Home Portal Notícias Política de redução do uso de agrotóxico pode ir à votação na próxima semana

Política de redução do uso de agrotóxico pode ir à votação na próxima semana

7 min read
0

Em reunião nesta terça-feira (13), a comissão especial que analisa o projeto de lei (PL 6670/16) que cria a Política Nacional de Redução de uso de Agrotóxicos (PNARA), adiou para a próxima semana a votação do relatório do deputado Nilto Tatto (PT-SP) que trata sobre o tema. Um pedido de vista postergou a votação do parecer. O relator aposta no diálogo para vencer as barreiras que ainda permeiam o debate sobre a transição de uma agricultura envenenada para um sistema saudável no Brasil.

“Quem sabe na quarta-feira [21] a gente chega a um acordo e avança para a aprovação desse relatório, na medida em que eu vejo que ele não tem nada de radical, e pelas falas dos deputados da bancada da Frente Parlamentar da Agropecuária, percebemos que não há grande divergência com o relatório. Então, é possível chegar a um consenso e construir uma boa política pensando no futuro da agricultura brasileira”, aposta Nilto Tatto.

O relator explicou que o texto apresentado trata de uma transição, de um ajustamento da agricultura brasileira com ações de curto, médio e longo prazo. “Não mudamos de uma hora para outra uma agricultura com muita dependência de agrotóxicos para uma agricultura sem agrotóxicos.  O projeto trabalha nessa perspectiva de você ir mudando com calma”, argumentou Tatto.

O parlamentar adiantou ainda que um dos itens questionados no relatório diz respeito à proposta que sugere a órgãos competentes brasileiros a reavaliarem o registro de agrotóxico cujo uso tenha sido proibido em dois países membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). “Não estamos colocando no projeto uma proibição automática desse agrotóxico aqui no Brasil. Estamos apenas alertando que se foi proibido em dois países, isso chama a atenção, portanto, os órgãos responsáveis devem reavaliar para entender porque aqueles países estão proibindo. Então, o nosso parecer não tem grande divergência e é possível fazer um bom diálogo com a bancada ruralista e trabalhar uma estratégia de aprovação”, espera o deputado.

De acordo com Nilto Tatto, o Brasil gasta muito recurso ao importar venenos utilizados na agricultura. O volume, segundo Tatto, chega a R$ 2,5 milhões que o país gasta só com importação de agrotóxicos. “O Brasil é o maior importador de agrotóxico. Isso é custo para a agricultura brasileira. No relatório, destinamos investimentos públicos para que o Brasil também faça pesquisa, desenvolva um conjunto de pequenas empresas que já produzem bioinseticida, a fim de gerar emprego e tecnologia no Brasil, para que futuramente o país não fique dependente dos agroquímicos importados e produzidos pelas transnacionais”, defendeu.

O relator esclareceu também que a proposta dialoga com a perspectiva do agronegócio quando se pensa em como o Brasil será no futuro muito mais autônomo para produzir alimentação sadia ao povo brasileiro ou garantir mercado no futuro – uma vez que esse mercado exige produto sem agroquímico e sem agrotóxicos.

Benildes Rodrigues

Veja o vídeo sobre a reunião do PNARA:

PNARA

PNARA – MENOS VENENO, MAIS SAÚDEA comissão especial que debate o projeto de lei 6770/16, que cria no país a Política Nacional de Redução do uso de Agrotóxicos (PNARA), promoveu reunião nesta terça-feira (13), na Câmara dos Deputados.O relator do projeto, deputado Nilto Tatto (PT-SP), acredita em um entendimento para votar o seu relatório na próxima semana. O Deputado Marcon (PT-RS) defende mobilização para aprovar a matéria, enquanto o deputado Elvino Bohn Gass (PT-RS) destaca que o PNARA é um bom programa, que trará comida sem veneno à mesa dos brasileiros, e mais saúde para todos.#ChegaDeAgrotóxicos

Posted by PT na Câmara on Tuesday, November 13, 2018

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Câmara aprova orçamento de guerra e cria condições para o governo ter agilidade no combate ao Covid-19

A Câmara aprovou nesta sexta-feira (3) a proposta de emenda à Constituição (PEC 10/20), qu…