Home Portal Notícias Lula Livre Tratados como heróis após 26 dias de greve de fome, militantes encerram jejum e seguem para outras batalhas

Tratados como heróis após 26 dias de greve de fome, militantes encerram jejum e seguem para outras batalhas

8 min read
0

Num ato de solidariedade marcado pela emoção, neste sábado (25), o grupo de sete militantes populares que iniciou greve de fome há 26 dias, em defesa da democracia brasileira e de justiça e liberdade para o ex-presidente Lula, anunciou o fim do jejum após a grande repercussão e mobilização que o protesto extremo gerou junto à sociedade brasileira e na mídia internacional.

“Estamos saindo de uma batalha, de um front de guerra para outro front de guerra. Frei Sérgio nos dizia que não existe batalha perdida. A única batalha perdida é aquela que tu não faz”, disse Jaime Amorim, um dos grevistas, mencionando o frei Sérgio Görgen, um dos colegas do jejum que durou quase um mês. Além dos dois, integram o grupo Zonália Santos, Rafaela Alves, Luiz Gonzaga Silva (Gegê), Vilmar Pacífico e Leonardo Soares.

Durante o ato, ocorrido no Centro Cultural de Brasília (CCB), local onde os militantes repousaram durante essa jornada de quatro semanas, foi divulgado um manifesto que expressa o sentimento de vitória do protesto. “Teremos ainda muitas batalhas coletivas pela frente, mas temos a certeza que ‘se calarmos, as pedras gritarão!’. Nosso desafio é que a luta atual se transforme em força social capaz de virar o mundo e destruir privilégios”, diz o texto [confira a íntegra aqui]. Além do manifesto, os militantes divulgaram uma carta de agradecimento por todo o carinho e apoio que receberam durante o jejum [confira aqui a carta].

Para o deputado Paulo Pimenta (PT-RS), líder do PT na Câmara, a greve de fome foi “um ato extremo e ao mesmo tempo nobre, de amor e de coragem, de entrega em nome da luta” que trava o povo brasileiro. “Estes companheiros e companheiras entraram para a memória histórica dos grandes heróis do povo brasileiro. Somos gratos pelo protesto que fizeram, que expôs ainda mais ao Brasil e ao mundo a injustiça que sofre o presidente Lula e a fragilidade da nossa democracia nesse momento. Seguiremos juntos em outras batalhas e chegaremos à vitória!”, destacou Pimenta no Twitter.

Gleisi Hoffmann, senadora e presidenta nacional do PT, enviou ao ato um vídeo com saudação ao “ato de coragem, rebeldia e resistência” que foi a greve de fome. “Em nome do povo sofrido do nosso País, vocês conseguiram mobilizar milhares de pessoas, chamar a atenção para a injustiça que está acontecendo no Brasil e com o presidente Lula. Vocês conseguiram ser voz ouvida no Supremo Tribunal Federal. E mesmo que os juízes não tenham tomado as providências necessárias, com certeza eles ficaram sensibilizados. Vocês são heróis”, afirmou Gleisi, que registrou agradecimento em nome do PT e do presidente Lula.

João Pedro Stédile, coordenador do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), marcou presença no ato e falou sobre o significado do gesto. “Nessa prática que nossos companheiros grevistas fizeram durante todo esse mês, eles deixaram de se alimentar de alimentos, mas se alimentaram muito de espírito e de ideias”, ressaltou Stédile.

Também presente à homenagem aos grevistas, Carmen Foro, vice-presidenta da Central Única dos Trabalhadores (CUT), considerou a greve de fome um ato de amor. “Ficar em greve de fome por justiça, por amor ao nosso país, contra a fome, é um ato revolucionário”, elogiou a dirigente.

Beatriz Vargas, da Associação Brasileira dos Juristas pela Democracia (ABJD), enalteceu a coragem dos militantes. “Existem várias formas de lutar, mas essa é a mais corajosa, a mais generosa. A palavra gratidão é aquela que concentra aquele nosso sentimento profundo de reconhecimento pela luta de vocês”, saudou Beatriz.

Representante da Comissão Brasileira de Justiça e Paz, órgão da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Carlos Moura usou as palavras do Papa Francisco para exaltar o grupo que jejuou. “Os companheiros e companheiras que estão em greve de fome ousaram sacrificar-se em nosso benefício. Plantaram uma semente que devemos regar com a nossa força e o nosso entusiasmo, de casa em casa, de rua em rua, de bairro em bairro, de cidade em cidade. Que esta sementinha floresça não só nos nossos corações e no nosso entusiasmo, mas floresça no sentido de terra para todos, teto para todos, trabalho para todos”, propôs Moura.

Atos – João Pedro Stédile informou que a Frente Brasil Popular deverá organizar atos em várias cidades no próximo domingo (2), mas os detalhes serão definidos ao longo da semana.

Rogério Tomaz Jr.

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Confira a posição de cada parlamentar e partido na votação que colocaria o COAF no Ministério da Justiça

A oposição impôs uma dura derrota ao governo Bolsonaro na votação da medida provisória (MP…