Home Portal Notícias CDU relembra importantes discussões sobre o racismo e o direito à cidade

CDU relembra importantes discussões sobre o racismo e o direito à cidade

8 min read
0

No Dia da Consciência Negra, celebrado na terça-feira (20), a Comissão de Desenvolvimento Urbano (CDU) exalta a data lembrando de importantes discussões realizadas pelo colegiado, especialmente na luta contra o racismo e o direito à cidade (habitação, educação, transporte, lazer) à população negra, e, principalmente às mulheres. Nesse sentido, o colegiado reforça o papel importante e essencial na luta e na resistência das mulheres e dos homens negros do país em busca de igualdade, respeito, e pela garantia de seus direitos.

O Brasil é reconhecidamente um dos países mais desiguais do planeta, e uma das dimensões dessa desigualdade é racial. Quando se comparam os dados de brasileiros brancos com os de pretos e pardos, o cenário que emerge é de dois países completamente distintos. A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) confirma essa realidade. A PNAD Contínua de 2017 – que acompanha as flutuações dos dados trimestrais e a evolução, no curto, médio e longo prazos – mostra que há forte desigualdade na renda média do trabalho: R$ 1.570 para negros, R$ 1.606 para pardos e R$ 2.814 para brancos.

O desemprego também é fator de desigualdade: a PNAD Contínua do 3º trimestre de 2018 registrou um desemprego mais alto entre pardos (13,8%) e pretos (14,6%) do que na média da população (11,9%). A fim de fomentar o diálogo e a busca de ações contra a desigualdade social entre negros, gerada pela má distribuição da renda, pela segregação e marginalização, e historicamente construída na sociedade, a Comissão promoveu debates com especialistas e representantes de movimentos sociais sobre o racismo e o direito à cidade.

Depoimentos

Na ocasião foram recebidos diversos participantes, como Heloiza Helena da Costa, filha de Vilma Eustáquia da Silva, idosa que mora na mesma casa há 70 anos, em Belo Horizonte, e é alvo de uma ordem de despejo. “A população negra não tem direito a sequer ter um território como seu”, afirmou ela ao compartilhar a história de sua família que é uma prova viva da discriminação em âmbito urbano. A partir da história de Dona Vilma surgiu o coletivo “Dona Vilma Fica”, que deu maior visibilidade e mais força ao caso. Conheça essa história:

Já sobre o papel da população negra como cidadão, a Arquiteta e Urbanista, Joice Berth compreende como sendo uma população exposta à “condição de cidadania mutilada”, termo empregado pelo geógrafo brasileiro Milton Santos. Segundo ela, a cidade possui quatro funções básicas: habitar, circular, acesso à recreação e ao trabalho. “Ao privar determinado grupo de praticar essas ações, ocorre o fenômeno da cidadania mutilada. Ter acesso pleno à cidade é um direito de todos, de usufruir dos espaços coletivos que foram construídos para as coletividades e pelas coletividades”. Assista trecho da fala dela na audiência da CDU:

A Promotora de Justiça da Bahia Livia Santana Vaz também participou da audiência à época e esclareceu que o direito à cidade está associado às garantias sociais e coletivas. Ela afirmou que a população negra está inserida nos grupos “vulnerabilizados” já que estão nesta posição por imposição histórica e política. “O direito à cidade é racialmente condicionado. Existe um Estado que se utilizou do seu aparato político, legislativo e policial contra a população negra desde o início”. Além disso, a Promotora de Justiça relata que o Estado é o maior violador dos direitos humanos, mesmo sendo o maior agente de mudanças. Veja um dos trechos das falas dela:

A representante do movimento Convergência Negra Priscila da Silva avaliou um aspecto específico, no caso a situação de discriminação vivida pela população de Juiz de Fora sob a ótica racial. “A situação da cidade traz um incremento de problemas como a falta de habitações, de saneamento básico, degradação ambiental, desemprego e violência”, disse. Ela considera urgente a implementação de políticas públicas eficazes para sanar a crise dos territórios que se enfrenta atualmente em Juiz de Fora e em todo Brasil. Saiba mais:

Martvs Chagas, Secretário Nacional de Combate ao Racismo do Partido dos Trabalhadores (PT), ressaltou que uma forma de obter cidadania plena é por meio do sonho da casa própria. Ele afirma que essa concepção afetou o povo negro de maneira incisiva. “O nosso acesso à moradia é precário, de maneira marginalizada e isso é histórico”, criticou. Chagas apoiou à iniciativa do colegiado mas alerta que, além de denunciar, é necessário criar condições através do parlamento para que esses problemas sejam resolvidos. Confira o depoimento:

Assessoria de Comunicação CDU

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Nota do PT: General da Saúde compromete Forças Armadas com crimes de Bolsonaro contra a população

NOTA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES GENERAL DA SAÚDE COMPROMETE FORÇAS ARMADAS COM CRIMES DE…