Home Portal Notícias Petistas criticam racismo que persiste no Brasil

Petistas criticam racismo que persiste no Brasil

11 min read
0

Parlamentares da Bancada do PT se revezaram na tribuna nesta terça-feira (20), data em que se celebra o Dia da Consciência Negra, para lembrar o quanto o País ainda é injusto racialmente e para destacar as políticas afirmativas implementadas no Brasil pelos governos Lula e Dilma. A data faz referência ao dia da morte de Zumbi dos Palmares, líder do Quilombo de Palmares, que lutou para preservar o modo de vida dos africanos escravizados que conseguiam fugir da escravidão.

O deputado Padre João (PT-MG) lamentou e denunciou o grande despejo ocorrido hoje no Quilombo do Campo Grande, no município Campo do Meio – antiga Fazenda Ariadnópolis, no sul de Minas Gerais. “Naquele quilombo, há mais de 20 anos, o povo vem produzindo muito café de primeira qualidade e também milho”. Ele citou que há um decreto sobre o interesse social do governador mineiro, Fernando Pimentel, que também se manifesta acerca da importância de se garantir dignidade e acesso a todos os serviços para as 450 famílias do quilombo. “E agora o Poder Judiciário vem, de forma arbitrária, autoritária, despejar essas famílias”, criticou.

Padre João disse ainda que o Dia da Consciência Negra é a oportunidade para se mostrar as mazelas que ainda existem em nossa sociedade, como o racismo e a falta de respeito para com a pessoa humana. Ele lembrou que, segundo IBGE, 53% da população brasileira é negra; da população brasileira analfabeta, 68% é negra. Entre os que estão na extrema pobreza — todos os brasileiros somados que estão na extrema pobreza – 70% são negros. “E por último, o que é muito triste — não que estes outros dados não sejam -, a cada 12 minutos, é assassinado um negro neste País. Isto é mais do que as guerras!”, comparou.

Padre João reconhece que, às vezes, se destaca quando uma liderança negra é assassinada, mas, enfatizou que nos morros, no interior, isto é frequente. “Há o extermínio, sobretudo, da juventude negra. Às vezes, basta ser negro para ser colocado como suspeito. Isto é uma coisa absurda – tanto racismo, tanta discriminação em relação ao povo negro”, afirmou.

Na mesma linha, o deputado Luiz Couto (PT-PB) reforçou que é a população brasileira negra a maior vítima da violência no País. “Nossa juventude negra está sendo dizimada, assassinada. Outra parte é colocada na cadeia”, lamentou. Na realidade, continuou Luiz Couto, “nós, efetivamente, precisamos cuidar para que o Brasil possa respeitar a maioria do seu povo, que é constituído de negros e de negras”.

O deputado Nelson Pelegrino (PT-BA) ao falar da data homenageou Zumbi dos Palmares e lembrou que há a necessidade de se fazer um resgate porque “a princesa Isabel assinou a carta de alforria, mas se esqueceu de assinar a carteira de trabalho para essa população”. Ele citou ainda que ao longo desses anos todos, a população negra tem os piores empregos, as piores oportunidades. “Existe um racismo institucional, e se luta para fazer políticas afirmativas neste País.

Pelegrino enfatizou que o governo Lula deu uma contribuição inestimável para a construção de políticas afirmativas no Brasil: criou a SEPPIR (Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial), que fez uma série de políticas de inclusão, política de cotas nas universidades e nos serviços públicos, política das comunidades quilombolas. “Porém, essas reparações estão muito longes da real necessidade”, acrescentou.

Na avaliação do deputado Marcon (PT-RS), o Dia da Consciência Negra deveria ser os 365 dias do ano. “O povo brasileiro precisa respeitar mais os negros neste País, cuja luta foi o motivo da morte do Zumbi, que lutou muito para defender seu povo, tendo sido brutalmente assassinado”. O parlamentar do PT gaúcho pediu ainda que o presidente eleito pare de ameaçar os negros. “Precisamos respeitar os negros trabalhadores que são discriminados, inclusive com os piores salários, os piores trabalhos e também com a falta de cota. Precisamos reconhecer as terras dos quilombos. É disso que precisamos”, frisou.

Zumbi – O deputado Valmir Assunção (PT-BA) relembrou a história de Zumbi dos Palmares, “que é uma referência para todos nós”. E citou que o dia é uma homenagem ao maior líder da população negra – Zumbi dos Palmares. Também destacou o projeto de sua autoria, que torna o dia 20 de novembro feriado nacional. “Reconheço que a proposta é polêmica, mas em diversos estados, municípios e capitais neste País este dia já é feriado. É importante fazer essa homenagem para fortalecer a luta e o povo negro neste Brasil”, justificou.

É também de autoria do deputado Valmir Assunção o projeto que propõe escrever o nome de Dandara – liderança de Palmares – no Livro dos Heróis e das Heroínas da Pátria. O projeto já foi aprovado pela Câmara e tramita atualmente no Senado.

E o deputado Reginaldo Lopes (PT-MG) lembrou que há 10 anos, nesta data, a Câmara construiu a unidade com diversas lideranças partidárias e aprovou a Lei de Cotas nas universidades públicas neste País. “A Lei de Cotas é um sucesso, democratizou, transformou as universidades, que ficaram com a cara do povo brasileiro. Então, é bom celebrarmos esse dia”, afirmou.

Marielle – A deputado Maria do Rosário (PT-RS) homenageou Zumbi dos Palmares e Dandara e à luta do povo negro, “homens e mulheres que, todos os dias, nos ensinam muito do que é defender direitos e construir um Brasil melhor”. Ela também registrou a sua indignação com a falta de resultados diante da investigação do crime contra Marielle Franco, “que expôs as vísceras de um sistema racista”.

E o deputado João Daniel (PT-SE) parabenizou os movimentos brasileiros, em especial o Movimento Negro Unificado, que fazem um grande trabalho no Brasil. “Quero registrar o nosso total apoio à luta de todos os movimentos em defesa de uma sociedade justa, igualitária, fraterna, sem discriminação”.

João Daniel destacou que foi nos governos Lula e Dilma que se ofereceu uma série de políticas públicas direcionadas na perspectiva da inclusão social da população negra, entre elas a demarcação dos territórios quilombolas e a política quilombola no Brasil, além da política de cotas.

 

Vânia Rodrigues

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

PEC das Prerrogativas seguirá rito processual, com análise em comissão especial antes do Plenário

A PEC das Prerrogativas (proposta de emenda à Constituição 3/21), que trata da imunidade p…