Home Portal Notícias Parlamento brasileiro precisa dar um basta à sua “vocação suicida”, diz Damous

Parlamento brasileiro precisa dar um basta à sua “vocação suicida”, diz Damous

6 min read
0

O deputado Wadih Damous (PT-RJ) cobrou nesta terça-feira (11) que a Câmara dos Deputados restabeleça a vigência do texto constitucional, sobretudo do capítulo que trata dos direitos e garantias fundamentais. Segundo alertou Damous, o Parlamento brasileiro precisa dar um basta à sua “vocação ao suicídio”, já que se acostumou a aprovar matérias legislativas “que acabam vitimando a Constituição, a lei e os próprios parlamentares”. Como exemplo, citou a Lei da Ficha Limpa.

“Ela é um exemplo da troca do princípio da soberania popular pela soberania da toga. Hoje quem decide quem vai ser candidato ou quem não vai ser candidato é o juiz, é o Ministério Público. Chegou a hora de o Parlamento pôr um freio ao populismo penal-midiático, de conter os abusos do sistema de justiça. Para isso, temos que funcionar como Poder Legislativo que somos. Temos que honrar as prerrogativas que a Constituição da República nos atribui”, cobrou Damous.

Para ele, o momento é de ter coragem e de agir contra ao que é majoritário e hegemônico, mas, ao mesmo tempo, é calcado num pensamento de “maiorias ocasionais e fascistizadas”. Como um roteiro a ser seguido pelo Parlamento para barrar essa onda fascista, Damous apontou alguns caminhos. “Temos que aprovar a Lei de Abuso de Autoridade, sem a titularidade exclusiva do Ministério Público de poder ajuizar ação penal”, apontou.

Também defendeu que o plenário da Câmara aprove o projeto de lei que criminaliza a violação de prerrogativas da advocacia, já que, segundo o petista, nunca o direito de defesa foi tão desrespeitado como é hoje no Brasil. Além disso, argumentou ser necessário desenhar limitações à Lei das Delações Premiadas, fazendo referência a vários arbítrios cometidos por quem deveria cumprir a lei, mas decide extrapolar direitos e garantias para fazer valer um regramento próprio.

“Estamos na época do populismo penal-midiático, que destroça o ordenamento jurídico. Estamos na época da figura do ‘delito modelo’. O ‘delito modelo’, na época da ditadura, era a chamada prática da subversão, era chamada a prática do terrorismo. Hoje, o delito modelo é a corrupção. Acusa-se sem provas alguém da prática de corrupção. Essa pessoa, imediatamente a partir da delação, tem decretada a sua prisão preventiva, mofa na cadeia e depois diz aquilo que o procurador ou o policial querem ouvir”, detalhou.

Damous alertou também para a possiblidade de os operadores dessa onda de arbítrios exorbitarem ainda mais em suas ações. “Daqui a pouco, o que vai acontecer aqui é que juízes de primeiro grau vão decretar prisão preventiva de deputados e senadores. Isso não está longe de acontecer. Temos que regulamentar, por exemplo, essa figura da prisão preventiva. A prisão preventiva, depois da Lei das Organizações Criminosas, tornou-se algo banalizado. Hoje, primeiro se condena, depois se abre o processo”, criticou.

O parlamentar mostrou que o Brasil está atualmente na contramão do caminho percorrido pelas nações civilizadas, onde a sentença absolutória ou condenatória é resultado daquilo que é apurado nos autos do processo, com observância do devido processo legal. “Hoje, isso não acontece. Hoje, prende-se, condena-se e depois se abre e se tramita o processo. Isso se chama fascismo. Isso se chama direito penal do inimigo”, detalhou.

 

PT na Câmara

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Projeto susta ato do Executivo que reclassifica nível de toxicidade de agrotóxicos

O Projeto de Decreto Legislativo 616/19 pretende tornar sem efeito o ato do Ministério da …