Home Portal Notícias Artigos “Enganam-se aqueles que pensam que podem extinguir a esquerda”, afirma Paulo Pimenta em artigo

“Enganam-se aqueles que pensam que podem extinguir a esquerda”, afirma Paulo Pimenta em artigo

8 min read
0

Em artigo, o líder da Bancada do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), destaca os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, comemorados no dia 10 de dezembro. O parlamentar lembra que uma onda ultraconservadora ronda a humanidade, baseada em mentiras e perseguições a lideranças progressistas e aos movimentos sociais. No Brasil, a Rede Globo capitaneou a força-tarefa para prender Lula e tentar extinguir o PT. O líder conclama: “No Brasil, em particular, devemos intensificar a mobilização e o grito pela libertação de Lula. E temos a obrigação, ademais, de reforçar a resistência e a luta nas ruas e em todos os espaços de comunicação digitais”. Pimenta alerta que por mais que tentem banir a esquerda do cenário político, jamais conseguirão, pois “a história e a luta não começaram em 2002 e muito menos acabaram em 2018. Vamos demonstrar isso a cada dia e a cada ciclo histórico!”.

Leia a íntegra do artigo:

Direitos Humanos: mais fundamentais do que nunca!

Desde a proclamação da Declaração Universal dos Direitos Humanos, em 10 de dezembro de 1948, nunca os valores e princípios que estão contidos neste documento foram tão relevantes para a humanidade quanto nesta primeira quadra do século XXI.

O Brasil e vários países do mundo, especialmente na América Latina, têm sido alvo de uma onda política ultraconservadora. O modus operandi básico dessa onda é baseado em dois eixos. Por um lado, a disseminação em escala industrial de mentiras contra a esquerda. De outro, agentes públicos são usados para perseguir judicialmente líderes progressistas e movimentos sociais. A consequência desse método é a contaminação da esfera pública de debates com ódio, intolerância e toda sorte de preconceitos.

A constituição desse ambiente “tóxico” para os ideais humanistas, agravado pela crise econômica global, tem permitido diversas vitórias eleitorais de projetos de extrema-direita que foram erigidos praticamente da noite para o dia e de cima para baixo, conduzidos por figuras populistas alinhadas a setores profundamente reacionários.

No Brasil, este cenário emergiu graças à contribuição decisiva da força-tarefa da Operação Lava Jato e da grande mídia, sobretudo dos veículos das organizações Globo. O Partido dos Trabalhadores foi apontado, ao longo de anos e de maneira sistemática e cotidiana, como o maior inimigo da nação e o grande responsável por todos os problemas e tragédias que aconteciam no País.

A tentativa de excluir o ex-presidente Lula da vida política foi a consequência lógica e desde o início era também o grande objetivo do golpe orquestrado por Eduardo Cunha, Michel Temer, o PSDB e os demais partidos que promoveram o impeachment sem crime de responsabilidade da presidenta Dilma Rousseff.

Em todo esse período de ascensão dos setores ultraconservadores, o ataque aos direitos humanos, tanto nos seus fundamentos teóricos quanto nas lutas da sociedade organizada, foi uma diretriz ideológica permanente que serviu para aumentar a carga de ódio e intolerância de parte da população.

A saída para superarmos esse momento adverso é reafirmar ainda mais a validade e a importância dos direitos humanos, dos direitos sociais consagrados na Constituição Federal, dos direitos trabalhistas e de todos os valores que permitiram o desenvolvimento sócio-econômico-cultural da humanidade nos últimos dois séculos e meio, desde as revoluções iluministas.

No Brasil, em particular, devemos intensificar a mobilização e o grito pela libertação de Lula. E temos a obrigação, ademais, de reforçar a resistência e a luta nas ruas e em todos os espaços de comunicação digitais. É nossa tarefa denunciar as falcatruas, os desmandos autoritários e as articulações espúrias e entreguistas para favorecer a agenda ultraneoliberal do governo Bolsonaro, que nada mais é do que a continuação aprofundada do governo golpista de Michel Temer.

Enganam-se aqueles que pensam que podem extinguir a esquerda. A história e a luta não começaram em 2002 e muito menos acabaram em 2018. Vamos demonstrar isso a cada dia e a cada ciclo histórico!

Deputado Paulo Pimenta (PT-RS)

Líder do PT na Câmara

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas defendem taxação dos mais ricos para evitar injustiças contra os mais pobres na Reforma da Previdência

No segundo dia de debates do parecer final da Comissão Especial da Reforma da Previdência …