Home Portal Notícias Lula Livre Como a ONU e outros órgãos internacionais mudam sua vida

Como a ONU e outros órgãos internacionais mudam sua vida

7 min read
0

Você talvez não saiba, mas a ONU e outras organizações internacionais têm um papel determinante na criação e aplicação de várias leis brasileiras.

Esses acordos internacionais foram a semente para a criação de várias leis que hoje fazem parte do nosso cotidiano, especialmente na garantia dos direitos a mulheres, crianças e trabalhadores em situação vulnerável. Em outros casos, a força dessas determinações evitou que projetos retrógrados fossem adiante.

Em meio ao silêncio do Brasil sobre a determinação do Comitê de Direitos Humanos que garante a Lula o direito a ser candidato, é importante lembrar a importância desse tipo de acordo. Confira alguns dos casos mais emblemáticos:

Violência doméstica – O exemplo mais claro é caso Maria da Penha, ativista emblemática contra a violência doméstica no Brasil. O país foi condenado pela Comissão Interamericana em 2001 – mais de dezoito anos após o crime – na primeira denúncia de violência doméstica aceita pela organização.

Essa condenação foi fundamental para que o Brasil aprovasse a lei que leva o nome da farmacêutica, em 2006. Antes da Lei Maria da Penha, os casos não-letais eram julgados como crimes menores. Nenhuma proteção era oferecida à vítima, e nas poucas vezes em que o agressor era condenado, a pena se reduzia ao pagamento de cestas básicas.

A Lei do Feminicídio, aprovada por Dilma, também contribuiu para fechar o cerco contra esse tipo de crime.

Trabalho escravo – No ano passado, Temer aprovou uma portaria que dificultava a fiscalização do trabalho escravo. Um dos trechos, por exemplo, determinava que o trabalhador deveria estar preso para que uma jornada fosse considerada excessiva ou degradante.

A mudança foi duramente criticada por vários segmentos. O escritório da ONU no Brasil divulgou um comunicado demonstrando “profunda preocupação” com a proposta, lembrando que o país executara nos últimos anos “políticas públicas de combate ao trabalho escravo que se tornaram referência mundial”. Depois de toda a repercussão ruim, os golpistas voltaram atrás e aprovaram uma nova portaria sem a terrível mudança.

Direito das crianças e adolescentes – O Estatuto da Criança e do Adolescente, que completa 28 anos, é o conjunto de regras mais importante contra os maus-tratos, exploração e abuso de menores no Brasil – e reconhecido no mundo todo como lei modelo na proteção deles. O documento foi baseado em uma série de normas internacionais da ONU, como a Declaração dos Direitos da Criança, da Unicef, e as Regras de Pequim, que determina tratamento adequado aos menores infratores.

Com a aprovação do ECA, o Brasil se tornou o primeiro país a adequar a legislação interna aos princípios consagrados pela Convenção das Nações Unidas.

Disque-denúncia – Preocupada com a falta de punição a tortura e violência policial, o Comitê dos Direitos Humanos da ONU chamou a atenção do Brasil. Ao “prestar contas” à organização em 2001, o País se comprometeu a agilizar a criação de um disque-denúncia de cobertura nacional.

Dois anos mais tarde, já na gestão Lula, o governo federal passou a administrar o Disque Denúncia, que ficou conhecido como Disque 100. Sob o comando da recém-criada Secretaria de Direitos Humanos, o serviço deixou de ser um simples canal de denúncia e passou a conectar vários serviços e parceiros no Brasil todo.

O combate à exploração sexual infantil era o principal foco do programa até então. A partir de 2012, o Disque 100 passou a receber denúncias de outras violações aos direitos de toda a população, especialmente pessoas em situação de rua, idosos, pessoas com deficiência e população LGBTI+. Só no ano passado, o canal recebeu mais de 120 mil denúncias.

 

Da Agência PT de Notícias

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Bolsonaro está vendendo Petrobras aos pedaços, denuncia Zarattini

Em vídeo publicado nas redes sociais, o líder da Minoria no Congresso, deputado Carlos Zar…