Home Portal Notícias “Não foi por falta de aviso”, lembram deputados diante dos resultados desastrosos da reforma trabalhista

“Não foi por falta de aviso”, lembram deputados diante dos resultados desastrosos da reforma trabalhista

4 min read
0

Exatamente um ano após entrar em vigor a nova legislação trabalhista imposta pelo governo golpista de Michel Temer e sua base aliada no Congresso Nacional, a situação só piorou para os trabalhadores brasileiros. Aumento do desemprego, informalidade recorde, redução salarial e precarização generalizada dos empregos são o saldo da reforma, chamada por parlamentares petistas de “reforma desempreguista” nas redes sociais.

“Não foi por falta de aviso. O que vemos agora, um ano após entrar em vigor essa famigerada reforma trabalhista, é o aumento do desemprego, a precarização das relações de trabalho e tudo aquilo que nós alertamos acabou acontecendo”, relata o deputado Paulo Pimenta (PT-RS), líder da bancada do PT na Câmara.

Com a CLT enfraquecida, os defensores das teses neoliberais – fracassadas nos anos 1990 sob o governo do PSDB – têm conseguido diminuir o custo do trabalho para as empresas à custa do empobrecimento dos trabalhadores e da população em geral.

“Um ano após a reforma trabalhista, os efeitos desse golpe contra o trabalhador só aumentam, com mais informalidade e desemprego. E a perspectiva traz só mais desesperança com os retrocessos que virão com a extinção do Ministério do Trabalho. Um governo que retira direitos não respeita seu povo”, ressalta o deputado Leonardo Monteiro (PT-MG).

A revogação da reforma trabalhista segue na pauta de luta do PT, garante o deputado Bohn Gass (PT-RS). “A economia não cresceu, a estabilidade jurídica também não veio, os novos empregos são informais, com trabalho intermitente, salários reduzidos e muita precarização. Por isso que nós vamos continuar lutando, porque a revogação dessa reforma precisa acontecer”, defendeu o parlamentar gaúcho.

Segundo o líder do PT na Câmara, o próximo governo deve tentar aprofundar a agenda ultraneoliberal de Michel Temer. “Com Bolsonaro e Paulo Guedes vai ser pior. E não é torcer contra. Eles já anunciaram o fim do Ministério do Trabalho. Nós vamos permanecer na luta, mobilizados para impedir que esse consórcio Temer-Bolsonaro possa prejudicar ainda mais o povo brasileiro”, disse Pimenta.

Repercussão – Neste domingo (11), o “aniversário” de um ano da reforma foi denunciado nas redes sociais, especialmente no Twitter, onde a hashtag #ReformaDesempreguista permaneceu entre os assuntos mais comentados do Brasil a partir do meio-dia e até as 16h ainda seguia nos Trending Topics da plataforma.

 

Rogério Tomaz Jr.

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

“Se não for para revogar o desmonte, não faz sentido ganhar as eleições”, diz Bohn Gass

O deputado federal Bohn Gass (PT-RS), líder do PT na Câmara, em entrevista à TV 247, conde…