Home Portal Notícias Manchetes Livro “O Brasil de Amanhã” é esforço de Lula para pensar o futuro, dizem economistas

Livro “O Brasil de Amanhã” é esforço de Lula para pensar o futuro, dizem economistas

5 min read
0

Mesmo após liderar a maior revolução social que o Brasil já testemunhou, o ex-presidente Lula se manteve preocupado com os rumos da economia do País, sobretudo após o golpe de 2016 ser concretizado para atender aos interesses do mercado financeiro. Tamanha preocupação acaba de se materializar no livro “O Brasil de Amanhã”, lançado pela Editora Instituto Lula/Fundação Perseu Abramo, na última sexta-feira (21).

Resultado de dois anos de uma intensa pesquisa realizada por economistas do Instituto Lula, a obra não só atende aos anseios de Lula como teve a sua participação efetiva nos nove dos 10 encontros realizados durante a concepção do livro.

“Esse grupo surgiu graças ao presidente Lula. Foi ele e o Marco Aurélio Garcia que pediram para que fosse criada uma equipe de economistas para discutir o futuro do País. E Lula sempre participou e colocava em debate os problemas que testemunhava pelo Brasil. Ele às vezes divergia, questionava, como lhe é comum”, lembrou Jorge Mattoso, um dos organizadores do livro.

O economista, que assina texto sobre a perspectiva dos bancos sobre a economia, ainda lembra que o ex-presidente fez outra solicitação antes de o grupo se formar: “Não se tratava apenas de trazer os mais velhos para a mesa de discussão. Ele estava preocupado com o olhar sobre o presente. Pediu para que chamássemos os jovens economistas e professores e que acabaram contribuindo muito com o grupo. Isso foi um elemento extremamente importante”, contou.

Presente durante o evento de lançamento do livro, o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, também elogiou o resultado apresentado pelos economistas. “Vocês estão ajudando a fazer uma grande reflexão para pensar em saídas para o Brasil a partir de 2019. Estamos num momento complexo e, por isso, quanto mais cabeças pensando o futuro do País melhor. E é esse o papel que estão cumprindo”, apontou.

Okamoto também lembrou o duro contexto em que a obra está sendo concebida. “Infelizmente nos últimos anos tivemos uma intensa batalha contra aqueles que tentam derrubar a democracia. Não precisa lembrar que tivemos um golpe contra uma presidenta eleita e uma prisão injusta no meio do caminho. Mas temos convicção de a história tratará de corrigir estes erros”, reiterou.

Ricardo Carneiro, que também participa da organização do livro, destaca o legado econômico dos governos Lula e Dilma e cita a espantosa distribuição de renda promovida a partir de 2003. A economista Esther Dweck concorda e enfatiza que foi a política econômica dos governos Lula e Dilma que fortaleceu os mecanismos de distribuição de renda.

Esther Dweck explica ainda que o livro traz uma pluralidade enorme de opiniões. “Claro que tudo dentro do campo progressista e todos os capítulos têm uma estrutura parecida de apontar um diagnóstico do que está sendo destruído e o que teria de ser feito daqui para frente”, completou.

 

 

 

 

 

 

 

 

Da Agência PT de Notícias

 

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

TCU determina que Ministério da Saúde apresente plano estratégico de combate à pandemia

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou nessa quarta-feira (21), que o Ministério d…