Home Portal Notícias Debatedores defendem reforma do sistema penitenciário brasileiro

Debatedores defendem reforma do sistema penitenciário brasileiro

6 min read
0

Em audiência pública da Comissão de Direitos Humanos de Minorias, presidida pelo deputado Adelmo Leão (PT- MG), sobre as perspectivas para políticas de desencarceramento no Brasil, os participantes defenderam uma ampla reforma no sistema penitenciário. “É preciso reformar o sistema com urgência para que as penitenciárias não sejam apenas um lugar de reprodução da violência”, argumentou o deputado.

Na avaliação do petista, é preciso garantir que o sistema penitenciário brasileiro não seja uma escola de vingança, mas sim um espaço de reparação de danos e punição. “O sistema deve oferecer uma possiblidade concreta para que os presos possam ser recuperados”, disse Adelmo Leão.

Na sua exposição, o perito do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, José de Ribamar de Araújo e Silva, afirmou que o superencarceramento está acompanhado de uma forte seletividade penal e com ausência de controle dos órgãos de fiscalização. Além disso, ele destacou que o País não cumpre minimamente a legislação penal e desrespeita direitos humanos básicos dos presos.

“A classificação dos presos, que é o direito de ser encarcerado com dignidade, não é cumprido o mínimo. A audiência de custódia está banalizada e não alcançou seu objetivo último como estratégia de desencarceramento. Em muitos casos, o sistema de justiça sequer faz a devida averiguação sobre as condições em que se encontram os encarcerados. Na frente de quem a conduziu, você falaria se foi vítima de tortura ou de maus-tratos? Eu diria que não. O almoço é servido frio e o jantar, azedo. Não tem controle”, denunciou o perito.

População carcerária – A pesquisadora do Instituto Terra, Trabalho e Cidadania, Raíssa Belintani, destacou que entre os anos de 2000 e 2016, a população carcerária aumentou 157% e isso não se refletiu em mais segurança para a população. Ela informou ainda que neste período a população carcerária feminina aumentou 565% e, em sua grande maioria, são mulheres negras, jovens, de baixa renda e mães, acusadas de crimes relacionados ao tráfico.

“Quanto mais o Estado restringe os direitos básicos, mais ele expande a população criminal”, afirmou Raissa Belintani. Ela acrescentou que, diante da complexidade, a solução é criar políticas sociais específicas ou aumentar o número de vagas em unidades prisionais. “É promover o acesso de direitos de forma universal, buscar propostas e rejeitar soluções mágicas”, defendeu.

Pena perpétua – A Coordenadora-Geral de Promoção e Cidadania do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), Mara Fregapane, afirmou que o órgão, ligado ao Ministério da Justiça, considera que é importante atuar em três frentes: a porta de entrada, de forma a pensar penas alternativas e novas formas de responsabilização que não sejam em unidades prisionais; a melhora dos serviços nas prisões, para dar mais dignidade aos presos; e nas portas de saída.

“Quando a gente fala que não tem pena perpétua, isso é mentira. As pessoas saem marcadas, como vão conseguir trabalho se as portas são fechadas? Precisamos pensar em uma política de referência e acompanhamento e proteção social para quem está saindo”, afirmou.

PT na Câmara, com Agência Câmara

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

CDHM reúne movimentos sociais para elaborar plano de trabalho

Na próxima quarta-feira (27), às 14h, a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara …