Home Portal Notícias Professores tiveram avanços em 13 anos de gestões do PT

Professores tiveram avanços em 13 anos de gestões do PT

8 min read
0

O Brasil celebra nesta segunda-feira (15) o Dia do Professor, uma data que, historicamente, enseja mais reflexões do que festividades. Ao longo dos 13 anos de governos petistas, porém, os professores e professoras puderam comemorar uma série de avanços que, se não resolveram a dívida histórica do País com essa categoria, apontava caminhos para isso.

 

Rememore algumas dessas conquistas:

Plano Nacional de Educação – Aprovado em 2013, o Plano Nacional de Educação (PNE) é um conjunto de 21 metas e uma série de estratégias para nortear as ações, investimentos e prioridades do setor ao longo de duas décadas.

Entre os objetivos do PNE estão a erradicação total do analfabetismo, o atendimento escolar para todos, a igualdade da qualidade da educação entre todas as regiões do país, a formação, a valorização dos(as) professores(as) e o combate a todo tipo de preconceito nas salas de aula.

A aprovação da Emenda Constitucional 95, congelando os investimentos públicos até o ano 2036, coloca em risco as metas do PNE. A legislação, na prática, vem dizimando os recursos para áreas como Saúde e Educação, algo comprovado na proposta orçamentária para 2019, já apresentada ao Congresso.

 

Confira, abaixo, as metas do Plano Nacional de Educação voltadas para a valorização dos professores e melhoria nas condições de trabalho desses profissionais:

– Qualidade do ensino: elevar a qualidade do ensino superior pela ampliação da atuação de mestres e doutores nas instituições para 75%, no mínimo, do corpo docente, sendo, do total, 35% de doutores.

– Professores(as) graduados(as): garantir que todos os(as) professores(as) da educação básica tenham formação em curso de licenciatura na área de conhecimento em que atuam.

– Professores(as) pós-graduados(as): formar 50% dos(as) professores(as) da educação básica em nível de pós-graduação lato e stricto sensu e garantir a todos formação continuada em sua área de atuação.

– Valorização do(a) professor(a): equiparar o rendimento médio do(a) profissional do magistério ao rendimento médio dos demais profissionais com escolaridade equivalente.

– Plano de carreira: assegurar, no prazo de dois anos, planos de carreira para os(as) profissionais do magistério.

– Instalações e tecnologia: investir na expansão e reestruturação das redes físicas e em equipamentos educacionais – transporte, livros laboratórios de informática, redes de internet de alta velocidade e novas tecnologias.

 

10% do PIB para a educação – O Plano Nacional de Educação também determinou a destinação anual de recursos equivalentes a 10% do Produto Interno Bruto para os investimentos no setor. A ampliação desses investimentos deveria ser gradativa, para que o percentual de 10% do PIB fosse alcançado em 2023. A redução de recursos para a Educação iniciada após o golpe de 2016 coloca essa meta em risco.

Royalties do pré-sal para financiar a Educação – A proposta da presidenta Dilma Rousseff, apresentada em 2012, era destinar 100% dos royalties futuros sobre a exploração do petróleo do pré-sal para a Educação. Ao longo da tramitação da matéria no Congresso, as negociações levaram à redução desse percentual para 75%, para que 25% dos recursos arrecadados com o pré-sal pudessem ser destinados à saúde.

Valorização do piso salarial do magistério – Em 2008, no governo Lula, foi instituída a Lei do Piso, que determina que o piso salarial dos professores e professoras de todo o País seja reajustado anualmente, em um índice vinculado à variação do valor anual mínimo por aluno, conforme está definido no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

Desde de 2009, com o início da vigência da lei, o piso dos docentes teve aumento real (acima da inflação) 46,05%, um dos maiores entre todas as categorias, públicas ou privadas.

Isso não resolve a desvalorização histórica dos salários dos professores, mas foi um começo que expressa o respeito dos governos petistas com os profissionais da área de Educação.

O piso é pago a profissionais em início de carreira, com formação de nível médio e carga horária de 40 horas semanais. Pela lei, os demais níveis da carreira não recebem necessariamente o mesmo aumento. Isso é negociado em cada ente federativo.

 

Do PT no Senado

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas apresentam projeto para sustar portaria que suspende Lei Rouanet para cidades que adotaram medidas restritivas

Os deputados petistas João Daniel (SE), Patrus Ananias (MG), Valmir Assunção (BA) e Marcon…