Home Portal Notícias Manchetes Fruto do golpe, reforma de Temer aumenta desemprego e deteriora relações trabalhistas

Fruto do golpe, reforma de Temer aumenta desemprego e deteriora relações trabalhistas

8 min read
0

Nove meses já se passaram desde que a Reforma Trabalhista (Lei 13.467/17) entrou em vigor, em novembro de 2017. Imposta pelo presidente ilegítimo de Michel Temer sob o argumento de que iria gerar mais emprego e melhorar as relações de trabalho, a reforma provocou efeitos contrários àqueles alardeados pela base golpista. O Brasil enfrenta hoje um de seus recordes de desemprego e experimenta uma deterioração histórica das relações trabalhistas.

A geração que viveu o pleno emprego nos governos Lula e Dilma Rousseff vive hoje uma realidade oposta – resultado de dois anos de golpe, que se completam neste 31 de agosto de 2018. Sob o comando golpista, o País trocou a menor taxa de desempregou – que era de 4,3%, em 2014, o menor patamar desde 2002, segundo Pesquisa Mensal de Emprego (PME) – por um índice de desemprego que atingiu a casa 13,1%, em março de 2018, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o Instituto, essa é a maior taxa desde maio do ano passado. O total de desempregados no Brasil alcançou a marca de 13,7 milhões de trabalhadores. Esse é um dos reflexos da ausência de política econômica adequada e da implementação de medidas que fazem parte de uma ação nefasta no sentido de destruir direitos e comprometer todo o crescimento do País. Como resultado, o governo gera um efeito cascata, com desemprego em massa, fechamento de milhares de empresas e, consequentemente, extinção de milhões de postos de trabalho.

Para o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, ao rasgar a CLT, a Reforma Trabalhista trouxe como consequência taxas recordes de desemprego e aumento do trabalho precário e informal. “As filas quilométricas em busca de emprego voltaram a ser realidade no País. Bem diferente dos governos de Lula e Dilma, quando o Brasil atingiu o pleno emprego”, lembrou Freitas. “Ao todo, são 27,7 milhões de pessoas aptas ao trabalho que viraram estatística, é a tal força de trabalho subutilizada no Brasil pós-golpe”, lamentou.

Associada ao desemprego recorde, outros prejuízos se acumulam. A população enfrenta com a Reforma Trabalhista perda de direitos, diminuição de salário e benefícios, dificuldade de acesso à Justiça, ampliação da terceirização para toda e qualquer atividade e enfraquecimento do poder dos sindicatos.

Contrários aos desmontes e às mudanças que destroem de forma generalizada os direitos trabalhistas contidos na CLT, os deputados Lula Bohn Gass (PT-RS), Valmir Lula Prascidelli (PT-SP) e Adelmo Leão (PT-MG) avaliaram os impactos da nova legislação desde a sua entrada em vigor. “Tudo que foi prometido não se concretizou. A economia não cresceu, ficou uma insegurança jurídica. Se continuar esse golpe, carteira de trabalho vai virar peça de museu”, lamentou Bohn Gass.

De acordo com o deputado, o povo está percebendo o grande erro que foi cometido e começa a reagir. “Espero que a gente possa mudar o governo e revogar essa legislação trabalhista, sob pena de o Brasil voltar ao trabalho escravo ou semiescravo”, alertou.

Para o deputado Adelmo Leão, a reforma trabalhista não foi capaz de estimular um processo de formalização dos trabalhadores informais gerados até o fim de 2017. Ele avalia que houve uma prevalência nos empregos precários e com baixa remuneração.

“Hoje, em função da reforma trabalhista, o trabalhador pode trabalhar duas horas por dia e receber pelas suas horas. Também pode trabalhar 12 horas/dia e receber como horas trabalhadas sem acréscimo de hora-extra. Essa é uma forma de precarização do trabalho”, afirmou o deputado, referindo-se à modalidade de contrato previsto na lei, que permite a prestação de serviços não-continuado, conhecido como trabalho intermitente.

Na avaliação do deputado Valmir Prascidelli, a reforma do governo ilegítimo de Temer só trouxe malefícios para a classe trabalhadora. Para ele, os argumentos do governo sobre crescimento econômico e geração de emprego que as mudanças poderiam proporcionar não passaram de falácia. “Aquilo que o governo dizia que iria propiciar aumento de emprego e melhora na economia não aconteceu. Ao contrário, precarizou as relações de trabalho como instrumento para enfrentar a crise”, criticou.

“Os trabalhadores que estão sendo contratados nessas novas regras estão percebendo a diminuição intensa no seu salário, a dificuldade para ter acesso à justiça, o desmonte e a precarização das relações de trabalho. A esperança desses trabalhadores é que com o novo governo que vai surgir, possamos rever essa reforma trabalhista”, frisou Prascidelli.

Benildes Rodrigues

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

No governo de Bolsonaro, EUA acima de tudo

Em artigo publicado no jornal Gazeta do Povo, na quinta-feira (14), o deputado Zeca Dirceu…