Home Portal Notícias Manchetes Gleisi, Amorim e Pochmann abrem seminário internacional da FPA

Gleisi, Amorim e Pochmann abrem seminário internacional da FPA

4 min read
0

A importância vital dessas eleições – após dois anos de um golpe no Brasil e diante de crises democráticas no mundo todo – foi tema de abertura do Seminário “Ameaças à Democracia e a Ordem Multipolar”, realizado pela Fundação Perseu Abramo (FPA) em São Paulo. Participaram da mesa de abertura o chanceler e ex-ministro das Relações Exteriores Celso Amorim, a presidenta nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), e presidente da FPA, Márcio Pochmann.

Na visão dos três, a interrupção da política de cooperação internacional – na relação com os BRICs e com os países africanos – faz parte de um movimento mais amplo da falência no funcionamento das instituições democráticas no Brasil, culminando na prisão política de Lula e nas manobras para impedi-lo de concorrer às eleições. Importante lembrar que essa política de cooperação foi iniciada pelos governos Lula e Dilma.

Amorim abriu o evento lendo cartas de dois ex-presidentes africanos sobre o caso do ex-presidente brasileiro. “É chocante ver alguém que fez tanto pelo seu povo e pela cooperação entre países e continentes, privado de sua liberdade. Em 2013, acompanhei sua visita à África e pude percebeu que sua eleição representava o renascimento de uma cooperação entre o Brasil e o povo africano”, escreveu John Kufuor, ex-presidente de Gana de 2001 a 2009.

Na sequência, Gleisi Hoffmann chamou atenção para o rompimento dos três pilares do pacto firmado pela Constituição de 88: reconhecimento dos mínimos direitos sociais, eleições democráticas e soberania nacional. O primeiro, ameaçado pelos cortes promovidos pela Emenda Constitucional 95, e os seguintes pelo golpe que derrubou a presidenta eleita, Dilma Rousseff, e pelas investidas frequentes do governo usurpador pela venda do patrimônio nacional.

A senadora falou também da preocupação com o andamento do processo democrático. “O fato de Lula não participar das eleições já desestabiliza o processo. Nós estamos vivendo o período mais longevo de democracia na nossa história. Sempre tivemos soluços democráticos intercalados por golpes”.

Márcio Pochmann considera o pleito deste ano essencial não só para a retomada de um projeto soberano e progressista, mas para a retomada de uma busca ainda mais ampla por um futuro diferente.

Da redação da Agência PT de notícias

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Parlamentares do PT agradecem apoio da Prefeitura de Barcelona à democracia e à libertação de Lula

O líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS), e a presidenta do PT, senadora Gleis…