Home Portal Notícias Manchetes PT vota favorável e projeto que amplia possibilidade de repasses a municípios é aprovado

PT vota favorável e projeto que amplia possibilidade de repasses a municípios é aprovado

6 min read
0

O Plenário da Câmara aprovou nesta quarta-feira (5), por 300 votos a 46, o projeto de lei complementar (PLP 270/16), do Senado, que isenta municípios com queda de arrecadação superior a 10% de sofrerem as restrições impostas pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) quando ultrapassarem o limite para a despesa total com pessoal. O texto aprovado, que vai à sanção presidencial, determina que para não sofrer as sanções, o município deve comprovar que a perda de arrecadação foi provocada por diminuição das transferências do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) ou por redução de receitas de royalties e participações especiais.

Ao encaminhar o voto favorável da Oposição, o líder José Guimarães (PT-CE) destacou a relevância dessa alteração na LRF para os municípios brasileiros. “Esse projeto impede que os municípios sejam criminalizados, não podem perder o repasse da União quanto tiver uma perda de arrecadação”, defendeu.

O deputado Enio Verri (PT-PR) também sugeriu o aperfeiçoamento da LRF ao encaminhar o voto favorável do Partido dos Trabalhadores. “A Lei de Responsabilidade Fiscal, apesar de ser uma grande contribuição para o equilíbrio das contas públicas, neste momento, tem que ser revista. Afinal de contas, os municípios não têm culpa pela crise econômica por que passa o mundo, por que passa o Brasil”. Ele citou como exemplo da crise matérias veiculadas pela imprensa hoje (5) que apontam o aumento da miséria da população brasileira neste último ano. “Aumentou em 2 milhões o número de desempregados”, enfatizou.

E o deputado Afonso Florence (PT-BA) enfatizou que o PLP aperfeiçoa a Lei de Responsabilidade Fiscal mantendo o extremo rigor, porque só será flexibilizado o limite de pessoal, quando houver perda de royalties ou de FPM. “Ou seja, é um projeto que dá conforto aos gestores neste cenário de perda de arrecadação tributária que independa da decisão discricionária de prefeitos”, completou.

O que diz a LRF – De acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal, a despesa total dos municípios com pessoal não pode exceder a 60% da receita corrente líquida em cada período de apuração. O descumprimento dessa regra impede que o município receba transferências voluntárias; obtenha garantia, direta ou indireta, de outro ente; ou contraia empréstimos, exceto se destinados ao refinanciamento da dívida mobiliária ou à redução das despesas com pessoal.

Compra de imóvel – O plenário aprovou também as emendas do Senado ao projeto de lei (PL 1220/15), que disciplina os valores a receber pelo mutuário na desistência da compra de imóvel. Pelo texto aprovado, quando o empreendimento tiver seu patrimônio separado do da construtora, em um mecanismo chamado de patrimônio de afetação, o comprador que desistir do imóvel terá direito a receber 50% dos valores pagos, após dedução antecipada da corretagem.

Se o empreendimento não estiver com seu patrimônio assegurado dessa forma, a multa que ficará com a incorporadora será de 25% dos valores pagos se o comprador desistir do imóvel. A matéria irá à sanção presidencial.

Urgências – Plenário aprovou ainda urgências para a tramitação do projeto de lei (PL 9252/17), que disciplina o perdão de dívidas do Funrural e para o PL 2834/15, que permite doação de pessoa física a fundos do idoso controlados pelos conselhos municipais, estaduais e nacional até o percentual de 3% sobre o Imposto de Renda devido.

Vânia Rodrigues

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Após denúncia de Bebianno, Rogério Correia protocola convocação de Moro para explicar convite de Bolsonaro antes das eleições

O vice-líder da Bancada do PT na Câmara, deputado federal Rogério Correia (MG), protocolou…