Pinochet.

O líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (PT-RS), criticou a apologia ao genocida chileno feita pelo parlamentar brasileiro. “Isso é uma vergonha para o Brasil perante o mundo democrático. Nem no Chile as pessoas têm coragem de defender publicamente o Pinochet. Mesmo os saudosistas da ditadura têm o mínimo de bom senso e por isso têm vergonha de elogiar um genocida, mas parece que isso não é problema para a turma do Queiroz. Aliás, será que o Queiroz não está por lá também, já que ninguém o encontra aqui no Brasil?”, indagou Pimenta.

Foto: Jaime Espinosa (2009)

Economia – Eduardo Bolsonaro também elogiou, em sua visita, a economia do Chile e o sistema de previdência do país. Segundo ele, em entrevista ao jornal La Tercera, o Chile hoje vê “os frutos de sua reforma nas aposentadorias, na economia” e que isso tem “muito a ver com o que aconteceu nos anos 80”. O deputado do PSL diz que “agora também temos o nosso Chicago Boy, que é Paulo Guedes”, e que, trinta anos depois, o Brasil “vai tentar fazer o que o Chile fez nos 80”. Embora tenha dado tais declarações, na mesma entrevista Eduardo Bolsonaro esclareceu que não tem “profundo conhecimento da situação do Chile”.

Para o deputado Enio Verri (PT-PR), o desconhecimento da história chilena, inclusive na área econômica, levou Eduardo Bolsonaro a cometer graves equívocos. “O Chile é um dos países com uma das mais altas taxas de suicídio entre idosos no mundo e isso é resultado direto do sistema de previdência criado por Pinochet, que hoje faz com a média das aposentadorias seja equivalente a 694 reais. É por isso que nem o atual presidente Sebastián Piñera defende esse modelo, que está prestes a ser reformado”, explica Verri, que é professor licenciado de Economia da Universidade Estadual de Maringá (UEM).

“Na economia, a mentira é ainda maior. O crescimento médio do PIB chileno nos 17 anos da ditadura Pinochet foi de 1,6%, enquanto nos 17 anos após o fim do governo militar a média de crescimento foi de 4,36%. Esses são dados públicos. Portanto não faz nenhum sentido fazer elogio à política econômica de Pinochet, já que foi no período democrático que ocorreu um crescimento sólido e sustentável”, argumenta o parlamentar paranaense.

De acordo com o senador Alejandro Navarro, do partido País Progressista, Eduardo foi ao Chile para “dar curso de fake news”. Navarro é autor de um projeto de lei que pune com prisão e perda de mandato os políticos que difundirem mentiras nas campanhas eleitorais. A proposta já é conhecida no país como “Lei Bolsonaro”.

No Twitter, Pimenta reforçou a crítica de Navarro e relacionou a agenda internacional de Eduardo Bolsonaro ao esquema fraudulento que permitiu a vitória de seu pai na eleição presidencial. “O clã em silêncio fúnebre sobre o motorista sumido. Mas um dos filhos foi ao Chile dar curso de fake news – ou seja, ensinar como fraudaram a eleição com esquema de caixa 2 e conexões internacionais”, escreveu o líder petista.

Rogério Tomaz Jr.

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Mujica critica “prisão injusta” de Lula em ato de campanha no Uruguai

Neste sábado (19), no último ato do seu partido na campanha para as eleições do Uruguai, o…