Home Portal Notícias Manchetes CNTE e petistas destacam que “Escola sem Partido” ameaça liberdade de ensino

CNTE e petistas destacam que “Escola sem Partido” ameaça liberdade de ensino

7 min read
0

O projeto “Escola Sem Partido” (PL 7180/14) ameaça a liberdade de ensino no Brasil, como parte de um ataque mais amplo à educação pública. O alerta é de Heleno Araújo, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), que visitou a Vigília Lula Livre na terça-feira (6), véspera do dia em que o projeto de lei poderá ser votado na comissão especial da Câmara dos Deputados. Parlamentares da Bancada do PT também se manifestaram contra o projeto de “Lei da Mordaça” nas escolas.

Araújo promete mobilização em Brasília nesta quarta-feira (7) para impedir a aprovação do projeto que, com o pretexto de impedir a “doutrinação ideológica” nas escolas, restringe a atuação dos professores, impedindo-os de tratar de questões de gênero e política em sala de aula. “Chamamos esse projeto de Escola com Censura”, diz Araújo, que representa mais de 4,5 milhões de professores, pedagogos e funcionários de escolas públicas do País.

A deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) afirma que a Câmara tentará votar o projeto ‘Escola com Censura’, que “caça a liberdade de expressão de professores e professoras nas salas de aula do Brasil. Integro a comissão e vou lutar contra este absurdo, que tenta instaurar a ditadura da estupidez no Brasil”. A deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ) destaca que “o Brasil precisa saber o que significa o projeto Escola Sem Partido, que representa um atraso para o país”.

A principal crítica ao projeto diz que ao proibir discussões sobre determinados temas, a proposta impede avanços no combate ao preconceito e a crimes de ódio contra mulheres, por exemplo. “Além de limitar o desempenho dos professores, a proposta impede a discussão de temas importantes para a sociedade, criando um enorme retrocesso na educação brasileira”, explica Araújo, da CNTE.

A deputada Margarida Salomão (PT-MG) condena a votação do projeto da “Lei da Mordaça”, porque a proposta visa, entre outros retrocessos, “incentivar vigilância a professores para ‘expurgar Paulo Freire’ das escolas”. Por sua vez, a deputada Ana Perugini (PT-SP) afirma que “não existe educação libertadora sem liberdade de pensamento. Assim como em outros espaços da sociedade, a escola deve ser democrática”.

O deputado Helder Salomão (PT-ES) lembra que “a ONU manifestou repúdio ao Escola Sem Partido, ao enfatizar que o objetivo da profissão de professor é instruir estudantes a aprender sobre o mundo em muitas formas diferentes, algumas das quais eles e seus pais podem discordar”. Para Marco Maia (PT-RS), “o Brasil precisa é de educação pública de qualidade, e não de perseguição aos professores”.

Se for aprovada na Comissão da Câmara, a proposta poderá seguir direto para votação no Senado Federal. O projeto de lei inclui no artigo 3 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira um item que estabelece a prioridade dos valores da família em temas relacionados à educação moral, sexual e religiosa. O texto que será votado proíbe o uso dos termos “gênero” e “orientação sexual” nas escolas. Também veta o que chama de “ideologia de gênero”, sem especificar do que se trata exatamente.

A CNTE já havia manifestado seu repúdio ao projeto, inclusive com a publicação de nota em seu site. “A Lei da Mordaça se pauta em conceitos e critérios políticos, sociais e pedagógicos diametralmente opostos aos estabelecidos na Constituição Federal e na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, que têm a Gestão Democrática e o Pluralismo de Ideias e Concepções Pedagógicas como pilares da educação”, diz a nota.

Tramitação – O PL 7180/14 aguarda deliberação na Comissão Especial destinada a discutir e a votar o relatório final. Se aprovado o texto, caberá recurso para a matéria ser discutida e votada em plenário.

 

Agência PT de notícias com PT na Câmara

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Zé Neto apresenta projeto que garante computador para estudantes pobres de escolas públicas durante a pandemia

O deputado Zé Neto (PT-BA) apresentou um projeto de lei na Câmara (PL 3.699/20), com a coa…