Home Portal Notícias Manchetes “Martelo já está batido”: Brasil tem obrigação de cumprir decisão da ONU

“Martelo já está batido”: Brasil tem obrigação de cumprir decisão da ONU

7 min read
0

O Estado brasileiro tem que cumprir a decisão do Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (CDH-ONU) e tomar as medidas necessárias para permitir que Luiz Inácio Lula da Silva exerça, mesmo preso, os seus direitos políticos como candidato nas eleições presidenciais de outubro. Esse é o entendimento dos advogados de defesa do ex-presidente, Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Zanin Martins; do ex-ministro das Relações Exteriores Celso Amorim e do jurista Paulo Sérgio Pinheiro, que concederam entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira (17).

Questionado sobre a quem caberia cumprir a decisão, Amorim foi claro ao dizer que o problema que se coloca é outro. “O martelo está batido. Você pode querer saber apenas quem vai bater o martelo para descumprir. Isso eu não sei se vai ocorrer. Espero que não”, enfatizou.

“Não se trata de recomendação, é uma decisão juridicamente vinculante que tem que ser cumprida por todos os poderes da República brasileira: pelo Executivo, pela Suprema Corte, pelo Tribunal Superior Eleitoral e pelos procuradores do Ministério Público envolvidos com o caso de Lula”, reforçou Cristiano Zanin.

“O Brasil só tem duas opções: ou cumpre a liminar ou se tornará um pária internacional. Eu só lembro de um país que deixou de cumprir uma decisão como essa, o Afeganistão quando era governado pelo Talibã”, deixou claro o ex-chanceler brasileiro durante o governo Lula.

“A ONU não pediu para instaurar um processo para apurar. O que o comitê determina é que Lula tem o direito de participar, de exercer todas os direitos e faculdades de um candidato, inclusive de participar de debates e ter acesso à imprensa e aos integrantes do seu partido”, observou o advogado.

PGR – Cristiano Zanin lembrou que a Procuradoria-Geral da República (PGR) já manifestou posição favorável ao STF sobre a obrigatoriedade de o Brasil cumprir decisões de cortes internacionais. “A PGR reconheceu que as decisões têm força vinculante a todos os órgão e poderes do País, pois houve uma decisão constitucional de inserir o Brasil nas cortes internacionais de direitos humanos ”, afirmou.

Liberdade – A advogada Valeska Zanin destacou que o Estado brasileiro sabia do comunicado individual que a defesa do Lula havia feito ao Comitê da ONU. “Tanto eles sabiam, como reconheceram o processo, e, por três vezes responderam ao comitê sobre o caso”, ressaltou.

Ela explicou ainda que tudo o que foi decido nessa liminar do Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas ainda não envolve a liberdade e os questionamentos sobre o julgamento injusto, ilegal e nulo do ex-presidente. “Não se trata do mérito, pois ainda serão julgadas pela ONU as violações grosseiras que levamos ao comitê, que entendeu, ao emitir a liminar, que haverá danos irreversíveis ao ex-presidente, se não participar do pleito eleitoral”, afirmou a advogada.

A liminar do comitê, explicou Zanin, é uma resposta ao processo iniciado em Genebra (Suíça) em 2016, quando foi feito um comunicado individual à ONU, mostrando a série de violações no processo contra o ex-presidente Lula, desde a condução coercitiva até condenação indevida e incompatível com a legislação brasileira. “Com a decisão, a ONU está reconhecendo as violações. Mas como a decisão sobre o julgamento ilegal de Lula só sai depois das eleições, o comitê concedeu a liminar para assegurar direitos que seriam irreparáveis, caso Lula não participe das eleições”, ressaltou.

O jurista Paulo Sérgio Pinheiro disse esperar que as instituições brasileiras não desqualifiquem a decisão da ONU. “Isso seria uma estupidez, porque não se trata de uma recomendação. É uma determinação judicial decidida por 18 pessoas eleitas pela Assembleia Geral da ONU. Seria um vexame internacional não cumpri-la. O Pacto é opcional, mas o Brasil o ratificou pelo Decreto Legislativo 311/2009, de forma espontânea, portanto, está obrigado a cumpri-lo”, frisou Pinheiro, que foi secretário de Direitos Humanos do governo FHC.

PT na Câmara

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Líder do PT defende CPI para investigar esquema criminoso da Lava Jato sob comando de Moro e Dallagnol

O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), defendeu hoje (18) a criação da uma Comissão …