Home Portal Notícias Manchetes José Guimarães propõe frente ampla para defender direitos civis e políticos

José Guimarães propõe frente ampla para defender direitos civis e políticos

8 min read
0

O líder da Oposição na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), fez um apelo a todos os partidos do campo democrático e progressista, e também àqueles com histórico de respeito à democracia – mesmo os que não são da esquerda – para se unirem em uma ampla Frente Política em defesa da soberania nacional e do respeito às liberdades individuais e políticas no País. A declaração ocorreu durante pronunciamento no plenário da Câmara, realizado nesta terça-feira (4), quando o parlamentar analisou a conjuntura política atual e as medidas já anunciadas pelo futuro governo de Jair Bolsonaro, que apontam para retrocessos a curto prazo.

“Estão em jogo o Estado e as garantias individuais e políticas. Nós, do campo democrático, do campo popular, não podemos nos dar ao direito de nos dividirmos. Não podemos nos fecharmos em nossas casinhas, de cada partido, e não compreender a gravidade do momento que o País está vivendo. Que possamos trilhar o caminho, da nossa unidade, da construção, de uma ampla frente nacional, em defesa do Estado Democrático de Direito”, defendeu.

Entre outras forças políticas, Guimarães citou como candidatos naturais a compor essa Frente o PCdoB, PDT, PSB, PSOL, Rede e PPS. “Não é preciso ser do PT, basta ter compromisso mínimo com as garantias, com as liberdades e com a luta de todos aqueles que partiram e hoje não fazem mais parte deste Parlamento”, convidou. O líder da Oposição na Câmara ressaltou ainda que “o parlamento não pode ser um apêndice de nenhum Governo”, e somente com independência em relação ao Executivo será possível lutar contra as ameaças aos direitos civis e políticos.

Sobre o cenário futuro reservado ao País, José Guimarães observou que o discurso explicitado pelo presidente eleito durante a campanha já mudou. Ele lembrou a promessa feita por Bolsonaro de que iria governar o País com apenas 15 ministérios. “Já são 22, e ninguém fala nada”, frisou. O parlamentar ainda criticou a extinção de ministérios importantes na implementação de políticas públicas no País, como o Ministério do Trabalho.

“Primeiro veio a Reforma Trabalhista, agora a extinção do Ministério, ou seja, não é problema de função tirar o Ministério do Trabalho, extingui-lo e colocar as suas funções ora na Justiça, como a carta sindical, ora na Casa Civil. Está em curso o verdadeiro desmonte do Estado do bem-estar social, do Estado de Direito que foi pacificado com a Constituição de 1988”, acusou Guimarães.

Ainda sobre o desmonte do Estado brasileiro, o líder da Oposição criticou a sanha entreguista do futuro governo. Ele acusou o atual governo de Temer de combinar com o já anunciado ministro da Economia de Bolsonaro, Paulo Guedes, a inclusão de 138 empresas estatais na lista das privatizações. Um decreto publicado no Diário Oficial da União desta terça-feira (4) permite que o Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão inclua as estatais em um processo de desestatização.

“Lembram quando o futuro Ministro da Economia declarou que tem que vender empresas [estatais]? Ou seja, é um Governo que quer vender tudo a preço de banana, para fazer caixa, para honrar, minimamente, aquilo que foi pregado na campanha eleitoral”, esclareceu o petista.

Meio Ambiente – Além do desmonte do Estado, Guimarães também lembrou os prejuízos que o futuro governo Bolsonaro já traz para a imagem do País no exterior. Como exemplo, ele citou declarações escritas pelo anunciado ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, dizendo que o aquecimento global “não existe” e que é uma “invenção da esquerda”. “Nunca vi tamanha ignorância”, afirmou o petista. Ele também criticou a decisão de Bolsonaro de desistir de sediar a COP 25, Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, programada para ocorrer no Brasil entre 11 e 22 de novembro de 2019.

“Fico imaginando se o Haddad anunciasse um tamanho absurdo desse. A pauta ambiental diz respeito à sustentabilidade do planeta. Portanto, não pode, numas aleivosias dessas, de uma hora para outra, o Brasil desistir do seu direito de sediar a COP. Trata-se de um compromisso do País firmado desde 1992, que passou pelo Governo Sarney, pelo Governo Itamar, pelo Governo Fernando Henrique Cardoso, pelos Governos Lula e Dilma. Mesmo o Governo Temer não teve a petulância de mexer na agenda ambiental do mundo”, destacou Guimarães.

 

Héber Carvalho

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

PT exige que Bolsonaro devolva dinheiro gasto com viagem turística aos EUA e pede investigação do TCU

A Bancada do PT na Câmara protocolou hoje (17) representação no Tribunal de Contas da Uniã…